Matérias Fake News

Boatos que matam: Os 10 casos mais destrutivos de fake news na História

Notícias falsas existem desde sempre. Estas são algumas das que mais fizeram vítimas

domingo 19 agosto, 2018
As Fake News do passado
As Fake News do passado Foto:Shutterstock

10. Medidas ativas

Reprodução/Nasa

A União Soviética sempre esteve à frente dos Estados Unidos no quesito propaganda. Na tentativa de influenciar a opinião pública e aumentar as tensões sociais e políticas, a KGB e outros serviços de inteligência soviéticos geraram inúmeros boatos que propagaram em escala global. Muitos seguem acreditando em coisas como a aids ter sido criada pelos EUA (o que causou mortes na África por rejeição ao tratamento) ou que a Apollo 11 foi uma farsa.


9. Seitas satanistas dos anos 80

Wikimedia Commons

Tudo começou nos EUA em 1980, após a publicação do livro Michelle Remembers (“Michelle se Lembra”, sem tradução), do psiquiatra canadense Lawrence Pazder. A obra descreve o tratamento de sua esposa, Michelle Smith, que teria sofrido abuso satânico cometido por sua mãe em 1950. Uma fraude engendrada por Pazder, que levou, ao redor do mundo, a uma série de julgamentos e condenações envolvendo crianças abusadas sexualmente por meio de rituais satânicos. Muitos inocentes foram parar na cadeia pelo pânico.

Notícias Relacionadas


8. Plano Cohen

Reprodução

Em 30 setembro de 1937, os ouvintes do programa de rádio Hora do Brasil foram surpreendidos com o anúncio de um plano que detalhava um golpe comunista contra Getúlio Vargas. Os direitos constitucionais foram suspensos. Era uma farsa criada por Olímpio Mourão, ex-general do Exército brasileiro, para garantir a permanência de Vargas no poder – que estabeleceria o Estado Novo. Morreu a democracia. E um número desconhecido de opositores.


7. A conspiração de Titus Oates 

Wikimedia Commons

Os católicos viveram sob clima de constante tensão na Inglaterra do século 17. Um protestante chamado Titus Oates maquinou um plano para manchar a reputação dos fiéis. A chamada “Conspiração Papista” era um esquema fictício que afirmava que os católicos pretendiam assassinar o rei Carlos II da Inglaterra. Como resultado, 22 homens já haviam ido para a forca antes de a mentira de Oates ser desmascarada.


6. Cristãos para os leões 

Wikimedia Commons

Os cristãos começaram a ser alvo de boatos quando o imperador Nero os responsabilizou pelo grande incêndio ocorrido em Roma. Eram rejeitados por não participarem das celebrações cívicas aos deuses. Insultos e acusações começaram a circular na sociedade. Uma má interpretação da eucaristia “beber o sangue de Cristo” e “comer o corpo de Cristo”, por exemplo, fez com que os cristãos fossem acusados de canibalismo. E também de incesto, pois chamavam uns aos outros de “irmãos”.


5. A grande conspiração

Wikimedia Commons

Publicado pela primeira vez na Rússia em 1903, o Protocolo dos Sábios de Sião continha as (falsas) atas de uma reunião do fim do século 19, sobre uma conspiração que os judeus formariam para dominar o mundo, controlando a imprensa e a economia mundial. O conteúdo foi traduzido para vários idiomas e propagado freneticamente no século 20 – só nos EUA, 500 mil cópias foram impressas e distribuídas. Quando os nazistas ascenderam ao poder em 1933, o conteúdo foi usado como propaganda contra os judeus.


4. Campanha de antivacinação 

Domínio publico

A polêmica em torno da vacina tríplice (caxumba, sarampo e rubéola) teve início quando o médico britânico Andrew Wakefield, um gastroenterologista, publicou um artigo no jornal Lancet, em 1998, a respeito do tratamento de crianças diagnosticadas com autismo. Wakefield afirmava que tais crianças desenvolveram o distúrbio neurológico após receberem a vacina. O médico era, na verdade, um vigarista que havia arquitetado a farsa após ser pago por um grupo que pretendia processar a indústria farmacêutica. O jornal retirou o artigo e Wakefiled foi impedido de exercer a profissão.


3. Nobres vampiros 

Wikimedia Commons

Dentre as inúmeras acusações que renderam a morte na guilhotina a Maria Antonieta, a mais célebre é a frase “Se eles não têm pão, que comam brioches!”. No entanto, a sentença nunca foi dita pela rainha da França. As palavras são um trecho da obra Confissões, de Jean Jacques Rousseau. Seu marido, o rei Luís XVI, também foi alvo de boatos. Ao assumir o trono em 1774, teve que lidar com a reputação manchada do avô, o rei Luís XV. Por sofrer de lepra, fora acusado de matar crianças para banhar-se com o sangue delas.


2. Na mira da Inquisição 

Wikimedia Commons

A série de julgamentos das Bruxas de Salém, entre 1692 e 1693, levou à execução de 20 pessoas – cinco outras morreriam aprisionadas. O episódio foi um dos muitos que surgiram com a circulação do livro Malleus Maleficarum, de 1487, que dizia, entre outras coisas, que toda mulher tinha tendência a se tornar bruxa. Não só elas como homens foram torturados e queimados no esforço de confessar que voavam ou que tinham relações sexuais com o diabo.


1. A causa da Peste Negra

Wikimedia Commons

Quando a Peste Negra surgiu durante a Idade Média, matando até um em cada três europeus, os judeus foram acusados de serem os responsáveis pela praga. Judeus já eram frequentemente massacrados por conta dos libelos de sangue, acusações de sacrificarem crianças em seus rituais. Como os judeus pareciam morrer menos que o resto, foram apontados como a causa, no maior libelo de todos. Acusados de envenenar poços e de serem protegidos pelo Satã, calcula-se que, no auge da Peste, 200 comunidades foram erradicadas. E os cristãos continuaram a nem fazer ideia de que os ratos eram culpados. 

Thiago Lincolins


Leia Mais:

Receba em Casa

Vídeos

Mais Lidas

  1. 1 Crianças que nasceram como resultado do horrível programa Há 82 anos, nazistas começavam seu repugnante programa de ...
  2. 2 Os quatro milênios da Babilônia
  3. 3 Uma tempestade chamada Pagu
  4. 4 Inquisição: A fé e fogo
  5. 5 Marginália: As alucinadas ilustrações dos livros medievais