Matérias » Brasil

A Campanha da Legalidade de 1961 em 10 imagens

O movimento incitado por Leonel Brizola contra o Golpe Militar mobilizou o povo armado e foi bem documentado pelo fotojornalismo da época

André Nogueira Publicado em 03/11/2019, às 08h00

None
Domínio Público

Em 1961, as ruas do Brasil pegaram fogo. Após a derrotada tentativa de Golpe em 1955, o Alto Escalão do Exército voltou a ameaçar a ordem democrática ao tentar impedir a posse do então vice-presidente eleito João Goulart. Após a renúncia do presidente Jânio Quadros, o Ministro da Guerra Odílio Denys declarou impossibilidade do petebista colocar a faixa presidencial por medo das ameaças econômicas que ele oferecia.

Então, associado ao povo do Rio Grande do Sul, São Paulo, Goiás e Rio de Janeiro, o governador gaúcho Leonel Brizola desceu aos porões do Palácio Piratini, sede do governo, e acionou a Rádio da Legalidade, onde convocou todos os defensores da democracia a participarem das mobilizações em favor da posse de Jango.

O povo saiu de casa com armas. As Brigadas Militares e fragmentos do Exército se uniram à Campanha. Foi convocada uma Greve Geral e diversas passeatas pelas capitais. Enquanto Leonel Brizola discursava euforicamente aos militares – os Gorilas Golpistas, que se sentiam ao mesmo tempo ameaçados e provocados pelo governador gaudério – clamando pela soberania do povo e do voto, os insurgentes contra Jango chegaram a querer bombardear o Palácio.

Graças à mobilização da Campanha da Legalidade, Jango conseguiu negociar com os golpistas – o que era contra o plano de Brizola de plena posse como asseguraria a Constituição de 1946 – e assumiu a presidência sobre regime parlamentarista. A força do movimento de Brizola foi tão grande que, com o golpe instaurado em 1964, o Engenheiro Leonel conseguiria novamente ameaçar o movimento militar com uma nova convocação da Rede. Mas Jango negou, temendo uma Guerra Civil.

1. Soldados da Brigada Militar se preparam durante tocaia

Crédito: Domínio Público

 

2. Leonel Brizola anda pelo Palácio portando uma metralhadora

Crédito: Domínio Público

 

3. Governador Brizola e o General Machado Lopes saem do Palácio Piratiní

Crédito: Domínio Público

 

4. Pelas ruas em Porto Alegre e São Paulo, o povo clamava pela Legalidade

Crédito: Domínio Público

 

5. Soldado descansa e lê o jornal no telhado do Palácio Piratiní

Crédito: Domínio Público

 

6. O governador checando o armamento das tropas

Crédito: Domínio Público

 

7. Em volta da sede do governo, o povo se juntou às barricadas em apoio a Jango e Brizola

Crédito: Domínio Público

 

8. Os dias em que a Campanha se articulou, discursos e protestos eram constantes no Rio Grande do Sul

Crédito: Domínio Público

 

9. Com um fuzil no ombro, soldado da Brigada prepara fuzil de longo alcance no telhado

Crédito: Domínio Público

 

8. Brizola fazendo um churrasco de rua junto aos gaúchos 

Crédito: Domínio Público

 

9. Brizola articulou a Campanha através de discursos na Rádio Guaíba, que se tornou Rede da Legalidade

Crédito: Domínio Público

 

10. Soldado apoia fuziu para ler as notícias

Crédito: Domínio Público

Saiba mais sobre Brizola e a Legalidade pelas obras que seguem:

1. 1961 - O Golpe do Derrotado, de Flavio Tavares - https://amzn.to/321E7UV

2. A Legalidade e Outros Pensamentos Conclusivos - https://amzn.to/2N6C25T

3. A razão indignada: Leonel Brizola Em Dois Tempos (1961-1964 E 1979-2004), de Americo Freire - https://amzn.to/2Wz0kZi

4. Minha Vida Com Meu Pai, Leonel Brizola, de João Brizola - https://amzn.to/2JDUvEI

5. Brizola - Da Legalidade Ao Exílio, de Dione Kuhn - https://amzn.to/2Wy9XHL

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.