Matérias » Oriente Médio

Em 1986, Saddam Hussein tentou reconstruir a Babilônia das ruínas

No auge da guerra Irã-Iraque, o ditador resgatou o passado de Nabucodonosor — registrando seu nome nos tijolos originais

Daniela Bazi e Joseane Pereira Publicado em 08/12/2019, às 06h00

Saddam em uma conferência de imprensa no ano de 1983
Saddam em uma conferência de imprensa no ano de 1983 - Getty Images

Construída por volta de 2300 a.C., a cidade da Babilônia é o berço da escrita e literatura, além de ser uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo e ter encantado milhares de pessoas com seus jardins suspensos.

Fascinado pela cidade, o ditador iraquiano Saddam Hussein decidiu reconstruí-la no topo das antigas ruínas, gastando milhões de dólares no auge da Guerra do Iraque contra o Irã, como uma forma de homenagear o rei Nabucodonosor — pelo qual Hussein era obcecado.

BABILÔNIA DE SADDAM

Violando qualquer norma de preservação do patrimônio histórico, a construção de um dos três palácios originais sobre suas ruínas foi levada a cabo, mesmo que ninguém soubesse exatamente como eram os antigos edifícios da Babilônia. A réplica, construída em 1986 com grande apoio da população iraquiana, teve um custo total de cinco milhões de dólares.

Imagem aérea da construção, em maio de 1992 / Créditos: Getty Images

 

A ideia era que o palácio estivesse em pé antes do início do primeiro festival de artes da Babilônia, em setembro de 1987. Observando um dos tijolos originais, contendo o nome de Nabucodonosor II e a data de 605 a.C., Hussein ordenou que uma inscrição sua também marcasse a história do local.

Hoje, visitando a Babilônia reconstruída, podemos ler em um de seus tijolos: '' No reinado do vitorioso Saddam Hussein, presidente da República, que Deus o mantenha, o guardião do grande Iraque, renovador de seu renascimento e construtor de sua civilização. A reconstrução da grande cidade da Babilônia foi realizada em 1987''.

BASE MILITAR

Pichações feitas no palácio de Saddam Hussein / Créditos: Getty Images

 

Segundo o Ministro da Cultura do Iraque, Abdulamir al-Hamdani, que descreve a cidade como “Babilônia de Saddam”, a construção foi feita de forma errada e sem consultas externas. “O local ficou negligenciado após a invasão do Iraque em 2003, liderada pelos EUA. Mas os danos foram infligidos por soldados americanos e poloneses, que o usaram como base militar".

Situação atual de um dos grandiosos salões do palácio / Créditos: Getty Images

 

Atualmente, a Babilônia se encontra aberta para receber turistas do mundo inteiro. Entretanto, 16 anos após a execução de Saddam, a grandiosa construção está completamente abandonada. As paredes dos enormes salões estão pichadas e cacos de vidros quebrados são vistos pelo chão. E os poucos iraquianos que visitam a fortaleza são famílias e grupos de adolescentes que se reúnem nas varandas para fumar narguilé.


+Saiba mais sobre a Babilônia através das obras abaixo:

Babilônia, Art Ayris (2013)

Link - https://amzn.to/388HJIW

Babilônia: A mesopotâmia e o nascimento da civilização, Paul Kriwaczek (2018)

Link - https://amzn.to/33Ucbnb

O homem mais rico da Babilônia, George S Clason (2017)

Link - https://amzn.to/367aF2b

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.