Matérias » Ecologia

2 milhões de pneus despejados no Oceano: o santuário ecológico que resultou em um deserto no mar

Em Osborne Reef, com pompa e circunstância, milhões de pneus foram jogados no oceano em 1972. Não saiu como o planejado

Redação Publicado em 11/02/2020, às 08h00

Cerca de 500.000 pneus permanecem no fundo do oceano
Cerca de 500.000 pneus permanecem no fundo do oceano - Divulgação

Para os habitantes do mar, o lixo da humanidade nem sempre é má notícia. Navios afundados terminam ocupados por corais e se transformam em santuários ambientais. Na falta de navio, estruturas de concreto são lançadas ao mar para criar recifes artificias, com sucesso. 

Em 1972, a consciência ambiental ainda estava em sua adolescência, nascida de tétricos incidentes de poluição e a romantização da natureza pelos hippies. Foi quando uma organização sem fins lucrativos chamada Broward Artificial Reef ("Recife Artificial de Broward", BARINC) teve uma ideia que parecia ser perfeita: despejar mais de 2 milhões de pneus usados no oceano, a cerca de 2 quilômetros da costa de Fort Lauderdale, na Flórida. Além de se livrar dos pneus que se aglomeravam ao redor da cidade, a iniciativa deveria criar um recife artificial, já pré-batizado de Recife Osborne.

O Corpo de Engenheiros dos Estados Unidos comprou a ideia, e várias pessoas se voluntariaram para ajudar, disponibilizando suas próprias embarcações. A Goodyear forneceu equipamentos para o projeto e jogou no oceano um pneu pintado de dourado para inagurar o "recife".

Pneus destruíram a vida marinha e impediram o crescimento de novos organismos / Crédito: Divulgação

Os pneus foram lançados numa área de 150.000 metros quadrados, a 20 metros de profundidade, entre dois recifes de corais. Um muro de contenção foi construído para limitar a área do recife artificial, e os pneus foram presos uns aos outros com fitas de nylon e cabos de aço.

A natureza não concorda

Se os pneus tissem ficado na posição, talvez o plano tivesse dado certo. Mas, com o tempo, esses cabos e fitas foram corroídos pela água salgada. Os pneus se libertaram e foram levados pelas ondas e correntes marítimas, se espalhando por toda a área – milhares deles foram encontrados em praias no extremo norte dos Estados Unidos.

A eterna movimentação dos pneus destruiu e destroi qualquer vida marinha que tente se estabelecer. Furacões e tempestades tropicais aumentaram a mobilidade dos pneus, que danificaram recifes de corais já existentes no fundo do oceano.

O resultado é um gigantesco deserto submarino, quase totalmente desprovido de vida.

Desde 2001, pesquisadores têm estudado ações para remover os pneus e reciclá-los. Em 2007, o Exército dos Estados Unidos tomou a frente do projeto, usando o processo de limpeza como treinamento para os mergulhadores.

Em 2015, um novo esforço foi iniciado, previsto para durar de três a cinco anos. Dos 2 milhões de pneus, cerca de 500.000 permanecem no fundo do oceano. E muitos deles jamais serão recuperados.

A retirada dos pneus é o primeiro passo para que a vida retorne à costa de Fort Lauderdale. Os especialistas acreditam que, com o resgate de grande parte deles, aos poucos os organismos marinhos podem superar o impacto causado pelos invasores e voltar a povoar a área. Mas isso pode levar décadas para acontecer.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras:

A terra inabitável: Uma história do futuro, de David Wallace-Wells (2019) - https://amzn.to/2UPCvh9

Planeta Azul em Algemas Verdes, de Václav Klaus (2010) - https://amzn.to/2OP5aiD

Ideias para adiar o fim do mundo, de Ailton Krenak (2019) - https://amzn.to/38lTkV3

Aquecimento global: Frias Contendas Científicas, de José Eli da Veiga (2003) - https://amzn.to/2USxnsu

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.