Matérias » Personagem

26 anos sem respostas: a incessante busca pelo paradeiro de Renee LaManna

"Meus pais morreram procurando por ela e eu não pude — e nunca vou — desistir”, disse sua irmã, Margaret LeManna, que ainda mantem esperanças em encontrá-la apesar de todos esse anos

Fabio Previdelli Publicado em 27/10/2020, às 13h38

Foto de Renee LaManna antes de desaparecer
Foto de Renee LaManna antes de desaparecer - Divulgação

O início de 2020 marcou o 26º aniversário desde que Renee LaMannadesapareceu pela primeira vez. Nessas mais de duas décadas, muitos disseram ter encontrado a mulher, mas, ainda assim, ela continua desaparecida, sem perspectiva de um reencontro.  

Apesar do tempo, sua irmã mais velha, Margaret LeManna, tem seguido todas as trilhas de seu possível paradeiro, e se recusa a desistir apesar de todos esses caminhos parecerem apontar para uma rua sem saída. “Acho que é um dos piores casos de desaparecimento da história”, comentou em entrevista à NBC no de 2016. “Realmente, acho que Renee deveria ter sido encontrada há muito tempo”. 

Uma foto de outubro de 2014, supostamente de Renee LaManna / Crédito: Margaret LaManna

 

As buscas começaram em Ocean City, New Jersey, em 8 de janeiro de 1994. Na ocasião, Renee saiu de casa após brigar com seu namorado, com quem estava junto há 10 anos. O fim do relacionamento teria provocado uma crise nervosa na mulher.  

Desde então, uma intensa busca por sua localização já varreu mais de meia dúzia de estados, com diversos avistamentos por algum deles. “Estou indo [nas buscas] desde o primeiro dia. Meus pais morreram procurando por ela e eu não pude — e nunca vou — desistir”, explicou a irmã. 

Motivos para o desaparecimento e traços comportamentais 

Renee sofre de um distúrbio dissociativo causado por um trauma psicológico. Ela não se lembra quem é, há quanto tempo se foi ou para onde realmente está indo. Mas está nos procurando”, comenta Margaret sobre o que teria levado ao desaparecimento da irmã.  

A mulher possui três formações em sua ficha acadêmica, incluindo um Mestrado em História. Ela também fala cinco idiomas, viajou junto ao Corpo da Paz e ajudou dezenas de imigrantes a se estabelecerem nos Estados Unidos. Porém, para sua irmã, nada disso importa, já que Renee não consegue compreender sua realidade atual.  

Uma foto tirada por Ruth Collins de Renee LaManna em outubro de 2014 em um supermercado na Virgínia / Crédito: Margaret LaManna

 

"Aqui está alguém que é incrivelmente realizada, viajada e extremamente inteligente, mas vive nas ruas e come em latas de lixo", disse Margaret. "Minha irmã precisa desesperadamente de ajuda, e não consigo entender como isso aconteceu durante todos esses anos." 

Após o fim de seu relacionamento, relembra a irmã, Renee saiu vagando sem rumo pelas ruas. Depois de um tempo, acabou sendo levada para o Jamaica Hospital Medical Center, mas teve alto logo depois. Margaret pegou sua irmã e a trouxe para sua casa, em Ocean City. “Ela chegou em estado catatônico. Mas, menos de uma hora depois de chegar, ela saiu correndo pela porta para a escuridão da praia”, lembra. "A polícia encontrou o manto dela, mas foi isso. Ela se foi." 

Avistamentos de Renee 

Conforme o tempo foi passando, muitos acreditavam que a esperança em encontrá-la se cessaria, no entanto, as coisas foram bem diferentes, já que muitas pessoas diziam ter avistado Renee ao longo dos anos. Cada avistamento foi documentado por Margaret, que se lembra dos detalhes de cada uma delas. “Ela está confusa, com base em todos os dados que coletamos”, conta.  

Em 1995, alguém relatou ter visto Renee em uma plataforma de metrô em Manhattan. A situação, conforme relatada, teria sido bem curiosa, afinal, um homem informou que ela estaria olhando para um folheto informando seu desaparecimento, aparentemente, sem saber que a pessoa em questão seria ela própria.  

Um dos últimos de seus avistamentos ocorreu em 2015, no Estado da Virgínia. Esse, inclusive, foi um dos mais promissores, com Margaret recebendo não só atualizações, como fotos de sua irmã. “Em fevereiro de 2015, recebi um telefonema de uma mulher dizendo: 'Eu vi sua irmã', e meu coração parou”, lembra. "Era a voz de Ruth Collins, que acabou passando quatro dias com minha irmã." 

Margaret LaManna e Ruth Collins buscando informações sobre Renee / Crédito: Margaret LaManna

 

Collins explicou a Margaret que a viu sentada em um banco do parque conversando com dois policiais. Ela ofereceu uma carona e, ao longo do caminho, Renee disse que estava procurando por sua família. “Ela disse que não conseguia entender por que sua família não conseguia encontrá-la”, diz. "Renee também disse a ela que andava de carona de parada em parada de caminhões pela Costa Leste." 

Ruth lembra que comprou roupas para a mulher desconhecida e até a ajudou encontrar um lugar para ficar. Mas, logo, Renee se foi novamente. A informação foi arquivada pela polícia local e, assim, a própria Collins começou uma busca para tentar encontrar a família da mulher misteriosa. 

Quatro meses depois, um banco de dados revelou a foto e a história de Renee e ela ligou para Margaret. As fotos que Ruth tirou fizeram parte de uma grande campanha de mídia social para localizá-la.  

Margaret e seu marido voaram quase 2.000 quilômetros de sua casa na Flórida para Greensboro, Carolina do Norte, em novembro daquele ano para dar entrevistas a agências de notícias locais e procurar Renee a pé.  

Foto de Margaret LaManna / Crédito: Ruth Collins

 

Vários avistamentos foram relatados tanto naquele mês quanto em dezembro, em várias áreas do Estado, mas Margaret teve que voltar para casa sem sua irmã. Duas mulheres relataram ter visto Renee, em 14 de dezembro, em um shopping em Reidsville, Carolina do Norte, usando as mesmas roupas que Ruth Collins a fotografou no ano anterior. No entanto, ela não foi localizada. 

Um grupo de pesquisadores continua a postar panfletos na área. Já Margaret, por sua vez, também promete não desistir. "Tudo o que eu tiver que fazer para encontrá-la, eu farei". A irmã, inclusive, contratou um detetive particular para localizá-la e também abriu um canal nas redes sociais com campanhas.  

Foto de Renee em um caminhão / Crédito: Margaret LaManna

 

Uma linha telefônica também foi disponibilizada para receber informações sobre Renee, assim como caminhões foram pagos para que circulassem pelas ruas sua foto e frase "Por favor, Me encontre”.


+ Saiba mais sobre outros desaparecimentos por meio de obras disponíveis na Amazon:

The Disappearance of Jean Spangler, de Charles River Editors (2018) - https://amzn.to/2z6PAKF

O Desaparecimento De Josef Mengele, de Olivier Guez (2019) - https://amzn.to/2SDhvIL

A verdade sobre o caso Harry Quebert, de Joël Dicker (2015) - https://amzn.to/3dn5sXE

O desaparecimento de Stephanie Mailer, de Joël Dicker (2019) - https://amzn.to/3dhUi6H

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W