Matérias » Personagem

R$ 325 mil em cirurgias e morte por overdose: a saga de Toby Sheldon

Toby ficou famoso por ter gasto o quanto foi preciso para tornar seu rosto o mais parecido possível com um cantor pop

Ingredi Brunato Publicado em 24/09/2020, às 20h06

Fotografia de Toby Sheldon.
Fotografia de Toby Sheldon. - Divulgação/ Instagram

O canadense Justin Bieber foi um fenômeno musical instantâneo quando fez sua entrada no mundo da música em 2009. Lançou diversos hits já em seu primeiro álbum, que contou com músicas como “One Time” e o inesquecível single (até para quem não gostava) “Baby”, que conquistou o top 5 de mais tocadas em dez países. 

O resultado do sucesso foi uma legião fiel de fãs, muitos deles não tendo medo de dizer que fariam tudo pelo ídolo canadense. Porém, mesmo entre aqueles que expressavam sua paixão pelo artista adolescente de forma mais intensa, o caso de Toby Sheldon se destaca como inusitado. 

O alemão, nascido no ano de 1980, também trabalhava com música, assim como Justin Bieber - no caso de Toby, ele era um compositor. Contudo, ele queria aumentar seu nível de semelhanças com o ídolo adolescente de uma maneira muito específica: desejava ter o mesmo rosto que o cantor. 

Para tanto, Sheldon estava disposto a se submeter à todo tipo de operação, inclusive sem impor limites para os custos. Quaisquer quantidades de dinheiro que fossem necessárias para alcançar seu objetivo estético, o compositor estava aceitando arcar com elas. Seu novo rosto teve um orçamento total de mais de 100 mil dólares, segundo estimado pelo alemão, ou 325 mil reais, quando convertido para nossa moeda. 

Imagem de Toby Sheldon no reality show "Botched". Crédito: Wikimedia Commons

 

Fama

O sósia plastificado do astro pop também alcançou sua própria fama, após aparecer em dois reality shows americanos diferentes. Segundo o The Independent, o primeiro deles foi o Botched, que acompanhava especialistas em cirurgia plástica enquanto eles consertavam outras cirurgias que haviam dado errado, feitas por colegas de trabalho menos habilidosos. 

O segundo programa desse gênero onde Sheldon fez uma participação foi o My Strange Addiction, em que eram mostradas pessoas com compulsões muito específicas e excêntricas. 

Mais tarde, Toby ainda apareceu no talk show americano Bethenny, ao lado de Justin Jedlica, que passou por mais de 700 procedimentos estéticos também com o objetivo de se parecer com alguém. No caso dele, a meta final era ficar o mais parecido possível com o boneco Ken, parceiro da Barbie. O apelido pelo qual Jedlica é muito mais conhecido é, inclusive, “Ken Humano”. 

Nesse talk show, foram apresentados especialistas que levantaram a hipótese de “dismorfia corporal” para explicar o comportamento tanto de Toby Sheldon quanto do Ken Humano, iniciando uma discussão profunda sobre a combinação de ideais de beleza tóxicos com problemas de saúde mental.  

Esse transtorno mental é caracterizado pela percepção recorrente e intensa de que alguma parte do corpo - ou o corpo inteiro - é gravemente defeituosa, e pelos esforços excepcionais para ocultar ou ‘consertar’ isso. Entram nesses esforços excepcionais, evidentemente, a realização de cirurgias plásticas. 

Morte 

O sósia do Justin Bieber teve um fim trágico e solitário. Ele morreu em 2015, aos 35 anos em um quarto de hotel em San Fernando Valley. O alemão tinha passado três dias desaparecido. Já sua causa de morte foi intoxicação pela mistura de diversas drogas

Não drogas recreativas: segundo o TMZ, o que matou Sheldon foi um coquetel de remédios. O veículo informou que ele havia misturado oxicodona, hidrocodona, diazepam (Valium), zolpidem, temazepam, alprazolam (Xanax) e álcool. O quarto onde estava não apresentava sinais de arrombamento, e seu corpo estava livre de hematomas. 

**Errata: A reportagem errou ao mencionar a data de nascimento de Toby. A informação foi corrigida.


++Saiba tudo sobre Hollywood através das obras disponíveis na Amazon: 

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, de Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/2ViwOqO

Hollywood Babylon: The Legendary Underground Classic of Hollywood's Darkest and Best Kept Secrets (Edição Inglês), de Kenneth Anger (1981) - https://amzn.to/2RurMWU

O livro do cinema, de Vários autores (2017) - https://amzn.to/2VeOS52

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W