Matérias » Brasil

5 curiosidades sobre a Fordlândia, a cidade 'fantasma' de Ford no Pará

Conheça a cidade construída por Henry Ford no final da década de 20, hoje abandonada

Giovanna Gomes Publicado em 06/01/2021, às 16h14

Henry Ford
Henry Ford - Reprodução

A Ford Motors Company, fundada por Henry Ford apresentou ao mundo um novo método de produção de automóveis.

Neste sistema, os funcionários permaneciam em filas, realizando a mesma tarefa repetidamente, sendo cada um especializado na produção de uma parte do veículo. 

A indústria automobilística de Ford necessitava de vários materiais para a produção, entre eles, a borracha. Contudo, as seringueiras de onde era extraído o látex se encontravam no território asiático e estavam sob monopólio inglês.

Assim, Ford pensou que seria uma boa alternativa buscar a matéria prima em território brasileiro. No entanto, seus investimentos resultaram em um verdadeiro desastre. 

1. O golpe 

Naquela época, o governo do Pará concedia terras gratuitamente a quem quisesse plantar seringueiras. Assim, sabendo do interesse de Henry Ford em investir na região amazônica, o cafeicultor Jorge Dumont Villares obteve do governo áreas em sete pontos diferentes. No entanto, quando os funcionários da companhia chegaram ao Brasil, Villares mostrou apenas sua propriedade privada.

Henry Ford / Crédito: Wikimedia Commons

 

Dessa forma, Ford comprou 1 milhão de hectares do cafeicultor por 125 mil dólares, sendo que poderia tê-las conseguido gratuitamente. Além disso, o terreno era impróprio para o cultivo de seringueiras. 

2. A Fordlândia

A floresta começou a ser derrubada no ano de 1928 para a construção das casas e para a plantação das seringueiras. Dois navios, Lake Ormoc e Lake Farge, foram encarregados de trazer dos EUA madeira, telhas e mudas, além de outros materiais necessários para a construção da vila. Uma das embarcações serviu temporariamente de hospital, além de fornecer energia elétrica para a região.

Vista aérea de Fordlândia em 1934 / Crédito: Divulgação/Coleção Henry Ford

 

Terminada a construção, a cidade era um verdadeiro povoado americano dentro da Amazônia. Nela, estavam as casas dos administradores, que contavam com piscina, gramados para golfe, cinema, entre outras comodidades.

3. Os funcionários

Enquanto os administradores americanos viviam luxuosamente, os funcionários brasileiros habitavam vilas modestas. Porém o salário era muito maior do que em outras localidades, o que fez com que muita gente buscasse emprego em Fordlândia, sendo especializada ou não. Mas, por mais que houvesse um enorme número de candidatos, grande parte não era admitida devido a problemas de saúde. 

Primeiros funcionários de Fordlândia com Jorge Villares à esquerda / Crédito: Reprodução

 

Contudo, ainda que o salário não fosse baixo, havia uma grande diferença de costumes entre brasileiros e estadunidenses. Os caboclos estavam acostumados a seguir o ciclo do sol, mas os americanos utilizavam relógios de ponto e uma sirene que marcava turnos e horários de descanso.

Além disso, era proibido o consumo de bebida alcoólica na Fordlândia, o que não era de fato um problema, já que os funcionários davam um jeito de contrabandear álcool dentro de melancias, que entravam no local pelo rio.

4. Seringueiras

Logo no início, a plantação de seringueiras foi atacada por um fungo chamado mal-das-folhas, que matava as árvores ou pelo menos reduzia a produção do látex, o que representou um grande prejuízo para Ford.

Plantação de seringueiras / Crédito: Wikimedia Commons

 

Outro obstáculo era que o ritmo da plantação também era muito baixo. Se no ano de 1929, havia um total de 400 hectares ocupados por seringueiras, em 1931, esse número subiu para somente 900, sendo que o plano inicial era de 200 mil hectares.

Apenas no ano de 1932, a empresa contratou um especialista chamado James R. Weir para tratar das plantações. Ele sugeriu que a Fordlândia fosse transferida para a cidade de Belterra, que seria mais propícia ao cultivo. Assim, teve início a construção de um novo povoado. Porém a produção ainda permaneceu baixa. 

5. O abandono

O surgimento da borracha sintética, que passou a ser largamente produzida após a Segunda Guerra Mundial representou uma diminuição do interesse pelo látex. Outra razão era que a forma de produção das fábricas passou por mudanças. A terceirização fez com que os produtos não precisassem ser realizados totalmente num mesmo local. 

Edifício abandonado em Fordlândia / Crédito: Wikimedia Commons

 

Assim, com um prejuízo de 9 milhões de dólares na época, no ano de 1945, Henry Ford, decidiu vender as terras na Amazônia para o governo brasileiro pelo preço de 250 mil dólares. Desde então, o local se encontra totalmente abandonado. 


+Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

FORD: Minha vida, minha obra: Autobiografia, de Henry Ford (eBook) (2018) - https://amzn.to/39dXXns

Henry Ford: A curiosa vida de um dos maiores visionários da história, de Editora Golden Pages (eBook) (2020) - https://amzn.to/33h7iXM

O livro do carro: Enciclopédia visual, de Vários Autores (2919) - https://amzn.to/37kgJHd

Box Os imortais: Para quem é viciado em carros, de Editora Escala (2017) - https://amzn.to/2J5L4B1

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W