Matérias » Personagem

Fracasso e alvo de chacota: a verdadeira imagem de Adolf na Primeira Guerra Mundial

Atuando como mensageiro de retaguarda entre 1914 e 1918, o jovem Hitler não era tão valente quanto seu regime tentou mostrar

Joseane Pereira Publicado em 30/04/2020, às 07h30

Adolf Hitler durante a Primeira Guerra Mundial
Adolf Hitler durante a Primeira Guerra Mundial - Getty Images

Com a ascensão do Nazismo, a figura de um jovem Hitler que recebeu condecorações por bravura durante a Primeira Guerra foi propagada por toda a Alemanha. Entretanto, não é isso o que transparece em documentos da época: entre 1914 e 1918, o futuro líder era apenas um cabo mensageiro que entregava recados aos oficiais do 1º Regimento de Infantaria da Bavária, sendo alvo de chacota pela pouca habilidade no uso de armas.

Segundo o historiador alemão Thomas Weber, autor de Hitler’s First War (A Primeira Guerra de Hitler, em tradução livre), o jovem Adolf Hitler era uma espécie de ajudante geral dos oficiais. Tendo acesso a diários, cartas e relatórios guardados no Arquivo de Guerra da Bavária, o pesquisador pôde atestar que a imagem de um cabo ousado e valente era pura propaganda nazista.

Hitler com outros dois soldados e um cachorro durante sua estadia em um hospital militar, Primeira Guerra Mundial / Crédito: Getty Images

 

 “A visão de um Hitler sempre exposto ao perigo, correndo entre trincheiras sob fogo cerrado para entregar mensagens aos oficiais em serviço no front, não resiste aos relatos contidos nesses documentos”, afirma o historiador. “O que encontrei revela que seu trabalho era feito longe da frente de batalha. Ele servia principalmente no Centro de Comando de seu regimento”.

Em um dos documentos analisados, está um texto do tenente do Regimento List, que descreve os soldados sob sua guarda com palavras específicas — no objetivo de orientar os oficiais para a escolha de soldados nas missões. Ao lado do nome Adolf Hitler, existia apenas uma palavra: “solitário”. Ele passava grande parte do tempo pintando ou escrevendo, e inclusive ajudava alguns companheiros a mandar cartas para a família.

Apesar de não ter sido um mensageiro heroico que atravessava campos inimigos, Hitler não esteve totalmente ausente dos sofrimentos de guerra: na Batalha do Somme, em outubro de 1916, o cabo seria ferido na perna. E também foi levado quase cego ao hospital, em 1918, após um ataque com armas químicas.


+Saiba mais sobre o nazismo por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Os fornos de Hitler, de Olga Lengyel (2018) - https://amzn.to/2S9UFYH

Terceiro Reich na história e na memória, de Richard J. Evans (2018) - https://amzn.to/353Tu2w

As mulheres do nazismo, de Wendy Lower (2014) - https://amzn.to/3bwrlDv

A vida secreta dos nazistas, de Paul Roland (2020) - https://amzn.to/2yy0qso

Filhos de nazistas: Os impressionantes retratos de família da elite do nazismo, de Tania Crasnianski (2018) - https://amzn.to/2wWv5iy

Hitler e o nazismo, de Richard Geary (2012) - https://amzn.to/2xThKIe

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W