Matérias » Oriente Médio

Há 16 anos, a morte de Yasser Arafat iniciava teorias conspiratórias

Morto oficialmente por uma infecção generalizada, Yasser Arafat tinha uma lista de inimigos que despertou teorias

Caio Tortamano Publicado em 11/11/2020, às 10h02 - Atualizado às 10h04

Líder palestino Yasser Arafat
Líder palestino Yasser Arafat - Wikimedia Commons

Os conflitos no Oriente Médio sempre estimularam teorias conspiratórias, e a morte de Yasser Arafat, ex-presidente da Autoridade Nacional Palestina, não poderia ser diferente. Símbolo da luta contra a ocupação israelense, o mais importante líder palestino – estava à frente da ANP desde 1969 – morreu em novembro de 2004, aos 75 anos, depois de passar 14 dias internado num hospital militar na França.

Laudos médicos oficiais informaram apenas que a morte foi consequência de falência múltipla de órgãos. Porém, teorias conspiratórias falam em leucemia, câncer, inflamação do sistema digestivo, envenenamento e até Aids.

Arafat tinha em seu currículo um prêmio Nobel da Paz, mas também era visto como um obstáculo para a paz no Oriente Médio. Na época, a lista de interessados em sua morte era extensa e poderosa, incluindo Estados Unidos e Israel. 

A morte

Arafat estava em sua casa, em Ramallah, Cisjordânia, quando começou a sentir fortes dores no estômago. Devido à complicações no seu tratamento, foi transferido para o Hospital Militar de Percy, na França, e veio a falecer poucos dias depois.

Apesar de oficialmente sua morte ter sido em decorrência de uma falência múltipla de órgãos, o biógrafo de Arafat, Amnon Kapeliouk, levantou a possibilidade do representante da Palestina ter sido envenenado pelo serviço secreto de Israel. A  tese foi defendida por uma pessoa próxima a Arafat: sua esposa.

Envenenamento

A história parecia ter sido esquecida, no entanto, em 2012, o Instituto de Radiofísica do Hospital Universitário da Universidade de Lausanne, na Suíça, trabalhou 9 meses analisando materiais biológicos de Arafat, e encontrou uma alta presença de polônio 210.

O elemento químico em questão é altamente radioativo. Depois que o resultado da pesquisa foi publicado, a rede de televisão árabe Al Jazeera noticiou amplamente o caso, afirmando ser possível que o representante político tivesse sido morto por envenenamento com material radioativo.

Yasser ao lado de Yitzkah Rabin, primeiro ministro de Israel, e Bill Clinton / Crédito: Wikimedia Commons

 

Israel prontamente negou qualquer envolvimento na morte do líder. Assim, o corpo de Yasser foi exumado no mesmo ano a pedido do presidente palestino, Mahmoud Abbas, para que fosse testado o nível de polônio no corpo do homem. O relatório teria apontado um nível maior do que o considerado 'seguro' em um corpo humano.

Investigações

Nessa mesma época, a França formulou uma equipe de investigação que cuidaria unicamente da morte do líder palestino. Isso aconteceu logo depois da viúva de Yasser, Suha Arafat, ter apresentado uma queixa de assassinato de seu marido em território francês, culpando o estado por não ter fornecido segurança necessária para o mesmo.

No entanto, em 2015, os magistrados franceses responsáveis pelo caso decidiram descartar a denúncia apresentada pela viúva por faltas de provas. Os advogados de Suha afirmam que a morte compreende um assassinato político, no entanto, peritos da França que identificaram a presença de polônio no corpo de Yasser constataram que a presença dos materiais químicos poderia ter sido de “caráter ambiental”.

Assim, os cientistas franceses responsáveis pelo laudo definiram que Arafat morreu após uma infecção generalizada, descartando a hipótese levantada por cientistas da Suíça. 


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Israel x Palestina: 100 Anos de Guerra, de James L. Gelvin (2017) - https://amzn.to/2z7AWD3

Miragem de paz: Israel e Palestina - processos e retrocessos: Israel e Palestina - processos e retrocessos, de Guila Flint (2009) - https://amzn.to/3cQQGbQ

Israel-Palestina: a Construção da paz Vista de uma Perspectiva Global, de Tullo Vigevani (2002) - https://amzn.to/36ip9Oe

Palestina/Israel, de Marwan Bishara (2005) - https://amzn.to/2LGXTzo

Como curar um fanático: Israel e Palestina: entre o certo e o certo, de Amós Oz (Ebook) - https://amzn.to/2ynmhDe

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W