Matérias » Bizarro

A mulher que diz ter casado com a torre: Conheça Erika La Tour Eiffel

Identificada como objectum-sexual, a americana já compôs a Equipe Olímpica estadunidense e vive um amor com o monumento

Wallacy Ferrari Publicado em 12/12/2020, às 09h00

Erika beija um dos ferros estruturais da torre Eiffel
Erika beija um dos ferros estruturais da torre Eiffel - Divulgação / Five

Até o ano de 2007, Eryka "Aya" LaBrie era conhecida como uma exemplar nacional americana. Depois de servir a Força Aérea dos Estados Unidos na década de 1990 — e ser violentada sexualmente por outro cadete ainda no primeiro ano — ela encontrou um esporte para concentrar suas energias: o tiro com arco.

Especializada no disparo de flechas, o início da prática ocorreu em 1999, usando um arco recurvo, e fazendo a transição para o arco composto no ano seguinte. Em 2003, o resultado dos treinos surtira efeito.

Ela ficou em primeiro lugar nas rodadas classificatórias olímpicas da Federação Internacional de Tiro com Arco (FITA), além de ganhar a medalha de ouro em três torneios nacionais e estabelecer o recorde mundial na categoria durante um campeonato na Alemanha.

Englobou também a Equipe Nacional de Tiro com Arco em 2006, preparando os resultados para se classificar nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008.

Porém, em 2007, um novo motivo de assunto tornou-se público em sua vida — e Erika fez questão de revelar. Diferente de outras revelações sobre sexualidade, ela afirmou ao The Telegraph em 2008 que sentia atração por objetos inanimados.

Fiel à Eiffel

De acordo com a americana, o amor por objetos poderia ser semelhante ao apreço mútuo de dois seres humanos: “Eu não entendo como as pessoas podem trazer um objeto ao mundo, como se fosse uma criança, e não amá-lo”.

Se o amor era o motivo, a Torre Eiffel era o alvo. De acordo com a reportagem, ela havia se casado, com testemunhas, com a própria torre internacionalmente conhecida. Na época, o Telegraph também revelou que ela mudou o sobrenome.

Passaporte apresenta identificação de Erika com sobrenome Eiffel / Crédito: Divulgação

 

A "união" transformou LaBrie em Erika Eiffel, conforme apresentava no documento de registro. De acordo com ela, a chama do amor aos objetos já demonstrava os primeiros sinais desde a adolescência.

Ao conhecer Paris, em 2004, sentiu uma incrível sintonia com a torre, passando a revisitar por repetidas vezes e fazendo carinho em sua estrutura de aço.

O amor ganhou até uma marquinha do casal; se por um lado, Erika tatuou o monumento entre os seios, exibindo a longa construção no torso, a torre ganhou um cachecol cruzado entre a estrutura, especialmente dedicado para a “companheira” da torre.

Naquela área da torre, ela pode ter privacidade, dar beijos e experimentar outras sensações mais íntimas, como relatou no documentário “Married To The Eiffel Tower”.

“Alguém que se apaixona por objetos pode controlar a relação da maneira como bem entender. Os objetos não vão abandoná-las. Isso é extremamente atraente para pessoas que se sentem muito solitárias”, afirmou Jerry Brooker, psiquiatra que participou do documentário.

Erika em visitas a torre companheira, deixando a tatuagem à mostra / Crédito: Divulgação / Facebook / Erika Eiffel

 

Defensora da causa

Buscando trazer visibilidade para a causa, ela fundou a OS Internationale, instituição de amparo e registro de pessoas descritas como Objectum-sexual, ou seja, desenvolvem relacionamentos afetivos com objetos inanimados.

De acordo com ela, a possibilidade de amar objetos pode auxiliar uma pessoa a extrair o máximo do mesmo, exemplificando sua relação com o arco favorito, com quem tinha tamanho apreço que "ajudou a se tornar uma arqueira de competições internacionais".

A organização estima que, no mundo, existem cerca de 40 pessoas no mundo identificadas como Objectum-sexual, sendo todas elas mulheres. A instituição planeja, futuramente, fechar parcerias com universidades para realizar estudos sobre a psicologia dos relacionamentos humanos-objetos.


+Saiba mais sobre a sexualidade em grandes obras disponíveis na Amazon:

Prazeres e pecados do sexo na história do Brasil, Paulo Sérgio do Carmo (2019) (eBook) - https://amzn.to/2Z3s0qD

O Livro do Amor, Regina Navarro Lins (2012) - https://amzn.to/38QZj4D

Momentos Na História Da Sexualidade, Jan Bremmer (2009) - https://amzn.to/2rKlEjT

História da sexualidade, Michel Foucault (2014) - https://amzn.to/34Bkbd6

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W