Matérias » Curiosidades

Afinal, Capitu traiu ou não traiu Bentinho?

Pairando na literatura brasileira, essa dúvida tem longa data

Joseane Pereira Publicado em 26/08/2019, às 12h00

None
- Reprodução

Mesmo quem nunca leu Dom Casmurro conhece um pouco da obra. Publicado em 1900, o livro é uma autorreflexão do personagem Bentinho sobre sua própria vida: a juventude no seminário, onde conheceu seu melhor amigo Escobar. Capitu, seu amor de infância do qual precisou se separar por um tempo. E o suposto final feliz, onde ele se casa e tem um filho com Capitu, vivendo em harmonia com seu melhor amigo e Sancha, a mulher dele.

Entretanto, algo dá errado: cada vez mais enciumado, Bentinho passa a duvidar da fidelidade de sua esposa, pensando que ela o havia traído com Escobar. Conforme seu filho crescia, era evidente o rosto de seu amigo refletido nele. Desta forma nos infiltramos na mente de Bento, que agora virou o solitário Dom Casmurro, remoendo suas dúvidas sobre o passado.

Afinal, Capitu realmente o traiu?

A melhor resposta é talvez. Quando entendida de forma simples, a história realmente parece relatar as amarguras de um homem traído - e foi interpretada desta forma durante muito tempo.

Cena da minissérie Capitu, de Luiz Fernando Carvalho /
Crédito: Reprodução

 

Entretanto, por mostrar o ponto de vista de apenas um personagem, o livro não trás a resposta sobre o que realmente ocorreu: “Não é possível afirmar, por meio da investigação das marcas textuais no romance, que Capitu tenha ou não traído Bentinho”, afirma Andrea de Barros, doutora em Teoria e História Literária pela Unicamp.

E era esse o objetivo de Machado de Assis: deixar a dúvida no ar. Seria tudo uma criação fantástica de Bento? Em que medida a mente dele se aproxima da nossa, criando narrativas nem sempre verdadeiras sobre a realidade? Através da admirável garota com olhos de ressaca, Machado nos desafia a uma autoanálise, identificando se nossas crenças e convicções condizem com o mundo real ou se somos apenas um bando de loucos.

Tais reflexões transformaram Dom Casmurro em uma relíquia da literatura brasileira e universal, que continua a fascinar e deixar em dúvida gerações de leitores.