Matérias » Personagem

Agafia Lykova: a surpreendente saga da mulher que sobrevive no deserto congelado há 75 anos

Descoberta por um grupo de geólogos em 1978, Agafia sabia caçar, costurar e construir graças aos seus 35 anos de floresta

Wallacy Ferrari Publicado em 04/03/2020, às 11h32

Agafia Lykova em documentário em 2019
Agafia Lykova em documentário em 2019 - Divulgação

A morte de Kennedy, a chegada do homem a Lua, o surgimento dos Beatles e de Elvis Presley; Agafia Lykova não viu nada disso. Apesar de nascida em 1944, não viu a história do mundo ser moldada até 1978, quando um grupo de geólogos descobriu ela, junto a sua família, por acaso, durante uma exploração de helicóptero em uma floresta congelada, na cordilheira Abakan, na Sibéria, Rússia.

Vivendo a 1.050m de altitude em uma região montanhosa, não havia nenhum registro de vida humana no local, que ficava a 250 km da cidade mais próxima. Agafia, que até seus 35 anos, nunca havia visto outro humano que não fosse de sua família, falava um russo lento e quase incompreensível, porém, suas habilidades na cozinha, caça, leitura e costura era apurada graças aos hábitos do isolamento.

O afastamento da sociedade se deu pelas crenças religiosas da família, que, crentes nos ritos e liturgia mais antigos na Igreja Ortodoxa Russa, foram perseguidos por czares e pelo regime comunista da Rússia. Desde 1936, seus pais, Karp e Akulina, decidiram fugir após uma patrulha bolchevique atirar em um tio de Agafia.

A casa de Agafia encontrada por geólogos / Créditos: Divulgação

 

Em condições intensas, Agafia e seu irmão Dmitriy foram criados sem acesso a escola ou hospital. Os primeiros anos de seus pais foram de dificuldade extrema devido a falta de prática na vida florestal, tendo de comer o couro de seus sapatos em ocasiões de necessidade. Porém, quando Agafia nasceu, já estavam isolados há 8 anos e puderam ensinar as práticar de sobrevivência.

Quando recebeu a equipe de pesquisadores em sua residência pela primeira vez, buscou acolhe-los no frio intenso. Com surpresa, a equipe continuou acompanhando e revisitando Agafia em busca de respostas sobre como foi possível sua sobrevivência apesar do isolamento. Agafia, por sua vez, se surpreendia com os artefatos que acompanhavam os geólogos — um rádio para escuta e transmissão de dados e um televisor portátil.

A descoberta foi amplamente coberta na imprensa científica mundial, fazendo, em 1980, Agafia ser convidada a conhecer a sociedade exterior a convite do governo soviético.  No tour, pôde, pela primeira vez, ver carros, aviões e dinheiro, porém, ficou bestificada ao ver um belíssimo cavalo que compunha da cavalaria militar.

Desde então, melhorou sua pronuncia na língua russa e começou a ter acesso a outros livros além dos religiosos, porém, preferiu retornar a floresta, onde reside até hoje, aos 75 anos, saindo somente para ir ao pronto socorro quando necessário e recebendo religiosos para conversar sobre a liturgia antiga de sua religião. Preferiu se manter onde nasceu e sabe viver.


++Saiba mais sobre a vida e sobrevivência na Sibéria nas obras abaixo:

A fuga da Sibéria - Aventuras extraordinárias de três fugitivos, por Victor Tissot e Constant Améro (2012) - https://amzn.to/2TEUtk7

Recordações da Casa dos Mortos, por Fiódor Dostoiévski (2006) - https://amzn.to/2TmUjiA

A Ilha de Sacalina, por Anton Tchékhov (2018) - https://amzn.to/39lk88o

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.