Matérias » Personagem

Agressões e tentativa de assassinato: o casamento desastroso da Marquesa de Santos

Vivendo o inferno durante seu casamento com um militar, Domitila teve uma ajuda notória durante a separação

Caio Tortamano Publicado em 29/04/2020, às 08h00

Domitila de Castro, a Marquesa de Santos
Domitila de Castro, a Marquesa de Santos - Wikimedia Commons

Muito antes de ser considerada a maior amante entre as várias paixões de Dom Pedro I, Domitila de Castro, mais conhecida como a Marquesa de Santos, teve uma vida íntima conturbada, especialmente em seu primeiro casamento.

Com apenas 15 anos de idade, em 1813, Domitila se casou com o alferes Felício Pinto Coelho de Mendonça, de 23 anos. Felício era moço-fidalgo da Casa Real, e oficial do segundo esquadrão do Corpo de Dragões da cidade de Vila Rica (MG), atualmente cidade conhecida como Ouro Preto

Casamento infeliz

A cerimônia ocorreu em São Paulo, e se mudaram juntos para Vila Rica, onde tiveram três filhos: Francisca Pinto Coelho de Mendonça e Castro, Felício Pinto Coelho de Mendonça e Castro e João Pinto Coelho de Mendonça e Castro, este último falecendo ainda na infância.

Acreditando que viveria uma vida calma, Domitila não imaginava que o homem seria perverso com ela, tendo a violentado e espancado diversas vezes. Como consequência, a união dos dois durou apenas 3 anos. Em 1816, cansada de apanhar do marido, voltou com os três filhos para São Paulo com ajuda da família Castro, extremamente influente na política paulista.

Apoio familiar

Na época, uma mulher abandonar o marido — mesmo que com os filhos e violência comprovada — podia arruinar a imagem dos familiares. Nesse contexto, tornou-se possível reparar na força que as mulheres da família tinham dentro do círculo social em que viviam.

Isso porque a mãe de Domitila, Escolástica Bonifácio de Oliveira Toledo Ribas, bateu de frente com o costume da época e ficou ao lado da filha. No entanto, a atitude não representou o fim do inferno para a mulher.

Aparentemente arrependido de suas atitudes e com saudades da família, Felício pediu transferência de sua unidade em Minas Gerais e se mudou para Santos, com o objetivo de ficar mais próximo dos filhos. Piorando a situação, em 1818 voltaram a morar juntos.

Na época, o homem tentou melhorar a relação com a esposa. Assim, optou por dar fim ao vício em bebidas e  jogos que o tornavam um homem rude e, principalmente, violento. No entanto, durou pouco tempo: além de espancar a mulher novamente, ele a torturava psicologicamente com promessas de morte.

Facadas

A gota d'água veio na manhã do dia 6 de março de 1819. Felício, completamente alcoolizado e cheio de raiva por suspeitar que Domitila estivesse o traindo, a esfaqueou duas vezes. Acertando, inicialmente, a perna e depois a barriga. O homem foi imediatamente preso e em seguida, foi levado para julgamento no Rio de Janeiro.

Enquanto isso, a violentada e esfaqueada mulher estava entre a vida e a morte, e assim ficou por dois meses. Por mais que sua família fosse abastada nada podia combater a falta de tecnologia de seu tempo, que dificultou a recuperação da jovem.

Divórcio

Depois de recuperada, o pai de Felício moveu uma ação para que a guarda das crianças ficasse com o avô — eles teriam que morar em Minas Gerais, longe da família de Domitila. Com isso, a mulher, injuriada, entrou com o pedido de separação de seu violento marido.

Por mais que a suspeita de um adultério tenha sido levantada anteriormente por aqueles que estavam contra a esposa, a partir de documentos e testemunhas ouvidas no processo do divórcio (que levaria cerca de 5 anos), Felício teria tentado matá-la para vender as terras que ambos herdaram em Minas após a morte da mãe do militar.

A separação não seria uma causa fácil de ser vencida por Domitila, principalmente enquanto ocorria o processo de seu sogro pela guarda das crianças. Apesar dos cinco longos anos, a separação teve um final positivo, já que por intercessão do próprio imperador o divórcio foi rapidamente concluído.

O contato foi feito pelo próprio irmão da futura marquesa, que era ajudante de ordens e amigo íntimo de Dom Pedro. Esse foi o primeiro contato que os dois viriam a ter, que resultou em um polêmico romance nos tempos de Dom Pedro I.


+Saiba mais sobre a família imperial por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Pedro II – A história não contada: O último imperador do Novo Mundo revelado por cartas e documentos inéditos, de Paulo Rezzutti (2019) - https://amzn.to/2qWOGw7

Leopoldina: a história não contada: A mulher que arquitetou a independência do brasil, de Paulo Rezzutti (2017) - https://amzn.to/2DsrmJt

Coleção Princesa Isabel. Fotografia do Século XIX , de Bia Correa do Lago e Pedro Correa do Lago (2013) - https://amzn.to/34ue8aO

Retratos do Império e do Exílio, de Vários Autores (2011) - https://amzn.to/35PKgWP

Pedro: Imperador do Brasil e rei de Portugal, de Eugénio dos Santos (2015) - https://amzn.to/34ySFO6

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W