Matérias » Brasil

A amada do Imperador: 152 anos de morte da Marquesa de Santos

Falecendo aos 70 anos, Domitila de Castro e Mello deixou um importante legado para a cidade de São Paulo

Joseane Pereira Publicado em 03/11/2019, às 06h00

None
Wikimedia Commons

Apesar de ter recebido o título de Marquesa de Santos por seu amante D. Pedro I, Domitila de Castro e Mello sempre residiu na cidade de São Paulo. E é no Cemitério da Consolação, situado na terra da garoa, que a Marquesa descansa em um túmulo que recebe flores frescas de seus admiradores.

UMA SENHORA INFLUENTE

[Colocar ALT]
Marquesa de Santos em 1865, aos 68 anos / Crédito: Wikimedia Commons

Iniciada em 1822, a relação entre Domitila e D. Pedro I terminou em 1829. Os sete anos de amor ficaram marcados em cerca de 200 cartas, que registram historicamente a relação. Após a morte de sua esposa Leopoldina, dom Pedro acabou rompendo as relações com Domitila - que na época estava grávida de Maria Isabel.

Retornando a São Paulo após o término, ela adquiriu, em 1834, um casarão na atual Rua Roberto Simonsen, no centro da cidade. Sua casa se tornou o centro da sociedade paulistana, com saraus literários e grandes bailes de máscaras. Hoje em dia, o Solar da Marquesa é a sede do Museu da Cidade de São Paulo.

Durante a velhice, Domitila se tornou uma senhora caridosa e muito devota, que socorria os desamparados, protegia os famintos e ajudava estudantes da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco.

LOCAL DE DESCANSO

[Colocar ALT]
Sepultura no Cemitério da Consolação

Domitila foi sepultada no cemitério da Consolação, em um túmulo onde também estão os corpos de seu irmão mais novo, Francisco; de sua filha com o Imperador, Maeria Isabel; e de Felício, filho de seu primeiro casamento.

As reformas de sua lápide foram curiosamente bancadas por Mario Zan, sanfoneiro e devoto da Marquesa. Ele cuidou do jazigo durante muitos anos e, após morrer, foi sepultado em um túmulo diante de Domitila.

Mesmo assim, Zan continua arcando com as despesas da manutenção dos jazigos, pois são os direitos autorais de suas musicas que os mantém.

O túmulo ainda recebe flores frescas de pessoas que a consideram uma espécie de santa. Entre as lendas, está a de que ela protege as prostitutas da cidade – e, por ter conseguido se casar novamente e reestruturar sua vida após romper com o Imperador, Domitila virou inspiração para moças que queriam um bom parceiro.


Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo: 

1. Domitila: A verdadeira história da marquesa de Santos (eBook Kindle), Paulo Rezzutti - https://amzn.to/2Nu72Ml

2. A Marquesa de Santos, Paulo Setúbal, - https://amzn.to/2pyNsGz

3. Titília e o Demonão: Cartas inéditas de D. Pedro I à marquesa de Santos, Paulo Rezzutti - https://amzn.to/34iqnXB

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.