Matérias » Música

Angustias e pressões no auge: a conturbada vida íntima de Amy Winehouse

Dona de uma voz única, Winehouse passou por episódios caóticos em decorrência de seus transtornos psicológicos e abuso de drogas

Wallacy Ferrari Publicado em 09/08/2020, às 09h00

A brilhante artista durante performance
A brilhante artista durante performance - Wikimedia Commons

Nascida em Enfield, na Inglaterra, a garota Amy Winehouse fez questão de tentar a fama no mundo da música durante anos. Tímida, via um refúgio na música quando integrada a comunidade judaica, se aperfeiçoando junto ao pai, Mitchell, que era cantor amador nas horas vagas de seu emprego como taxista. A figura do pai influenciava a garota na música, mas por outro lado, oprimia sua posição feminina.

Durante anos, Amy presenciou o pai traindo sua mãe, Janis, sendo de conhecimento de todos os filhos. O sofrimento do divórcio atritado resultou em uma divisão familiar que se converteu em rebeldia. Aos 15 anos de idade, desenvolveu bulimia, porém, foi ignorada pela mãe, que acreditou que a compulsão alimentar e a indução dos vômitos eram apenas fases de sua adolescência.

Ao completar a maioridade, passou a fazer parte da National Youth Jazz Orchestra como uma das vocalistas, que lhe rendeu, dois anos depois, um contrato com a empresa de agenciamento de artistas Brilliant! — posteriormente adquirida pelo empresário da música Simon Fuller. Mesmo com os atritos pessoais, a disputa de gravadoras para investir na jovem talentosa possibilitou que Amy saísse de casa e encaminhasse sua carreira longe dos problemas familiares.

Amy ajeita o cabelo durante apresentação / Crédito: Wikimedia Commons

 

Sucesso e sofrimento

Seu primeiro disco recebeu uma projeção notória no Reino Unido, sendo creditada como uma das melhores artistas reveladas no ano de 2004. Porém, o processo constante de divulgação e as insanas rotinas de show resultaram em um bloqueio criativo na compositora. Após o fim de sua turnê, Amy chegou a afirmar que ficou 18 meses sem escrever por exaustão. Para piorar, começou a namorar Blake Fielder-Civil.

Em uma relação regada a substâncias psicoativas e bebidas alcoólicas, Amy descobriu que Blake já tinha uma namorada e que a cantora era uma amante. O rapaz preferiu deixar Amy, mas os hábitos do casal prosseguiram em sua vida pessoal, integrando a droga na rotina. Por outro lado, a decepção amorosa rendeu boa parte das composições do disco Back to Black — maior sucesso comercial da carreira da artista.

Gravado em cinco meses e contendo o single Rehab — que posteriormente foi considerada a música mais influente da década pelo jornal britânico The Telegraph — Amy emergiu internacionalmente com os sucessos do álbum, mas passou a sofrer novamente com a rotina. Afundada em drogas, tornou-se uma alvo de chacotas da imprensa por realizar diversas aparições com machucados e embriagada.

Amy canta durante apresentação em Florianópolis, SC, em 2011 / Créditos: Wikimedia Commons

 

Anos finais de um ícone

Em 2007, no mesmo ano em que seu disco foi o mais vendido do mundo, os cancelamentos de apresentações se tornavam frequentes. Amy ainda retomou o relacionamento com Blake, que juntos, foram internados em uma clínica de reabilitação no ano seguinte, impossibilitando a cantora a comparecer na premiação do Grammy de 2008 — mesmo sendo premiada em seis categorias.

O frequente assédio midiático com a decadência de sua saúde rendeu uma ordem judicial para que os paparazzi se afastassem da artista. Após o disco, preferiu fazer um hiato, onde concretizou o divórcio com Blake — após descobrir uma nova traição — e preferiu focar em projetos paralelos. Também reiniciou o tratamento contra o alcoolismo, no entanto, a constante oscilação entre as grandes quantidades e a abstinência prejudicava ainda mais seu desempenho nos palcos. Todavia, o pior aconteceu. 

Em 23 de julho de 2011, seu segurança a encontrou sem vida no apartamento em Londres. Em abstinência, sua médica chegou a visita-la no dia seguinte, após ser chamada para ajudar em uma recaída. Mesmo sem consumir uma quantia que resultaria em overdose, o consumo abusivo feito na noite de seu colapso resultou em uma intoxicação, levando Amy a óbito aos 27 anos de idade.


+Saiba mais sobre Amy Winehouse em grandes obras disponíveis na Amazon:

Amy: Minha filha, por Mitch Winehouse (2012) - https://amzn.to/31yGv7H

Amy Winehouse: mais forte que ela, por Susana Monteagudo (2020) - https://amzn.to/3kxU53Q

Amy Winehouse: A Life Through a Lens, por Darren Bloom e Elliot Bloom (2016) - https://amzn.to/3fAceKt

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W