Matérias » Brasil

“Anistia (Uma questão de amor)”: o mistério da música perdida de Tim Maia

É fato que a letra foi vetada em 1978 pela censura do país; mas será que a canção realmente foi gravada pelo Síndico?

Isabela Barreiros Publicado em 26/04/2020, às 08h00

O cantor carioca Tim Maia
O cantor carioca Tim Maia - Wikimedia Commons

Comuns na vida de Tim Maia, são inúmeras as pérolas que ainda rondam sua intensa trajetória. Durante os anos 80, o mistério de uma letra, possivelmente sem melodia, censurada pelo regime militar que governava o país na época, intrigava os brasileiros. Teria o cantor carioca gravado essa canção?

A história da possível música perdida do artista, que teria sido feita a partir da letra que leva o nome de Anistia (Uma questão de Amor) é cercada de suposições. Muitos passaram a acreditar que aquela música existia e fora gravada.

Indo aos fatos: a letra escrita por Tim realmente existe. Ela foi revelada apenas recentemente, quando inúmeros documentos do Serviço de Censura de Diversões Públicas daquele período foram divulgados ao público.

A letra de “Anistia (Uma questão de amor)" vetada pela censura / Crédito: Divulgação

 

O que consta no Arquivo Nacional é que ela foi vetada pela censura dos anos 1970. No entanto, isso não basta para acabar com a lenda que a cerca. A poesia escrita pelo artista continua sem uma melodia, até os dias de hoje.

Não há provas de que a canção tenha sido realmente gravada, e que uma melodia para a letra tenha sido composta pelo carioca. Além disso, é preciso reconhecer que os versos de Anistia (Uma questão de Amor) não são nada parecidos com o que ele costumava escrever. Geralmente, Tim era mais informal e sucinto, características que não são observadas na escritura da poesia em questão.

O cantor teria escrito a letra inspirado por um texto da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), uma organização que se comprometeu com a campanha pela Anistia, que começou em 1975 e foi consumada em 28 de agosto de 1979, quando então presidente João Figueiredo sancionou a lei.

Como é possível perceber, o decreto que permitiu que artistas, políticos e figuras públicas retornassem ao país e tivessem seus direitos políticos restituídos foi promulgado apenas um ano depois do veto de Anistia (Uma questão de Amor). Mesmo depois disso, Tim não lançou a música, que ficou esquecida — ou, o que é mais provável, realmente nunca foi gravada.

 Tim Maia Disco Club (1978), lançado no ano do veto / Crédito: Wikimedia Commons

 

Uma das hipóteses sobre porque o artista teria escrito essa letra remonta ao contexto em que ele estava sendo pressionado para apresentar à gravadora WEA o repertório do álbum Tim Maia Disco Club (1978). A fim de burlar essa cobrança, vinda principalmente do executivo André Midani, ele adotou a estratégia, escrevendo uma letra sem melodia.

Se a música existiu ou não, o que se sabe é que o disco foi um sucesso, ainda sem ela. Álbum de estreia de Tim na gravadora, pelo selo Atlantic, o Tim Maia Disco Club combinou funk e disco music e se tornou um dos melhores lançamentos do artista. Com ele, o Síndico foi colocado de volta nas paradas nacionais com canções que se tornaram sua marca, como Sossego e Acenda o farol.


+ Saiba mais sobre Tim Maia por meio das obras disponíveis na Amazon:

Vale Tudo, Nelson Motta (2014) - https://amzn.to/3aqNKC5

Até Parece que Foi Sonho. Meus 30 Anos de Amizade com Tim Maia, Fábio (2015) - https://amzn.to/2vVGgI4

101 canções que tocaram o Brasil, Nelson Motta (2016) - https://amzn.to/2wUxWbs

Universo em Desencanto - 1 Volume da Obra (1982) - https://amzn.to/2uly2ra

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W