Matérias » Personagem

Ao ar livre: Philippe Petit, o homem que caminhou ilegalmente entre as Torres Gêmeas

O equilibrista, que já tinha certa experiência sobre o local, chamou a atenção da mídia e das autoridades

Nicoli Raveli Publicado em 02/05/2020, às 09h00

Philippe Petit durante a travessia das Torres Gêmeas
Philippe Petit durante a travessia das Torres Gêmeas - Divulgação/Man on Wire

Em 1974, as Torres Gêmeas, localizadas no distrito de Manhattan, em Nova York, ainda não haviam sido inauguradas. Todavia, os enormes prédios comerciais chamaram rapidamente a atenção dos moradores, turistas e até mesmo de um equilibrista francês.

Philippe Petit era um artista de Paris e trabalhava em uma corda bamba entre o Palais de Chaillot e a Torre Eiffel. Todavia, ao ler um artigo sobre os edifícios inacabados, decidiu ir até a cidade norte-americana.

Philippe Petit, o homem que atravessou as Torres Gêmeas / Crédito: Divulgação

 

No mesmo ano, o homem se desafiou a atravessar da primeira torre do World Trade Center até a segunda torre. Aos 24 anos, o francês realizou suas primeiras façanhas. Antes mesmo das torres estarem concluídas, o equilibrista as atravessou oito vezes. Durante seus atos, o equilibrista contou com a ajuda de amigos para chegar ao topo sem ser detectado.

Agosto de 1974

Suas experiências o fizeram entender cada vez mais sobre os edifícios, para então realizar o ato final sem nenhuma proteção. Na manhã do dia seis, Petit foi até o topo de um dos prédios, enquanto seus amigos estavam na outra ponta.

Não obstante, os homens usaram um arco e uma flecha para que o cabo fosse lançado entre as torres para que o equilibrista realizasse seu ato a aproximadamente 500 metros da superfície. “Dei a impressão as pessoas de que nada é impossível”, alegou o francês.

Após o espetáculo, o artista foi levado para a delegacia, onde foi realizado um boletim oficial intitulado "O Equilibrista". Todavia, a grande apreciação popular e a aparição na mídia fizeram com que as possíveis acusações contra o homem fossem deixadas de lado.

Polial segura Philippe Petit pelo braço enquando os jornalistas tentam entrevistá-lo / Crédito: Divulgação 

 

Para a surpresa de muitos, a autoridade americana da época fez com que Petit realizasse outras performances, agora para crianças. Posteriormente, ele pôde visitar as Torres Gêmeas devido ao visto que garantia sua livre passagem. As autoridades de Nova York e Nova Jersey também permitiram que o homem deixasse um autógrafo no prédio, próximo ao local onde começou sua travessia. 

“Eu amo construir coisas, amo colocar meu corpo e minha mente em ação. O que me motiva, de fato, é que amo viver acima de tudo. Não tenho medo de caminhar nas alturas, é minha paixão. E, pensando bem, não tenho medo de nada”, disse o equilibrista.

Em 2008, James Marsh deu vida ao documentário Man on Wire, que retrata a travessia do artista nos edifícios por meio de imagens reais do evento. Um ano depois, a filmagem foi apreciada com o Óscar de mellhor documentário. Já em 2015, Robert Zemeckis dirigiu o filme The Walk, que foi baseado no livro To Reach the Clouds, escrito por Petit.

 


+ Saiba mais sobre o tema por meio das obras disponíveis na Amazon:

On the High Wire,  Philippe Petit (2019) - https://amzn.to/2z1pMio

Vida de equilibrista, Cecilia Russo Troiano (2015) - https://amzn.to/3bTkV1B

A Menina e o Equilibrista: a história de um milagre, Bruno Félix (2020) - https://amzn.to/2YiQHB6

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W