Matérias » Estados Unidos

Após divulgação de relatórios, Oliver Stone revisita morte de John F. Kennedy

Com a estreia de seu novo documentário ‘JFK Revisited: Through The Looking Glass’, o cineasta aponta teorias sobre o assassinato do presidente norte-americano

Penélope Coelho Publicado em 14/07/2021, às 14h56

Montagem com fotografia de Oliver Stone e John Kennedy
Montagem com fotografia de Oliver Stone e John Kennedy - Getty Images

O dia 22 de novembro de 1963 ficou marcado na história pelo assassinato do então presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy. Na ocasião, o político estava em um comício em Dallas, no Texas, acompanhado da esposa, Jacqueline Kennedy.

No evento, o 35° presidente dos EUA passeava em uma limusine aberta. Durante a comitiva, disparos foram ouvidos. Dois desses tiros atingiram em cheio o líder norte-americano, que não resistiu.

A terrível cena de JFK — então figura do mais alto escalão do país — ensanguentado, sendo socorrido pela mulher, jamais foi esquecida. Desde então, o assassinato de Kennedy é um dos crimes mais comentados do mundo, gerando diversas teorias sobre os culpados e mandantes.

Sabe-se que horas depois do crime, Lee Harvey Oswald, um ex-fuzileiro naval nascido nos EUA, que viveu por anos na União Soviética, foi preso pelo assassinato do presidente. De acordo com as autoridades, ele teria atirado de um edifício.

Contudo, Lee nunca chegou a ir a julgamento, já que foi morto no dia seguinte dentro do departamento de polícia de Dallas. Ele foi atingido com disparos efetuados por Jack Ruby, dono de um bar local, sua morte foi registrada na televisão.

Novo documentário

O nebuloso caso envolvendo a morte de John Kennedy deixou diversas dúvidas no ar, já que a versão final sobre o assassinato do líder norte-americano foi inconclusiva, assim intrigando muitas pessoas. 

Fotografia de John F. Kennedy / Crédito: Cecil Stoughton/ National Archives and Records Administration/ Wikimedia Commons

 

O cineasta Oliver Stone passou boa parte de sua vida tentando juntar as peças desse caso para resolver o mistério. Há 30 anos, o roteirista norte-americano, vencedor de dois prêmios do Oscar, lançou o filme JFK: A Pergunta que Não Quer Calar (1991).

Agora, três décadas depois, Stone volta ao assunto com o lançamento do documentário JFK Revisited: Through the Looking Glass, em tradução livre, JFK Revisitado: Através do Espelho.

O cineasta lançou a produção recentemente, no Festival de Cannes, a obra em questão traz à tona inconsistências na autópsia de JFK, além de comentar sobre supostas ligações do assassino do presidente com a CIA e FBI. As informações foram publicadas em uma reportagem recente do jornal El País.

Após uma lei assinada pelo ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em 2017, diversos documentos relacionados ao caso foram tirados do sigilo.

Com isso, Oliver teve acesso a novas informações, trazendo à tona incongruências nos relatórios sobre o crime, como, as trajetórias das balas, o rifle usado e a relação do acusado com a CIA.

Hipóteses 

Na produção, o cineasta demonstra que suas principais suspeitas estão relacionadas aos serviços de inteligência dos EUA, mesmo não os apontando como culpados, Stone coloca a CIA e o FBI como manipuladores de todas as provas relacionadas ao caso.

Fotografia recente de Oliver Stone no Festival de Cannes / Crédito: Getty Images 

 

Segundo revelado na reportagem, o cineasta acredita que o presidente tinha "muitos inimigos" principalmente em decorrência de supostas atitudes que tomaria. Com base nos relatórios, Oliver afirma que encontrou evidências inéditas de que Kennedy “se retiraria do Vietnã”, referindo-se à guerra que perdurou até 1975.

“A distensão com Cuba estava em andamento. O tratado de proibição de testes nucleares foi assinado. Ele estava procurando uma détente com a Rússia. Era um anticolonialista”, pontuou.

Stone acredita que os motivos por trás do crime são mais importantes do que quem o cometeu.

“É mais importante sabermos por que Kennedy foi assassinado do que por quem. E foi por seu desejo de paz. Hoje, por que queremos inimigos? Por que mantemos uma política hostil contra Rússia, China, Irã ou Cuba? Precisamos de relações estáveis com esses países, porque a ameaça principal que sofremos atualmente é o aquecimento global. E é um problema mundial que exige soluções mundiais. Os países, as pessoas, estão acima de presidentes ou ditadores”, revelou.

Quando questionado sobre os motivos pelos quais continua empenhado na busca por mais respostas sobre o assassinato de JFK, o roteirista afirma que o caso ficou marcado em sua memória.

“Fiz isso porque é importante, porque em 1963 aquele assassinato marcou uma geração”. Na opinião pessoal de Oliver, Kennedy foi o "último presidente que realmente tentou mudar as coisas e isso se voltou contra si”.

+Saiba mais sobre os Kennedy por meio de grandes obra disponíveis na Amazon:

Os últimos dias de John F. Kennedy, por Martin Dugard (2013) - https://amzn.to/35dWDfo

Filme Jfk - Amazon Prime Video (1991) - https://amzn.to/2w5nJJp 

Perfis de coragem, de John F. Kennedy (2017) - https://amzn.to/2VSOTgA

Nêmesis: Onassis, Jackie O e o triângulo amoroso que derrubou os Kennedy eBook Kindle, de Peter Evans (2015) - https://amzn.to/2YtIJoL

Era uma vez um segredo: Meu caso com o presidente John F. Kennedy eBook Kindle, de Mimi Alford (2013) - https://amzn.to/2xvKWVO

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W