Matérias » Personagem

Há 123 anos, Isabel de Baviera, imperatriz da Áustria, era assassinada

No dia 10 de setembro de 1898 Sissi, como era apelidada, foi assassinada de maneira inesperada

Redação Publicado em 11/09/2021, às 09h00

Isabel da Baviera
Isabel da Baviera - Domínio público / Emil Rabending

O dia 10 de setembro de 1898, ficou marcado na história em razão de um fato trágico: o assassinato de Isabel da Baviera, esposa do imperador da Áustria e rei da Hungria Francisco José I.

Conhecida como Sissi, a monarca fazia uma viagem por Genebra, na Suíça, quando foi surpreendida por um anarquista italiano que, usando um estilete em formato de agulha, golpeou-lhe o coração.

Estranhamente, a imperatriz não era o alvo inicial de Luigi Lucheni, seu assassino. O objetivo deste era, na verdade, matar o príncipe Henrique de Orleans, quem era herdeiro do trono da França.

Contudo, ao descobrir que o mesmo já havia morrido, decidiu sair às ruas para matar uma figura importante a altura. E essa pessoa foi Sissi, que tinha 61 anos de idade.

Isabel aos 15 anos de idade / Crédito: Domínio Público / Karl von Piloty

 

Personalidade incomum

Com o primo Francisco José, Isabel teve quatro filhos: Sofia Frederica, que morreu ainda criança, Gisela, Rodolfo e Maria Valéria. Porém, apesar do status do qual usufruía, a monarca não era bem-vista pela nobreza austríaca, muito em razão de seus modos informais.

Entre os passatempos favoritos de Sissi estavam a equitação, a caçada e as longas caminhadas que realizava. Além disso, a imperatriz mantinha uma rotina de prática de exercícios físicos com halteres, argolas, barras horizontais, entre outros instrumentos que estavam sempre disponíveis em todas as suas residências.

Vida solitária

Segundo o Ensinar História a sogra de Isabel, Sofia, era uma pessoa extremamente dominadora que acabou por mantê-la afastada da educação de seus próprios filhos. Isso, somado ao fato do marido estar constantemente ocupado com inúmeros compromissos, tornou a vida de Sissi muito solitária, gerando sintomas de depressão.

A imperatriz em retrato de 1865 / Crédito: Domínio Público / Ludwig Minnigerode

 

Com a descoberta de uma doença nos pulmões, ela passou a viajar com frequência para regiões mais quentes, como a Ilha da Madeira e as ilhas gregas, chegando a se ausentar por dois anos da corte austríaca.

Vaidade excessiva

Sissi era uma mulher muito vaidosa e isso não se resumia à rotina de exercícios físicos. Na verdade, ela tinha uma grande obsessão pela magreza, que na época não era tida como um padrão de beleza. Ela pesou 45 quilos com 1,73 m de altura.

Buscando manter sua cintura de 46 cm, a imperatriz fazia dietas radicais como a que consistia na ingestão de meia dúzia de laranjas por dia e ainda a que se baseava em tomar sopa rala e caldo de carne.

Isabel em trajes de luto, em 1899 / Crédito: Domínio Público / Philip de László

 

Toda essa busca pela magreza extrema fez com que, por volta de 1895, a imperatriz fosse diagnosticada com desnutrição e tuberculose.

Tudo piorou depois que seu filho, Rodolfo, cometeu suicídio aos 30 anos de idade, em 1889. Nessa época, ela entrou em uma depressão profunda.