Matérias » Espanha

Assassinatos, perseguições e estupros: as atrocidades da ditadura de Francisco Franco

Com o apoio de militares, da Igreja e de outros países autoritários, o governante instaurou um regime de medo e opressão na Espanha entre 1936 e 1975

Pamela Malva Publicado em 01/04/2020, às 16h40

Francisco Franco, de terno, em meio aos seus apoiadores
Francisco Franco, de terno, em meio aos seus apoiadores - Wikimedia Commons

Em diversas partes do mundo, o século 20 foi marcado por regimes essencialmente militares. Golpes, guerras e governos ditatoriais foram eternizados em grande parte dos continentes, por mais diplomáticos que os países fossem.

Na Europa, por exemplo, o longo e duradouro histórico de monarquias não foi o suficiente para abafar militares sedentos pelo poder. Esse foi o caso da Espanha, que, nas mãos de Francisco Franco, sofreu um duro regime autoritário.

Marcado por revoltas, diversas atrocidades e um mau comando, a ditadura erguida pelo governante ficou conhecida como franquismo e perdurou entre 1936 e 1975. Seu fim chegou à galopes, no mesmo ano da morte de Franco.

Carta escrita por Francisco, anunciando o fim da Guerra Civil / Crédito: Wikimedia Commons

A carta de aval

O ditador só chegou ao poder após o fim da Guerra Civil Espanhola, em 1936. O país tentava se recuperar de um conflito agressivo, que deixou centenas de milhares de mortos — os números, até hoje, são especulações.

Com a ajuda de importantes aliados, como a Itália fascista e a Alemanha nazista, Fernando Franco conseguiu instaurar um forte governo ditatorial, pôs fim à Segunda República Espanhola e declarou-se comandante do Reino da Espanha. Em pouco tempo, ele passou a liderar um regime militar em plena Segunda Guerra Mundial.

Uma vez no poder, o ditador tinha militares e grupos conservadores — conhecidos como Movimento Nacional — ao seu lado na luta contra os últimos resquícios da república espanhola. Com essas influências, foi mais do que fácil para Franco construir um governo nacionalista, conservador e com diversas características fascistas.

Mesmo após a derrota do Eixo na Segunda Guerra, o franquismo seguiu firme e forte. Perdeu muito de seu cunho fascista, mas continuava opressor. Começou, então, uma onda agressiva de assassinatos, crimes e autoritarismo.

Quem manda sou eu

Franco começou por reprimir todo e qualquer partido político que não o seu. A partir daí, frente a medidas nacionalistas e que beneficiavam o clero, a Igreja Católica espanhola caiu nas graças do franquismo e passou a apoiar a ditadura massacrante.

A repressão às minorias foi o segundo passo. Com grande parte dos nomes mais influentes da nação ao seu lado, Franco passou a perseguir diversos grupos étnicos, como os catalães e os bascos.

Apoiadores de Franco em manifestação / Crédito: Wikimedia Commons

 

O Terror Branco, como ficou conhecido o período fatal, então, direcionou seus rifles às classes contrárias ao regime. De repente, protestantes,  livres-pensadores e intelectuais estavam na mira da ditadura.

Ao mesmo tempo, a política interna e externa da Espanha não poderia piorar. Franco não era o melhor dos líderes que o país já viu e a economia sofria com o mau gerenciamento. Mais do que nunca, o desenvolvimento estava congelado.

Foi nesse momento que Francisco pediu ajuda para um antigo conhecido: os Estados Unidos. Em um acordo inteligente, o ditador trocou milhões de dólares norte-americanos por bases militares em território espanhol.

Com a parceria, a roda da economia espanhola voltou a girar e, na década de 1960, o país voltou a crescer. Antes disso, no entanto, Franco fez jogadas estratégicas para garantir o seguimento de suas políticas. Em 1947, por exemplo, ele sancionou a Lei de Sucessão, que previa uma monarquia após a morte do ditador.

Rua da Espanha dominada por militares armados / Crédito: Wikimedia Commons

 

Represión Franquista

Comandante de centenas de militares posicionados em todos os cantos da Espanha, Franco manchou a europa com o sangue de mais de 150 mil mortos durante o Terror Branco. A violência nas ruas era brutal, e ninguém mais estava seguro.

O franquismo logo passou a ser conhecido pelos estupros, assassinatos, perseguições e sequestros cometidos durante a chamada Represión Franquista. Nas ruas, homens com enormes rifles andavam tranquilamente, enquanto civis se escondiam, com medo.

Em 1975, com a morte de Franco, o regime ditatorial chegou ao fim. Suas cicatrizes, entretanto, persistiram até 2006, quando grupos apoiadores de Francisco ainda se reuniam para homenageá-lo — comemoração que foi proibida em 2007.

Ainda em 2006, em uma de suas últimas tentativas de deixar o franquismo nos livros de história, o Parlamento Europeu condenou o regime de Franco. Segundo os parlamentares, existiam evidências suficientes para provar que a ditadura instaurada na época violava os direitos humanos.


+Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo, disponíveis na Amazon

Guerra Civil Espanhola, de Helen Graham (2013) - https://amzn.to/32GRnj7 

A guerra civil espanhola: O Palco que Serviu de Ensaio Para a Segunda Guerra Mundial, de Josép M. Buaeds (2013) - https://amzn.to/2oVplSp

Francisco Franco: A Vida e o Legado do Polêmico Ditador Espanhol, de Charles River Editors (2018) - https://amzn.to/2Jicq3L

Violência e Sociedade em Ditaduras Ibero-Americanas no Século XX Argentina, Brasil, Espanha e Portugal, de Helder Gordim da Silveira, Jaime Valim Mansam e Jorge Marco (2017) - https://amzn.to/2Jg3hbY

El país de la desmemoria: Del genocidio franquista al silencio interminable, de Juan Miguel Baquero (2019) - https://amzn.to/2PfBwnI 

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.
 
Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 
 
Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W