Matérias » Estados Unidos

Aula pelo rádio: Em 1937, crianças de Chicago tiveram que se adaptar em meio à epidemia de poliomielite

Aulas remotas se tornaram comuns com a pandemia de Covid-19, mas, apesar de diferente, a situação não é novidade

Penélope Coelho Publicado em 10/02/2021, às 14h23

Imagem ilustrativa de um rádio antigo
Imagem ilustrativa de um rádio antigo - Divulgação/Pixabay

Desde março de 2020, o mundo enfrenta um inimigo invisível: o novo coronavírus. Desde então, a Covid-19 já fez 2.341.004 vítimas fatais ao redor do globo e obrigou os cidadãos a se adaptarem em meio a uma pandemia.

Inicialmente vivendo um período de lockdown, estabelecimentos foram fechados e o mesmo aconteceu com as escolas, que agora, quase um ano depois voltam aos poucos com medidas restritivas.

Nesse período, os estudantes tiveram que se adaptar a algo que até então não havia sido visto por eles: aulas remotas em casa, com o auxílio da internet.

Contudo, o que poucos sabem é que essa não é a primeira vez que algo do tipo acontece.

Na década de 1930, antes da ciência produzir a vacina contra a poliomielite, crianças tiveram que enfrentar um período estudando de maneira peculiar.

De acordo com um artigo publicado por Katherine A. Foss no The Conversation crianças que estudavam em Chicago, nos Estados Unidos, passaram a receber aulas através do rádio, no ano de 1937. Mas, afinal de contas, como isso aconteceu e por qual motivo?

Isolamento

A decisão se deu após uma epidemia de paralisia infantil (ou poliomielite) invadir severamente o país.

Diferentemente da pandemia, como é o caso do novo coronavírus, a epidemia se define como uma doença que surge de maneira súbita em uma determinada área, que depois se extingue com o tempo.

Criança recebendo a vacina contra a poliomielite / Crédito: Getty Images 

 

A enfermidade contagiosa é causada por um vírus e pode atingir adultos, porém, é mais comum principalmente em crianças. A contaminação se dá pelo contato direto de secreções de pessoas infectadas e pode causar problemas de desenvolvimento físico.

A única maneira de se prevenir contra a poliomielite é a partir de uma vacina. Contudo, a doença ainda não tinha um imunizante em 1937, isso só veio a acontecer em 1955. Por isso, medidas de prevenção tiveram que ser tomadas.

Na época, a cidade de Chicago em Illinois, registrou 109 casos da doença, um número considerado recorde. Preocupados com a situação, incialmente as aulas foram adiadas por três semanas.

Contudo, pais, professores e diretores estavam apreensivos quanto aos  estudos dos pequenos, por isso, se uniram junto ao governo e tomaram uma decisão: as crianças iriam estudar em casa.

Pelo rádio

Temendo o aumento de casos de poliomielite, em setembro daquele ano a Secretaria da Educação de Chicago surgiu com a ideia de um plano experimental chamado de “rádio escola”.

Na ocasião, os membros dos colégios da região se uniram em um projeto intenso de preparação de aulas elaboradas em específico para cada série.

Sete estações de rádio da cidade cederam espaço e tempo para que o ensino fosse transmitido, a primeira aula remota aconteceu com sucesso em 13 de setembro de 1937.

Os estudantes contavam com o apoio geral dos cidadãos locais, sabe-se que os jornais da cidade também divulgavam o conteúdo preparado pela escola para facilitar o entendimento das lições, já que as aulas tinham somente 15 minutos.

O projeto reuniu cerca de 315 mil crianças da 3° até a 8° série e envolveu conteúdos simples que eram lecionados de maneira divertida para fácil compreensão, ao final de cada aula, lições de casa eram pedidas.

Muitas vezes, os alunos tinham dúvidas em relação às matérias, por isso, 16 professores ficaram encarregados de atenderem as ligações que eram comandadas pelos pais das crianças.

Mas, o número não foi suficiente e a equipe de teleatendimento teve que aumentar, sabe-se que somente no primeiro dia em que as aulas foram transmitidas pelo rádio, mais de mil ligações foram feitas para a central.

No fim de setembro, a situação já estava mais controlada no país e as escolas de Chicago decidiram reabrir, mas, o período de aulas remotas ficou marcado na memória dos estudantes da região.

Hoje em dia, com a doença controlada em decorrência das campanhas de vacinação, os casos de poliomielite diluíram em 99% ao redor do mundo desde 1988.


Saiba mais sobre o tema por meio das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

Pandemias - a humanidade em risco, deStefan Cunha Ujvari (2011) -https://amzn.to/2Qecx3N

A Gripe Espanhola: Os Dias Malditos, de João Paulo Martino (2017) - https://amzn.to/35WsZMS

Gripe Espanhola: A maior pandemia da história, de Editora O Curioso - https://amzn.to/2yXnEIT

A Pandemia de Gripe Espanhola de 1918 na "Metrópole do Café", de Leandro CarvalhoDamacena Neto (2020) - https://amzn.to/2WQ64P6

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du