Matérias » Brasil

Batalha da Maria Antônia: Quando a USP e o Mackenzie se confrontaram durante a ditadura militar

Em um confronto pouco lembrado, as duas universidades se enfrentaram com pedras, ovos e outros objetos

Victória Gearini Publicado em 10/11/2019, às 09h00

Estudantes da USP e Mackenzie no confronto da Maria Antônia
Estudantes da USP e Mackenzie no confronto da Maria Antônia - Wikimedia Commons

A Batalha da Maria Antônia foi um confronto ocorrido, em 1968, entre os estudantes da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (FFCL - USP) e da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Na época, ambas as instituições estavam localizadas na Rua Maria Antônia, palco de diversas manifestações políticas.

No dia 2 de outubro de 1968, as universidades se desentenderam após alunos da USP e secundaristas pedirem dinheiro para organizar o Congresso da UNE (União Nacional dos Estudantes). O fato irritou os estudantes do Mackenzie, que de dentro da faculdade particular atiraram pedras, ovos e outros objetos nos manifestantes.

Na época, o Mackenzie era conhecido por ter alunos membros do CCC (Comando de Caça aos Comunistas) e por apoiar o regime militar, enquanto a USP defendia o movimento estudantil e lutava contra a ditadura.

O conflito se estendeu para a Praça da Sé, onde os estudantes incendiaram um carro do Dops (Departamento de Ordem Política e Social), além disso, o prédio da USP, localizado na Maria Antônia foi incendiado e depredado pela oposição, motivo que levou a sua transferência. Ao longo dos protestos, os estudantes da USP promoveram comícios criticando a extrema-direita e José Dirceu foi um dos discursistas.

Durante o confronto o secundarista José Carlos Guimarães, de 20 anos, foi assassinado com um tiro na cabeça pelo membro do CCC, Osni Ricardo. A Batalha da Maria Antônia, como ficou conhecida, durou 22 horas e contribui para que o governo promulgasse a medida mais rígida deste período, o AI-5 (Ato Institucional número 5).


Saiba mais sobre o período da ditadura militar:

1. A Casa da Vovó: Uma biografia do DOI-Codi (1969-1991), o centro de sequestro, tortura e morte da ditadura militar, Marcelo Godoy (2015) - https://amzn.to/36RcrWL

2. Tortura e sintoma social, Maria Rita Kehl (2019) - https://amzn.to/2CpAFci

3. Dossiê Herzog: Prisão, tortura e morte no Brasil, Fernando Pacheco Jordão (2015) - https://amzn.to/2CwH5GB

4. Setenta, Henrique Schneider (2017) - https://amzn.to/36OM1EI

5. A ditadura envergonhada (Coleção Ditadura Livro 1), Elio Gaspari (2014) - https://amzn.to/2Q2xaAK

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.