Matérias » Personagem

Benjamin Abrahão Botto: um fotógrafo destemido no bando de Lampião

O jornalista de origem libanesa é responsável pelo acervo mais famoso de imagens do Rei do Cangaço, acompanhando seu bando pelo interior nordestino

André Nogueira Publicado em 30/05/2020, às 08h00

Benjamin Abrahão com Lampião e Maria Bonita
Benjamin Abrahão com Lampião e Maria Bonita - Wikimedia Commons

Lampião e o cangaço talvez não fossem tão famosos nos dias atuais se não fosse uma série de fotografias de seu bando, que representa os registros mais conhecidos dos bandoleiros no Brasil.

Essas imagens são de autoria de um importante e influente fotojornalista dos anos 1930: o libanês erradicado no país, Benjamin Abrahão Botto. Nascido em 1890, ele ficou conhecido após a divulgação de sua cinebiografia Baile Perfumado, auxiliado pelo historiador Frederico Pernambucano de Mello, autor de Entre anjos e cangaceiros (que retrata sua vida).

O fotógrafo viveu em seu país de origem até 1915, quando, com a Primeira Guerra, fora convocado ao Exército Otomano e migrou para o Brasil. Trabalhou inicialmente como mascate no Nordeste — incialmente Recife e então, Juazeiro do Norte, onde fez mais sucesso — até que conheceu a maior figura da cidade: o Padre Cícero Romão.

Imagem de Benhamin

 

Botto deixou a vida de comerciante para trabalhar como secretário pessoal do famoso padre cearense, ganhando grande influência e conhecendo as principais figuras do Nordeste. A importância de Padim Ciço foi a chave para a maior guinada da carreira do jornalista: numa das visitas de Lampião à cidade, em 1926, o cangaceiro foi pedir a benção de seu padroeiro e Benjamin pôde o conhecer.

Na ocasião, Lampião teria ido participar da iniciativa do deputado Floro Bartolomeu de criar uma guarda patriótica contra a Coluna Prestes. Então, Botto fotografou Virgulino e Cícero, numa demonstração de aumento da credibilidade do cangaceiro. Em 1934, com a morte do sacerdote, Benjamin utilizou esse primeiro contato e conseguiu uma reunião com Rei do Cangaço, onde se ofereceu para acompanhar o bando e gerar um acervo de fotos.

Bando de Lampião por B. Abrahão / Crédito: Wikimedia Commons

 

Inicialmente, os bandidos desconfiaram dessa aproximação, claro. Porém, Abrahão não apenas convenceu Lampião de suas intenções midiáticas, como aproveitou o gosto do líder cangaceiro por tecnologias para apresentar as câmeras. Durante a ocasião, ofereceu o equipamento para que Virgulino o filmasse, e assim selassem uma relação de confiança.

Lampião, que era um homem excêntrico e centrado, aceitou a proposta e Botto começou a acompanhar seu bando pela caatinga. Esse foi o auge tanto da carreira do fotógrafo quanto da fama dos cangaceiros, que foram imortalizados pela obra. Para tanto, recebeu ajuda de Ademar Bezerra de Albuquerque, que, com sua empresa ABAFILM, equipou e treinou Botto para a missão.

Maria Bonita com os cachorros / Crédito: Wikimedia Commons

 

Uma viagem inicial de sucesso forneceu uma série de imagens icônicas do bando de Lampião, que posava para o fotógrafo. Com isso, Benjamin retornou a Fortaleza, onde seu sucesso possibilitou uma recarga dos rolos de filme, para que retornasse ao acampamento do cangaceiro. As suspeitas contra seus relatos (incluindo a posição do bando) divulgados em jornais aumentaram, mas Botto continuou tranquilamente sua jornada.

Quando encerrou seu trabalho, as fotografias de Benjamin Abrahão foram apreendidas pela polícia do Governo Vargas, que o considerava uma ode ao banditismo e antagonismo ao regime. Os documentos passaram para as mãos da censura, e só ficaram conhecidos nos anos 1950, quando a Fundação Getúlio Vargas as divulgou.

Unidade de Corisco, por B. Abrahão / Crédito: Wikimedia Commons

 

Pouco tempo depois, Benjamin Abrahão morreu assassinado num caso até hoje não resolvido. Foi esfaqueado quarenta e duas vezes, sem que se saiba razão ou autor, na cidade pernambucana de Itaíba, no ano de 1938. Especula-se que se trata de uma morte política pela ditadura varguista, ou que fora assassinato durante um assalto.


+Saiba mais sobre o Cangaço através das obras abaixo: 

Apagando o Lampião: Vida e Morte do rei do Cangaço, Frederico Pernambucano de Mello - https://amzn.to/2RUsU7d

Lampião, Senhor do Sertão. Vidas e Mortes de Um Cangaceiro, de Élise Grunspan Jasmin (2006) - https://amzn.to/2RWQq3r

Guerreiros do sol: violência e banditismo no Nordeste do Brasil, de Frederico Pernambucano de Mello (2011) - https://amzn.to/2YQNZ3Y

Os cangaceiros: Ensaio de interpretação histórica, de Luiz Bernardo Pericás - https://amzn.to/2YROsms

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W