Matérias » Escravidão

A Bíblia dos Escravos: Uma obra de manipulação mental e fake news

Produzido no século 19, o livro serviu para que missionários britânicos convertessem escravizados ao cristianismo

Joseane Pereira Publicado em 09/01/2020, às 09h00

A Bíblia dos Escravos
A Bíblia dos Escravos - Wikimedia Commons

No início do século 19, o Império Britânico ocupava ilhas do Caribe, transformando-as em grandes campos de algodão. Para isso, participavam do lucrativo tráfico de escravizados, que gerava mais lucro do que os próprios algodões e transferia milhares de pessoas de seus locais de origem para a ilha.

Um controverso e eficaz método de manipulação dos escravizados era a conversão religiosa. E algo que poucos sabem é que a própria Bíblia era manipulada para estimular a conversão, o que comprova-se a partir do raro exemplar que está sendo exibido no Museu da Bíblia em Washington, DC, desde novembro de 2017. 

Poderoso dispositivo de controle mental utilizado pelos missionários britânicos, a rara Bíblia é um empréstimo da Universidade de Fisk em Nashville, Tennessee, e de acordo com a Universidade "há apenas três exemplares desta Bíblia. O exemplar em amostra em Washington é a única cópia nos Estados Unidos."

A Bíblia dos Escravos / Crédito: Wikimedia Commons

 

Livro Editado

Em nossa sociedade, o termo fake news" descreve não apenas a divulgação de fatos imprecisos, mas também a omissão de fatos essenciais para formar uma visão equilibrada de qualquer história. A Bíblia dos Escravos é um documento tão editado que qualquer história que poderia inspirar os escravizados a se rebelarem, como o livro do Êxodo em que Deus afirma "deixe meu povo ir", foi completamente omitida de modo a que ouvir as histórias não levaria a nenhuma "atitude perigosa". Entre os versos omitidos está esse:

"Não há judeu ou grego; não há escravo ou livre; não há homem nem mulher; porque todos vocês são um em Cristo Jesus". Gálatas 3:28

E não se trata de editores que apenas mudam uma palavra aqui e outra lá: eles alteraram completamente toda a estrutura do livro sagrado cristão. Estimativas indicam que cerca de 90% do Antigo Testamento e 50% do Novo Testamento estão faltando. 

Em termos de conteúdo legível, enquanto uma Bíblia Protestante tem 1.189 capítulos, a Bíblia dos escravizados tem apenas 232! E pesquisadores da universidade Fisk afirmam que os versos não foram apenas omitidos do livro, mas palavras e frases específicas foram priorizadas para estimular uma submissão aos senhores. 

Por exemplo, em Efésios 6:5: "Servos, obedeçam aqueles que são seus senhores de acordo com a carne, com medo e tremor, na singeleza de seu coração, como em Cristo."

Brad Braxton, diretor do Centro para o Estudo da Vida Religiosa Afro-Americana de NMAAHC, disse: "Esta relíquia religiosa nos obriga a lidar com uma questão atemporal: em nossas interpretações da Bíblia, o resultado final é sempre a libertação ou dominação".


+Saiba mais com as obras abaixo:

12 anos de escravidão, Solomon Northup (2015)

Link: https://amzn.to/2tkBAd5

Escravidão – Vol. 1: Do primeiro leilão de cativos em Portugal até a morte de Zumbi dos Palmares, Laurentino Gomes (2019)

Link: https://amzn.to/2OLXbU3

As Cores da Escravidão, Ieda de Oliveira (2012)

Link: https://amzn.to/33Oulq1

Ser escravo no Brasil: Séculos XVI-XIX, Katia M. de Queirós Mattoso (2016)

Link: https://amzn.to/384FbeS

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.