Matérias » Estados Unidos

Caçador de alienígenas explica por que ele não irá à Área 51, nos EUA, em busca de pequenos homens verdes

O local tem sido alvo de invasões por teóricos da conspiração, que esperam ver OVNIs

Jason Wright Publicado em 24/07/2019, às 14h00

None
- Reprodução

Nota do editor: O que começou como uma piada na internet gerou uma severa advertência militar depois que mais de um milhão de pessoas se inscrevaram para invadir a Área 51 - uma instalação militar secreta no sul de Nevada, nos EUA, fantasiada por teóricos da conspiração por supostamente conter evidências de OVNIs que vieram para a Terra. O propósito do ataque planejado era ver os alienígenas.

Na sessão de perguntas e respostas, o professor de astronomia Jason Wright discute o interesse do público em responder à antiga pergunta: estamos sozinhos?

Já que você tem um interesse acadêmico de longa data na vida extraterrestre - e até mesmo escreveu sobre a possibilidade de civilizações avançadas no passado distante em Marte ou Vênus - presumo que você cancelou suas aulas para 20 de setembro e se inscreveu para ir ao ataque na área 51. Certo?

Para ser honesto, eu estava completamente inconsciente desse ataque até você me chamar atenção! Eu trabalho no SETI, a busca científica por inteligência extraterrestre, e acredite em mim, ninguém quer encontrar evidências de vida extraterrestre mais do que nós neste campo. 

Nós vasculhamos os céus em busca de evidências de tais tecnologias com alguns dos equipamentos mais avançados do mundo, e ainda não encontramos nada atraente. Mas não estamos prestando muita atenção ao que acontece na Área 51.

Você acha que o público sabe o suficiente sobre a Área 51? Ou o interesse generalizado por este ataque é um bom termômetro para o quão frustradas as pessoas estão de que o governo esteja escondendo algo lá?

Eu não sei muito sobre a Área 51, mas posso dizer que o intenso interesse nos acontecimentos relacionados aos alienígenas revela uma profunda atração do público pelos tipos de vida que podem existir em outras partes do universo.

Você já tentou fazer alguma pesquisa fundamentada sobre os acontecimentos na Área 51?

Não na área 51, exatamente. O mais perto que cheguei foi uma palestra que ouvi de um físico descrevendo a fascinante ciência levada a cabo pelos militares no final da década de 1940, especialmente o Projeto Mogul, que lançou microfones em balões para ver se detectavam testes nucleares acontecendo na União Soviética. É uma incrível história de habilidades da física e engenharia.

Quando um desses balões com seus microfones de disco e refletores de radar pousou em uma fazenda em Roswell, Novo México, isso ajudou a alimentar toda a mania alienígena com a qual ainda estamos vivendo hoje. 

É uma pena, porque a teoria de conspiração alienígena inspirada na ficção científica é, do meu ponto de vista, muito menos fascinante do que as pesquisas que aconteciam naquela época.

Houve um tempo em que o governo federal fornecia dinheiro aos pesquisadores para procurar - e ensinar sobre - a busca pela vida extraterrestre. E você lamentou que não é mais assim. Se fosse do seu jeito, quanto dinheiro você acha que o governo federal deveria dar aos pesquisadores da América do Norte para procurar alienígenas ou evidências de alienígenas?

A busca pela vida no universo é uma grande prioridade para a NASA e para a ciência americana. Muitas de nossas missões a Marte e nossos telescópios espaciais são projetados com a detecção de bioassinaturas em mente - bioassinaturas sendo sinais de vida, como microfósseis ou evidência de metabolismo nas atmosferas de planetas distantes. 

Mas apesar dos bilhões de dólares gastos nessas missões, o público ficaria surpreso ao saber que a NASA e a National Science Foundation não gastam quase nada procurando vida inteligente no universo, incluindo vida tecnológica que poderia, afinal, ser mais fácil de encontrar. 

Acho que o nível de financiamento no campo deveria ser determinado da maneira como o resto da ciência é, por meio da revisão competitiva de propostas de pesquisa. Então, não sei qual é o nível certo, mas sei que não é zero.

Você é o vencedor do Prêmio Drake de 2019. O que é o Prêmio Drake, por que você ganhou, e o que você planeja fazer para avançar o que é o prêmio?

O Prêmio Drake foi nomeado após o seu primeiro fundador, Frank Drake, que mais do que ninguém lançou o campo do SETI no início de 1960 com seus experimentos de rádio pioneiros. Ele também fez o primeiro cálculo - usando o que hoje chamamos de Equação de Drake - do número de civilizações alienígenas na Via Láctea que podem estar tentando entrar em contato conosco. 

O Prêmio Drake é concedido ocasionalmente pelo Instituto SETI, centro de pesquisa dedicado a entender o lugar da humanidade no universo. Eu vejo este prêmio como uma validação do meu trabalho em ajudar a elevar o campo do SETI como disciplina acadêmica, e para convencer o Congresso, a NASA e o público de que o instituto é digno de investimento público. 

É, afinal de contas, uma abordagem científica para responder a uma das mais profundas questões já feitas: a vida na Terra é única? Ou existem outros seres como nós lá fora no universo?


Jason Wright é professor de astronomia e astrofísica da Universidade Estadual da Pensilvânia. Este artigo foi republicado no The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.