Matérias » Curiosidades

Cachorro-quente: De onde surgiu a ideia de que um pão com salsicha se parece com um cachorro?

Apesar de, hoje, serem uma coisa só, o nome do lanche e sua preparação possuem origens diferentes

Izabel Duva Rapoport Publicado em 06/06/2021, às 09h00

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - Pixabay

Há referências milenares de embutidos de carne, como por exemplo na Odisseia, de
Homero, no século 9 a.C. Mas, de veio a ideia de que um pão com salsicha se
pareceria com um cachorro?

O nome hot dog (cachorro-quente) se deve ao cartunista americano Thomas Aloysius Dorgan (1877-1929), que desenhava personagens alemães na forma de cães da raça dachshund (por aqui, em terras brasileiras, são conhecidos por “salsichas”).

A ideia de Tad (como o artista assinava) era simular que os lanches vendidos em Coney Island, onde a moda pegou, eram feitos de carne de cachorro. Por outro lado, uma versão mais leve mostra o cartunista interessado nos vendedores de red hot, uma alusão à cor da salsicha dachshund.

Sem saber como escrever o nome do cachorro, Dorgan logo tascou um hot dog nos quadrinhos — o que desagradou a muita gente. Em 1913, a expressão foi proibida pela Câmara de Comércio da cidade.

Já a história do sanduíche de pão com salsicha, ketchup e mostarda remonta a Frankfurt, na Alemanha, onde surgiu a salsicha clássica do cachorro-quente no fim do século 17, receita criada pelo açougueiro Johann Georghehner, de Coburg.

Naquela época, o embutido já era conhecido como dachshund. Mas (de novo) há também uma outra versão — ou melhor, um outro nome, igualmente germânico: weiner, por causa da salsicha do tipo viena. Não à toa, até hoje os moradores de Viena (Wien, em alemão), na Áustria, reivindicam o crédito pela invenção.

Seja como for, o que se sabe mesmo é que o cachorro-quente, ou pelo menos a salsicha, foi levado aos Estados Unidos por imigrantes alemães no fim do século 19.

Para os americanos, a associação do sanduíche com o beisebol tornou o hot dog tão patriótico quanto o hambúrguer — outra invenção, aliás, que não nasceu nas Américas (história que já contamos por aqui).


++Saiba mais sobre culinária através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

História da Culinária em 100 Receitas, de William Sitwell (2013) - https://amzn.to/2Sj0eXG

História da alimentação, de Massimo Montanari (2003) - https://amzn.to/3fE4V6r

De caçador a gourmet - Uma história da gastronomia, de Ariovaldo Franco (2001) - https://amzn.to/3hWPA43

História da Alimentação no Brasil, de Luís da Câmara Cascudo (2011) - https://amzn.to/3wnuqzH

Memórias gastronômicas de todos os tempos: Seguido de Pequena história da culinária, de Alexandre Dumas (2005) - https://amzn.to/3fzsJIM

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W