Matérias » Europa

Caldeirão romano encontrado na Noruega intriga arqueólogos

Utilizado em enterramentos, objeto de bronze lança luz sobre a ocupação Romana da região

Joseane Pereira Publicado em 18/09/2019, às 07h00

Arqueólogas
Arqueólogas - Astrid Kviseth / NTNU University Museum

Arqueólogos do Museu da Universidade NTNU desenterraram um caldeirão que remonta à Idade Romana. O objeto de bronze foi encontrado em um trabalho de salvaguarda para a construção da rodovia E6 direcionada a Oslo, e sua descoberta poderá lançar luz sobre o papel da Noruega no Império Romano.

“Por termos vasculhado a região com o detector de metais, sabíamos que havia algo sob uma das lajes de pedra no enterramento”, afirmou a arqueóloga Ellen Grav Ellingsen. Segundo ela, a importação de caldeirões romanos para a área próxima ao rio Gaula, hoje conhecida como Gylland, sugere um status de riqueza ao local.

A escavação / Crédito: Reprodução

 

"Essa riqueza provavelmente estava ligada à passagem do tráfego e à proximidade de Gylland de importantes recursos terrestres, como pântanos de ferro, que eram a base da extensa produção de ferro na região central da Noruega na época romana", afirmou Moe Henriksen, que liderou a escavação.

Remanescentes do caldeirão serão analisados em laboratório da NTNU /
Crédito: Reprodução

 

Dado que os bens importados à região eram normalmente reservados aos ricos, o enterramento pode ter contido as cinzas de uma pessoa de grande status. Após a cremação, os restos foram colocados no caldeirão de bronze e embrulhados na casca de uma bétula, prática comum na Escandinávia. As primeiras datações para o enterramento revelaram a idade de 150 a 300 d.C.