Matérias » Crimes

Cansada de ser a 2ª opção: O bizarro crime da “Assassina do Paraquedas”

Em 2006, um trágico acidente durante um salto de paraquedas movimentou a mídia com desdobramentos infames

Fabio Previdelli Publicado em 16/01/2021, às 11h00

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - Pixabay

Em 2006, com 26 anos, Els Clottemans era um dos elos do triângulo amoroso de Marcel Somers. Além de Els, ele também se relacionava com Els Van Doren. O trio se conhecia do mesmo clube de paraquedismo e, segundo Clottemans, as duas eram amigas próximas. “[Doren] é a única pessoa que me conhecia”, lembra ao falar da amiga. 

Entretanto, apesar demonstração de afeto, ela conta que sempre soubre que “era a 'número 2' para Marcel e que a amiga era a 'número 1'... Não tinha problemas com isso na época, tinha uma imagem tão ruim de mim mesma que só podia imaginar ser a segunda opção de alguém”. 

Foi justamente por esse motivo que Els Clottemans foi acusada de causar a morte da ‘amiga’ naquele ano. Pensando nisso, o site Aventuras na História decidiu recuperar a história da mulher que ficou conhecida como a “Assassina do Paraquedas”: 

Tragédia

Em 18 de novembro, 12 membros do clube de paraquedismo sobrevoavam a cidade belga de Flanders para um salto em equipe. Entre eles, Van DorenSomersClottemans e outro rapaz, que formariam um quarteto para o ato.  

Els Clottemans/ Crédito: YouTube/ AP Archive

 

Entretanto, na hora de abrir seu paraquedas, Van Doren viu seu equipamento falhar. Todo seu salto foi registrado por uma câmera presa em seu capacete. O vídeo mostra os momentos de desespero no ar.  

Pulando de uma altura de mais de 3.200 pés, algo em torno 1.000 metros, Els ainda tentou acionar o paraquedas reserva. Entretanto, o mesmo também falhou e ela ficou solta em queda livre.  

“Ela tentou de tudo”, disse à TV belga Luc Deijgers, piloto do avião de onde pularam os passageiros, todos paraquedistas experientes. “Ela tentou acionar o paraquedas reserva, que não abriu. Isso nunca acontece”, disse.  

Como consequência, a paraquedista só teve seu desespero cessado quando caiu em um jardim na vila de Opglabbeek. A polícia descartou a hipótese do suicídio, já que a gravação mostra a mulher lutando a cada segundo para se salvar.  

A acusação 

Após o suposto acidente, Els Clottemans passou a ser investigada. O que gerou grande desconfiança sobre ela foram os acontecimentos das noites anteriores. Em 16 de novembro, Clottemans apareceu no meio da noite na casa de Somer

Porém, naquela ocasião, ele já estava acompanhado de Van Doren. Mesmo assim, ela passou a noite no sofá da casa. Segundo a polícia, aquela teria sido a oportunidade que precisava para sabotar o equipamento da rival, o que colocaria um ponto final na disputa por atenção.  

O equipamento analisado de Van Doren / Crédito: YouTube/ AP Archive

 

A denúncia diz que Els precisaria apenas de 30 segundos para cortar os cabos do paraquedas com uma tesoura. Outro ponto que chamou a atenção é que, no momento do salto, ela não pulou junto ao trio, permanecendo no avião por alguns segundos extras.

O julgamento 

Apesar do tribunal não apresentar qualquer evidência concreta — como uma confissão, relatos de testemunhas, o algo do tipo — ou direta — como amostras de DNA, por exemplo — Clottemans acabou sendo indiciada e foi até julgamento popular em 2010.  

O tribunal concluiu que Els era a única suspeita com um motivo, pois ela não suportava ficar em segundo lugar na vida de Somers, já que ele estava mais interessado na aventura que teve com Van Doren. Eles também basearam a decisão em relatórios psiquiátricos e no comportamento estranho que a mulher teve durante o “salto fatal”. 

Els Clottemans / Crédito: YouTube/ AP Archive

 

Assim, em 22 de outubro de 2010, Els Clottemans foi condenada a 30 anos de prisão. Apesar de muitos apelarem para ela ser presa perpetuamente, o juiz considerou “sua debilidade psicológica” uma circunstância atenuante para o veredito.

Além do mais, a lei belga permite que um réu possa entrar com pedido de liberdade condicional após cumprir um terço da sentença.  

Depois de passar oito anos presa, onde demonstrou ter um bom comportamento, a mulher obteve sua primeira licença para deixar o cárcere por três horas para buscar orientação psiquiátrica, que é “o primeiro passo necessário para a reintegração na sociedade”. Entretanto, apesar do tratamento, ela ainda permanece presa. 

Em novembro de 2019, o Brussels Times relatou que ela fez um 'pedido de detenção limitada', permitindo que pudesse deixar a cadeia durante certo período do dia para participar de um curso. 


+Saiba mais sobre outros cimes por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Psicopata Americano, de Bret Easton Ellis (2020) - https://amzn.to/34yE1t1

Serial Killers - Anatomia do Mal: Entre na mente dos psicopatas, de Harold Schrechter (2019) - https://amzn.to/39YVlGK

De frente com o serial killer, de Mark Olshaker e John E. Douglas (2019) - https://amzn.to/2UX47R4

Lady Killers: As mulheres mais letais da história, de Tori Telfer (2019) - https://amzn.to/3c7BoPb

Mindhunter: O Primeiro Caçador de Serial Killers, de John Douglas e Olshaker Mark (2017) - https://amzn.to/2xccb7L

Ted Bundy: Um Estranho ao Meu Lado, de Ann Rule (2019) - https://amzn.to/3cauuc9

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W