Matérias » Primeira Guerra Mundial

Caos e insalubridade: a infernal vida nas trincheiras durante a Primeira Guerra

Além de conviverem com a violência diária da guerra, os soldados viviam de maneira completamente insalubre

Giovanna Gomes Publicado em 21/02/2021, às 10h00

A vida nas trincheiras era um verdadeiro horror
A vida nas trincheiras era um verdadeiro horror - Divulgação

A Primeira Guerra Mundial foi um dos mais terríveis conflitos da história da humanidade, no qual muitas pessoas perderam suas vidas. Durante os primeiros meses, prevaleceu a guerra de movimento. Porém, ainda no final de 1914, os soldados começaram a utilizar a tática de trincheiras.

Um fato importante é que, ao contrário do que viria a ocorrer na Segunda Guerra, as batalhas não se davam nas cidades e, portanto, o embate era apenas entre soldados que se organizavam em trincheiras.

Justamente devido ao formato utilizado, esse tipo de guerra era muito mais lento, o que significava mais tempo em um ambiente violento e insalubre.

Soldados em uma trincheira - Crédito: Divulgação

 

A tática de trincheiras

As trincheiras eram valas cavadas na terra que geralmente tinham 1,8 m de largura e 2 m de profundidade. Elas se estendiam e formavam imensos labirintos, sendo que, em alguns meses, passaram a se encontrar entre a Suíça e o litoral norte da França. 

As batalhas funcionavam da seguinte forma: os rivais se posicionavam frente a frente dentro das trincheiras, separados por uma faixa de terra com metros de extensão. Caso um dos lados conquistasse a primeira vala, os soldados que antes a ocupavam voltavam para outra fileira.

Estratégias

Com o objetivo de amortecer as balas, as tropas colocavam sacos de areia nas valas. Além disso, barreiras de arame farpado que poderiam chegar a 30 metros de largura também eram uma forma de combater os inimigos.

Soldados franceses em Verdun - Crédito: Wikimedia Commons

 

Uma das ações mais violentas que ocorriam na Primeira Guerra era a utilização de gás mostarda para provocar a morte das tropas rivais. Estima-se que cerca de 90 mil soldados tenham sido mortos por isso.

A barbárie era tanta, que havia combatentes que saíam das trincheiras, preferindo ser mortos a tiros, muitas vezes por metralhadoras, armas utilizadas com enorme frequência.

Além das metralhadoras, outros armamentos muito utilizados eram os obuses e os lança-chamas, ambos capazes de promover enormes danos. O resultado de tamanha violência era devastador.

Os soldados que permaneciam vivos eram obrigados a conviver com os cadáveres de seus companheiros, os quais, muitas vezes por meio de arrotos, expeliam gás. 

Soldados em uma trincheira - Crédito: Divulgação

 

Outro problema é que as valas eram repletas de ratos, fezes e urina. E era nesse ambiente em que as pessoas se alimentavam. A comida era armazenada em péssimas condições, além de escassa.

Somando todos esses fatores, é possível perceber que a proliferação de doenças era um enorme problema vivenciado pelos soldados.

Entre as enfermidades mais comuns estavam a febre e o "pé de trincheira". Esta última era um verdadeiro terror muito recorrente nas trincheiras e se tratava da perda dos pés ou dos dedos devido ao longo período em que os soldados se encontravam na água fria. 


+Saiba mais sobre a Primeira Guerra Mundial através de importantes obras disponíveis na Amazon Brasil

Era dos extremos: O breve século XX, de Eric Hobsbawm - https://amzn.to/2Z2EAWY

A Primeira Guerra Mundial: Os 1.590 dias que transformaram o mundo, de Martin Gilbert (2017) - https://amzn.to/38NubDc

Box 1914-1918: a história da Primeira Guerra Mundial, de David Stevenson - https://amzn.to/36N1vbx

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W