Matérias » Crimes

Caso Mandy Stavik: o assassinato que foi resolvido com uma lata de Coca-Cola

Ocorrido há 30 anos, o caso de estupro e homicídio da jovem Mandy demorou décadas para ser concluído

Joseane Pereira Publicado em 30/11/2019, às 09h00

Mandy Stavik, jovem de 18 anos morta em 1989
Mandy Stavik, jovem de 18 anos morta em 1989 - Reprodução/Youtube

Em uma tarde ensolarada de 1989, a jovem Mandy Stavik resolveu sair para correr com sua cachorra, próximo à casa onde morava em Washington, Estados Unidos. Era novembro, e o dia de Ação de Graças acabara de passar. Mas o que era para ser um passeio rápido se tornou uma tragédia: a garota de 18 anos nunca mais voltou para casa, sendo encontrada morta no rio Nooksack, dois dias depois.

Policiais identificaram sinais de violência e vestígios de sêmen em seu corpo. DNA foi colhido, e a busca pelo assassino teve início. Entretanto, mesmo com ajuda da população do condado de Whatcom, onde Mandy morava, o caso só foi desvendado quase 30 anos depois — e com o auxílio de objetos inusitados.

PROVAS LEGÍTIMAS

Mandy Stavik / Crédito: Facebook da polícia do condado de Whatcom

 

Como afirmou o xerife Bill Elfo em 2017, um morador do condado havia informado à polícia que Timothy Bass poderia ter "algum envolvimento" no crime. Funcionário da rede de padarias Franz Bakery, Bass já estava sob suspeita desde 2013, entretanto não existiam provas suficientes para obrigá-lo a fornecer amostras de DNA.

Foi aí que Kim Wagner, colega de trabalho de Bass, se ofereceu para ajudar no caso. "Senti uma obrigação moral humana básica de ajudar (...) Esperaria que alguém fizesse o mesmo por mim se tivesse sido a minha filha", afirmou ela em documentos judiciais posteriormente. Em agosto de 2017, Wagner entregou às autoridades uma garrafa d'água e uma lata de Coca-Cola usados pelo suspeito.

Timothy Bass em defesa durante julgamento / Crédito: Reprodução/Youtube

 

Procedendo com a análise laboratorial, a polícia conseguiu provas de que o DNA de Bass correspondia ao que estava no corpo de Mandy, em 1989. Jeff Parks, do gabinete do Xerife, comunicou que “os homens e mulheres do gabinete do Xerife do condado de Whatcom aguardam ansiosamente o julgamento de Timothy Bass e justiça para Mandy e sua família. Eles fizeram todos os esforços possíveis para resolver este crime terrível”.

Segundo as investigações, logo após matar a garota, Bass teria se casado e mudado de cidade, vivendo livremente com sua família. Em 12 de dezembro de 2017, ele foi preso por estupro e assassinato em primeiro grau, sendo condenado a quase 30 anos de prisão em um julgamento que durou três semanas.


+ Saiba mais sobre crimes através das obras abaixo:

1. Jan Karski, de Yannick Haenel (2013) - https://amzn.to/2rJ7XkU

2. Mengele: A História Completa do Anjo da Morte de Auschwitz, de Gerald L Posner (2019) - https://amzn.to/33AJJX8

3. Os bebês de Auschwitz, de Wendy Holden (2015) - https://amzn.to/37UWY8j

4. Como funciona o fascismo: A política do “nós” e “eles”, de Jason Stanley - https://amzn.to/2swHfME

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com a BlackFriday e estarão disponíveis até 01/12/2019. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.