Matérias » Tecnologia

Cheiros do passado: projeto irá recriar os odores da Europa do século 16

Financiado pela União Europeia, a proposta, além de querer produzir a primeira enciclopédia histórica de cheiros já feita, irá deixar tudo disponível para o público

Ingredi Brunato Publicado em 18/11/2020, às 15h20

Pintura de Joseph-Nicolas Robert-Fleury do século 16
Pintura de Joseph-Nicolas Robert-Fleury do século 16 - Wikimedia Commons

Na última terça-feira, ocorreu o anúncio de um projeto inédito: uma equipe de especialistas irá usar de inteligência artificial para recriar os odores da Europa do século 16, através da análise de obras de arte e livros da época. 

"Nosso objetivo é desenvolver um 'olfato informático' capaz de rastrear cheiros e experiências olfativas", explicou Peter Bell, professor alemão de humanidades digitais, segundo divulgado pela AFP. O acadêmico ainda disse que seria como ensinar um computador a “ver um cheiro”. 

Uma vez concluída essa etapa, o projeto, que se chama ODEUROPA, reunirá químicos e perfumistas para que tentem reproduzir as fragrâncias detectadas pela inteligência artificial. O objetivo final do trabalho será confeccionar a primeira enciclopédia histórica de aromas do mundo, o que ficará disponível ao público online. Para tanto, a União Europeia, que está financiando a iniciativa, desembolsou 2,8 milhões de euros. 

Segundo William Tullett, historiador e membro da ODEUROPA que também foi entrevistado pela AFP, cheiros podem dizer muito sobre a época que vivemos. "A colonização, a urbanização, a industrialização, o nacionalismo, a comercialização, quase todos os processos históricos importantes influenciaram o que cheiramos", comentou o especialista. 

Também vale mencionar que a pandemia influenciou os aromas que sentimos hoje ao andar na rua, e, para alguns, também significou a perda do olfato, que é um sintoma colateral da infecção pelo vírus. 

"A covid-19 ilustrou os efeitos profundamente negativos que a perda do olfato pode ter em nosso bem-estar físico e mental, revelando a fragilidade do nosso ambiente sensorial e a necessidade de preservar os odores que têm significado para as comunidades", concluiu Tullett.