Matérias » Grécia Antiga

Ostracismo: Para evitar tiranias, atenienses baniam políticos por uma década

Medida passou a vigorar após uma série de reformas políticas promovidas por Clístenes

Joseane Pereira/ Atualizado por Fabio Previdelli Publicado em 29/07/2021, às 14h00

Uma pintura de Philipp Foltz representando um discurso do estadista grego Péricles
Uma pintura de Philipp Foltz representando um discurso do estadista grego Péricles - Domínio Público

Quando se fala sobre a Grécia Antiga, logo pensamos no conjunto de cidades-estados que formavam a civilização grega.

Porém, como aponta matéria do portal História do Mundo, não devemos tratar esse grupo como se todos tivessem modelos políticos únicos. Cada cidade-estado tinha sua peculiaridade. 

Na democracia ateniense, por exemplo, a partir do século 5 a.C., como explica Katharine J. Lualdi em ‘The Making of the West, Peoples and Cultures, A Concise History, Volume I: To 1740’, passou-se a exercitar uma prática denominada 'ostracismo'.  

A Acrópole de Atenas com o Partenon no topo/ Crédito: Christophe Meneboeuf/Wikimedia Commons

 

Isso permitia que um cidadão, geralmente ligado a política, fosse votado por outras pessoas para ser exilado por um período de dez anos. A medida visava impedir que qualquer personagem que ameaçasse a democracia pudesse instaurar uma tirania. 

A política ateniense 

Os primórdios do processo de instalação da democracia ateniense foram marcados pela agitação política proveniente da aristocracia. Como explica o Brasil Escola, esse grupo se negava a perder seus privilégios.  

Mas as coisas começaram a mudar no início do século 6 a.C., quando Sólon ampliou o direito para que os cidadãos pudessem participar da vida política. Com isso, a população passou a ser ‘dividida’ em quatro grupos econômicos. 

Porém, com o passar do tempo, a diferença entre esses grupos sociais que passaram a fazer parte do cenário político de Atenas abriu um precedente para que tiranias fossem instaladas.

Busto de Sólon/ Crédito: Sailko/Wikimedia Commons

 

Afinal, diz o Brasil Escola, os déspotas tinham apoio da aristocracia, além disso, eles impediam que qualquer grupo com ideais contrários pudessem ampliar sua atuação política. 

Para impedir que isso acontecesse, explica LualdiClístenes, considerado um dos pais da democracia, promoveu uma série de reformas políticas, entre elas o ostracismo. O processo teria sido usado pela primeira vez em 488 na expulsão de Hiparco, irmão do tirano Hípias

Como funcionava? 

Todos os anos, em janeiro, perguntava-se ao povo sobre o desejo de realizar um ostracismo. Caso o voto fosse positivo, dois meses depois era realizado novo encontro na Ágora, e os cidadãos levavam consigo um óstraco — uma peça feita de cerâmica — com o nome da pessoa que queriam expulsar. 

Conforme explica Plutarco em ‘Vidas Paralelas’, a votação só acontecia caso o número de votos passasse dos seis mil ao todo. Nessa parte, existe certa discordância na maneira como se aplicava o resultado, já que fragmentos de escritos de Filocoro diz que a expulsão só era consumada caso um único sujeito recebesse mais de 6 mil votos.  

Óstracos/ Crédito: Xocolatl/Wikimedia Commons

 

A necessidade desse elevado número de votos servia justamente para impedir que o mecanismo fosse usado por um grupo dominante para suprimir opositores ou algo do tipo, explica o Brasil Escola.  

Com isso, caso a pessoa fosse condenada, ela tinha até dez dias para deixar a cidade. Entretanto, a partir do momento que ela partisse, o Estado ficava incumbido de preservar suas propriedades. Além disso, os familiares do exilado não poderiam sofrer qualquer tipo de retaliação.  

Passado o tempo determinado, o indivíduo poderia retornar normalmente e, além disso, também tinha todos seus direitos políticos recuperados. No período de quase um século (508-417 a.C.), são conhecidos menos de 20 ostracismos. Embora tivessem esse poder nas mãos, a população cidadã o exercia apenas em casos excepcionais. 


+Saiba mais sobre a Grécia Antiga por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

História antiga Grécia e Roma: A formação do Ocidente, de Flávia Maria Schlee Eyler (2014) - https://amzn.to/373CGJB

Dos democratas aos reis, de Michael Scott (2012) - https://amzn.to/2qTsr9O

Alexandre, o Grande, de Philip Freeman (2013) - https://amzn.to/34Y0MmX

Mitologia Grega - Caixa 3 Volumes, de Junito de Souza Brandão (2009) - https://amzn.to/2USFkwl

Os mitos gregos: Box com dois volumes, de Robert Graves (2018) - https://amzn.to/3bM8jsK

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W