Matérias » Múmias

Com cabelo e órgão genital intactos: a impressionante múmia de Amósis I

Medindo 1,68 m de altura, o faraó tinha dentes proeminentes e não foi encontrado em sua pirâmide

Isabela Barreiros Publicado em 28/04/2020, às 07h00

A cabeça da múmia de Amósis I
A cabeça da múmia de Amósis I - Wikimedia Commons

Embora tivesse construído uma pirâmide durante seu reinado, assim como a maioria dos faraós egípcios, Amósis I não foi encontrado dentro dela. O fato é que nem a própria estrutura sobreviveu com o tempo: foram encontrados apenas seus restos em 1899 e, posteriormente, identificados como dele em 1902.

As pedras que revestiam a pirâmide foram retiradas do local e implantadas em outras obras ao longo do tempo — provavelmente roubadas. Além disso, a parte interior entrou em colapso. Hoje, apenas ruínas marcam o que é considerada a última pirâmide real conhecida do Egito. Ainda assim, Amósis I não foi encontrado em seus destroços.

O que egiptólogos propõem para resolver essa situação incerta é que a pirâmide foi construída para ser um cenotáfio, uma espécie de túmulo honorário. Ou seja, o local seria apenas em memória do faraó, e seu corpo mumificado não havia sido deixado ali por seus descendentes. Sugere-se, ainda, que ele tenha sido colocado originalmente na necrópole de Dra' Abu el-Naga', com outros membros das dinastias do final do século 17 e 18 do Egito Antigo.

Ruínas da pirâmide de Amósis I / Crédito: Wikimedia Commons

 

O mistério da múmia

No entanto, não foi lá que sua múmia foi encontrada. O que se sabe é que o sarcófago, como inúmeros outros, sofria com constantes saques feitos por vândalos que iam até a região. Os pesquisadores acreditam que a múmia apenas sobreviveu a essas drásticas situações devido a uma tentativa de proteger os cadáveres mumificados de importantes líderes do Egito Antigo. Isso teria acontecido quando, em algum momento durante a dinastia 21, pessoas coletaram algumas múmias e as colocaram em uma outra tumba, para, assim, enganar saqueadores.

Ficou claro para os pesquisadores que Amósis I não havia sido colocado em Deir el Bahri, na Necrópole de Tebas, logo após sua morte. Embrulhado em um tecido amarelo, o corpo foi colocado dentro do local que pode ser considerada uma espécie de esconderijo para múmias que sofriam com ataques brutais de saqueadores.

Além de Amósis I, as múmias de Tutmés I, Tutmés II, Tutmés III, Seti I, Ramsés I, Ramsés II, Ramsés IX e Amenófis I também foram encontradas no local. Junto deles, também estavam alguns dos faraós da 21ª dinastia como Pinedjem I, Pinedjem II e Siamun. A tumba, também conhecida como túmulo DB320, abrigava ainda pelo menos 50 restos mortais de faraós, rainhas e nobres do Egito Antigo, contando ainda com muitos equipamentos fúnebres dessas pessoas.

Amósis I

A múmia completa de Amósis I / Crédito: Wikimedia Commons

 

Ao encontrar a múmia de Amósis I, os arqueólogos puderam descobrir mais informações sobre o faraó, como o período em que ele governou, com quantos anos ele morreu e, ainda, características físicas do homem que governou o Egito Antigo. Foi o egiptólogo francês Gaston Maspero quem desembrulhou o corpo mumificado em 9 de junho de 1886.

Embora a cabeça tivesse sido retirada do corpo por saqueadores, ela foi, desajeitadamente, colocada de volta. O nariz, porém, foi quebrado. Com 1,68 m de altura, o líder possuía um rosto muito comum, sem características que o demarcassem. No entanto, seus dentes, provavelmente mais proeminentes, podem ser considerados uma característica entre sua família, visto que seu descendente, Tutmés II, também a possuía.

Ele foi encontrado em um caixão que exibia seu nome escrito em hieróglifos. Com um estilo que provavelmente remonta à 18ª dinastia, a madeira de cedro demonstra o período em que ela foi esculpida para dar lar ao antigo faraó. Em seu pescoço, ainda foi colocada uma guirlanda de flores azuis de delphinium.

Uma estátua de Amósis I / Crédito: Wikimedia Commons

 

Em seus escritos, Maspero descreveu a múmia: “ele era de estatura média, pois seu corpo, quando mumificado, media apenas 5 pés e 6 polegadas (1,68 m) de comprimento, mas o desenvolvimento do pescoço e do peito indica força extraordinária. A cabeça é pequena em proporção ao busto, a testa baixa e estreita, os ossos da bochecha projetam-se e os cabelos são grossos e ondulados. O rosto se assemelha exatamente ao de Tao II e a semelhança proclamaria a afinidade, mesmo se ignorássemos o relacionamento íntimo que unia esses dois faraós”.

Ao longo do tempo, análises mais específicas puderam ser realizadas com a múmia. Um exame de radiocarbono revelou que o período de seu reinado foi entre 1570 e 1544 a.C., sendo o ponto médio 1557 a.C. Além disso, no início, pensava-se que se tratava de um homem de 50 anos, mas exames mais recentes demonstraram que ele provavelmente tinha por volta dos 30 a 35 anos quando morreu. Subindo ao trono aos 10 anos, Amósis I teria tido um reinado de 25 anos.


+Saiba mais sobre o Egito Antigo através de importantes obras disponíveis na Amazon:

O Egito Antigo, Ciro Flamarion Cardoso (1982)https://amzn.to/2mUip74

Religião e Magia no Antigo Egito, Rosalie David (2011) - https://amzn.to/2nT5Ngi

O Egito dos Grandes Faraós, Christian Jacq (2007) - https://amzn.to/2n35mjD

Egito Antigo, Sophie Desplancques (2009) - https://amzn.to/2oCfCjr

Tesouros do Egito, Francesco Tiradritti (2000) - https://amzn.to/2n34L1l

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du