Matérias » Pandemia

Do pânico a folia: como foi o carnaval depois da Gripe Espanhola?

Após passado o surto que vitimou milhares de pessoas no Brasil, o evento foi feito sobre todas as ruínas deixadas pela gripe e é considerado “o maior de todos os tempos”

Fabio Previdelli Publicado em 20/06/2020, às 09h00

O primeiro desfile do Cordão da Bola Preta
O primeiro desfile do Cordão da Bola Preta - Divulgação/Cordão da Bola Preta

Em tempos de pandemia, a maior recomendação que todos devem seguir é a de evitar a aglomeração e manter ao máximo o distanciamento social. Mas uma pergunta que muitos fazem é: Quando vou poder sair para festejar novamente?

Essa mesma dúvida permanece não só em nós que estamos enfrentando à epidemia do novo coronavírus, como também permeou todos aqueles que enfrentaram o surto de Gripe Espanhola nos primeiros anos do século passado.

Por mais que nosso futuro seja incerto, o fato que permanece na história é que nossos antepassados fizeram o carnaval de 1919 ser considerado “o maior de todos os tempos”. Realizado há pouco mais de 101 anos, a festa foi feita sobre todas as ruínas deixadas pela gripe.

No mundo, a pandemia matou em torno de 50 milhões de pessoas, e por aqui as coisas não foram diferentes. Na cidade do Rio de Janeiro, ao menos 15 mil pessoas foram vítimas do surto. Entre os meses de outubro e novembro de 1918, um jornal local chamou a antiga capital federal de “um vasto hospital”.

Antes tomada por comércios e por uma movimentação muito grande de pessoas, as ruas foram ocupadas por cadáveres que se espalhavam aos montes pelas calçadas, sendo recolhidos como sacos de lixos por caminhões municipais.

Porém, da mesma maneira que a gripe veio, a gripe se foi: quase que subitamente. No fim daquele ano, boa parte das pessoas haviam criado anticorpos que eram imunes ao vírus do H1N1, que deixou de ser uma ameaça — pelo menos naquela época.

Assim, o começo de 1919 serviria como um processo de reestruturação da sociedade, usada para varrer os cacos e chorar por aqueles que partiram. A partir dali, a normalidade começou a ser restaurada e, então, em 1º de março, a energia carnavalesca tomou conta de todos, explodindo o espírito da ressureição nos foliões. A festa foi tão marcante que o escritor Ruy Castro a chamou de Carnaval da revanche, “a grande desforra contra a peste que dizimaria a cidade”.

O desfile dos Democráticos / Crédito: Biblioteca Nacional

 

Apesar do país não ter vivido as dores da Primeira Guerra Mundial como os outros países europeus, o fim do conflito serviu também como um estímulo para animar os farristas, o que alimentava ainda mais aquela sensação de superação de tudo de mal que alguém poderia enfrentar.

Mesmo não existindo escolas de samba, naquela época, o carnaval já contava com blocos, cordões, corsos e as alcunhadas grandes sociedades, que desfilavam apresentando carros alegóricos que foram decorados por grandes artistas, como Di Cavalcanti e J. Carlos.

As marchinhas daquele ano faziam referência ao momento difícil que todos passaram, sem, é claro, acabar com toda a irreverencia do evento. “Quem não morreu da espanhola, quem dela pôde escapar, não dá mais tratos à bola, toca a rir, toca a brincar”, cantavam.

A doença também foi tema dos desfiles, os Fenianos, por exemplo, apresentaram um carro com caveiras que representavam a “dançarina espanhola”, que era cercada por pierrôs, arlequins e colombinas. Já os Democráticos mostraram uma enorme xícara que carregava a inscrição “chá da meia-noite”, em referência à bebida que dizia-se acelerar o adeus dos enfermos.  

A ocasião também marcou o início de um tradicionalíssimo bloco carioca: o Cordão da Bola Preta, que foi fundado em 31 de dezembro de 1918. Por lá também começou o bloco do Eu Sozinho, onde o jornalista Júlio Silva comandou a farra sem aceitar abraços, em uma brincadeira que se perpetuou por mais de 50 anos.

Os carros alegóricos dos Fenianos / Crédito: Biblioteca Nacional

 

Por mais inacreditável que fosse, as ruas que viraram abrigo de inúmeros enfermos, se transformou em pouco tempo em um palco de euforia e diversão. Por mais que um inspetor de saúde pública, chamado Theophilo Torres, chegasse a pedir para as pessoas manterem o distanciamento, por medo de uma segunda onda de contágio, as pessoas ignoraram e se entregaram à festa como se não houvesse amanhã, afinal, o amanhã não faria mais sentido caso não existisse o carnaval.


+ Saiba mais sobre a Grande Gripe por meio de grandes obras disponíveis na Amazon: 

A Grande Gripe. A História Da Gripe Espanhola, A Pandemia Mais Mortal De Todos Os Tempos, de John M. Barry (2020) - https://amzn.to/3czLxoz

A Gripe Espanhola: Os Dias Malditos, de João Paulo Martino (2017) - https://amzn.to/35WsZMS

Gripe Espanhola: A maior pandemia da história, de Editora O Curioso - https://amzn.to/2yXnEIT

A Pandemia de Gripe Espanhola de 1918 na "Metrópole do Café", de Leandro Carvalho Damacena Neto (2020) - https://amzn.to/2WQ64P6

Pandemias: a humanidade em risco, de Stefan Cunha Ujvari (2011) - https://amzn.to/2YYky26

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W