Matérias » Guerra Fria

Como Margaret Thatcher e Ronald Reagan financiaram e apoiaram o genocida Pol Pot

Os EUA e o Reino Unido sempre apoiaram o Khmer Vermelho, mas nos anos 1980, esses dois líderes mundiais não pouparam esforços em favor de Pol Pot

André Nogueira Publicado em 22/09/2019, às 09h00

None
- Reprodução

Por dois anos e meio, o Camboja foi governado por um movimento sanguinário comunista conhecido como Khmer Vermelho, comandado por Pol Pot. A sociedade civil internacional só ficou sabendo da tragédia no país após a invasão vietnamita de 1978.

Porém, o mais alucinado dessa situação é o fato de que os líderes desse regime, comunista radical, foram incentivados e apoiados pelas maiores potências neoliberais da época: os EUA de Reagan e o Reino Unido de Thatcher.

Esse período teve ajuda, principalmente, da China, que forneceu milhares de assessores militares ao Khmer, e do então presidente dos EUA, Richard Nixon, com condescendência do governo britânico. Nixon e Kissinger, em auxílio à colaboração chinesa, não só cooperaram como fomentaram o sucesso de Pol Pot na vitória da Guerra Civil e na invasão de Phnom Penh.

Isso ficou mais explícito com o exílio de Pol Pot na Tailândia, pois EUA, China e Inglaterra o apoiavam e as potências ocidentais, a partir de então, se tornaram mais ativas no auxílio ao genocida. Os motivos para isso são diversos, mas o principal envolvia o projeto imperial dos EUA que sofria um grande baque: a Kampuchea Democrática (Camboja) era inimiga do Vietnam, que passava por uma revolução anticolonial de sucesso e com apoio da URSS.

Richard Nixon durante a Guerra do Vietnam / Crédito: Reprodução

 

Antes da derrubada violenta do regime de Pol Pot pelos vietnamitas, o Khmer Vermelho foi responsável por um gigantesco (e rápido) genocídio, que matou entre 1,7 e 2 milhões de trabalhadores. Sua vitória, de certa forma, foi possível por ação norte-americana: “Ele [Nixon] quer uma campanha de bombardeio em massa no Camboja. Ele não quer ouvir nada. É uma ordem, deve ser feito. Qualquer coisa que voe sobre qualquer coisa que se mova”, repassou Kissinger a A. Haig.

O apoio ocidental a Pol Pot envolveu um grande abuso de poder. Isso porque se esboçou o emparelhamento da ONU, comandada em boa parte pelos EUA e o Reino Unido. Após a queda do regime do Khmer Vermelho, sua cúpula interna continuou ocupando a cadeira do Camboja nas Nações Unidas, por pressão do bloco EUA-Reino Unido-China.

Como país, o governo de transição do Camboja passou por vários embargos ocidentais, mas os líderes daquele que foi um dos governos mais sangrentos do século 20 conseguiam o que queriam. "Incentivei os chineses a apoiar Pol Pot", afirmou Zbigniew Brzezinski, consultor de Jimmy Carter.

Pol Pot e Thatcher em 1982 / Crédito: Reprodução

 

Ao todo, foram gastos mais de 85 milhões de dólares no sustento de Pol Pot pelos EUA entre 1980 e 1986 (durante o governo Reagan). Ao mesmo tempo, as células do Khmer que resistiam à queda do regime e eram encaminhadas a campo de refugiados na fronteira com a Tailândia recebiam reforços dos EUA e da Inglaterra.

“O governo dos EUA insistiu que o Khmer Vermelho fosse alimentado... os EUA preferiram que a operação do Khmer Vermelho se beneficiasse da credibilidade de uma operação de ajuda internacionalmente conhecida. [...] 20.000 a 40.000 guerrilheiros de Pol Pot foram beneficiados", relatam Linda Mason e Roger Brown.

Thatcher e Reagan, os dois maiores expoentes de um neoliberalismo colonial entre as potências ocidentais / Crédito: Reprodução

 

Após o escândalo do Irangate, envolvendo outro intervencionismo de Reagan na Nicarágua e no Irã, o esforço na fronteira do Camboja se tornou exclusivamente britânico. A possiblidade de descobrirem a atuação do arranjo Thatcher-Reagan na Indochina era muito perigosa.

Mesmo assim, Thatcher soltou, acidentalmente, a pérola: “os mais razoáveis ​​no Khmer Vermelho terão de desempenhar algum papel em um futuro governo”. O governo, depois, negou, mentindo.

Foi somente em 1991, um ano após a saída da Dama de Ferro, que o governo britânico admitiu que o SAS treinava a resistência reacionária do Khmer Vermelho. Thatcher, que, junto ao aliado Reagan foi uma das maiores interventoras ocidentais em políticas na Ásia, nunca deu grandes explicações sobre o auxílio a Pol Pot, mas o Nobel da Paz Rae McGrath declarou: “o treinamento da SAS era uma política criminalmente irresponsável e cínica”.