Matérias » Entretenimento

Como o clássico 'Guia do mochileiro das Galáxias' previu o futuro

Apesar da narrativa leve e divertida, a saga de ficção científica imaginou, em 1978, diversas tecnologias que conhecemos hoje

Redação Publicado em 12/09/2021, às 08h00

Imagem meramente ilustrativa
Imagem meramente ilustrativa - Sarah Klockars-Clauser/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

Os fãs costumam dividir a ficção científica em “dura” e “suave”, conforme a seriedade com que a ciência e as leis básicas da lógica são tratadas. No primeiro grupo, estão as sisudas histórias de Isaac Asimov e Arthur C. Clarke. No segundo, quase tudo que vem de Hollywood, com seus lasers que fazem “pew-pew” e explodem inimigos em massivos “cabuns” no espaço (onde não existe nada disso). Há um terceiro tipo, mais divertido, como o de Douglas Adams, autor de 'Guia do Mochileiro das Galáxias', de 1978.

A série se leva tão pouco a sério que Adams a chamava de “trilogia em cinco volumes”. O mundo não viu (nem verá, achamos!) coisas como computadores baseados em bistrôs italianos ou o campo de problema dos outros, que torna as coisas invisíveis porque... é um problema dos outros.

Hoje acreditamos estar mais perto de encontrar alienígenas, que podem ser apenas microrganismos, não burocratas espaciais que destroem a Terra para fazer estrada. Toalhas não são consideradas a ferramenta mais indispensável para viagens espaciais. Ainda assim, nesse puro espírito de avacalhação, Adamsconseguiu prever o futuro melhor que muitos autores que tentaram isso seriamente.

Logo no primeiro livro, os “seres hiperinteligentes pandimensionais” aparecem perplexos com a fixação da humanidade em relógios digitais — que, de tão arcaicos, no filme de 2005 foram mudados para celulares. A grande profecia é o próprio guia do título. Ele é definido por Adams como um “tipo de livro eletrônico”, no formato de um tablet.

Esse aparelho, meio antiquadamente, tem “cerca de cem pequenos botões”, mas a tela podia ser operada por toque. E, o mais revolucionário, o conteúdo era “wiki”: com verbetes editados livremente e com possibilidade de erros ou informações irrelevantes. Por fim, o Guia do Mochileiro superou a tradicional Enciclopédia Galáctica — como a Wikipédia fez, para bem e para mal, com a Britânica e a Larousse.


+Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

O guia do mochileiro das galáxias (O mochileiro das galáxias – Livro 1), de Douglas Adams (2011) - https://amzn.to/3jWhs8N

O restaurante no fim do universo (O mochileiro das galáxias – Livro 2), de Douglas Adams (2009) - https://amzn.to/3C2f0DS

A vida, o universo e tudo mais (O mochileiro das galáxias – Livro 3), de Douglas Adams (2009) - https://amzn.to/3z1SXv9

Até mais, e obrigado pelos peixes! (O mochileiro das galáxias – Livro 4) - de Douglas Adams (2009) - https://amzn.to/3C0xBjP

Praticamente inofensiva (O mochileiro das galáxias – Livro 5), de Douglas Adams (2009) - https://amzn.to/3z5EFd0

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W