Matérias » Personagem

Como o 'resfriado' de Frank Sinatra resultou em uma das maiores reportagens da História

Com o título de “Frank Sinatra está resfriado”, artigo de 55 páginas se tornou um exemplo do Jornalismo Literário

Fabio Previdelli Publicado em 27/05/2021, às 00h00

Fotografia de Frank Sinatra
Fotografia de Frank Sinatra - Capitol Records/ Wikimedia Commons

Em novembro de 1965, Las Vegas seria o destino que reuniria Gay Talese e Frank Sinatra. Bom, pelo menos era assim que as coisas deveriam acontecer. Enviado a serviço da revista Esquire, editada por Harold Hayes, Talese tinha a missão de entrevistar um dos maiores ícones musicais do século 20 — um homem que mantinha toda a elegância de um smoking mesmo na época em que os Beatles revolucionavam o cenário musical do mundo com seu estilo mais despojado. 

Tudo já estava combinado, Hayes contatou Gay para fazer um especial que celebraria uma das maiores vozes americanas, que estava prestes a chegar na aclamada, e preocupante, idade de ouro. 

A comemoração seria marcada por uma série de projetos que colocaria respeito até mesmo nas mais jovens estrelas do pop. Como relembra matéria do Air Mail, Frank já tinha contrato assinado para produzir dois especiais televisivos, além de lançar álbuns novos e participar de um filme. A matéria da Esquire completaria tudo isso. Entretanto, ao chegar ao seu alvo, Talese se deparou com um sério problema: “Frank Sinatra está resfriado”.  

Gay Talese durante uma palestra em 2017/ Crédito: Getty Images

 

A solução encontrada, não só estampou diversas páginas da revista, como também moldou e influenciou o chamado Jornalismo Literário. Determinado a cumprir sua missão, Gay Talese, apesar do percalço, conseguiu escrever um perfil de Sinatra, mesmo que em sua apuração jamais tenha trocado uma palavra se quer com o artista.  

O jeito encontrado para isso foi falar com mais de 100 pessoas na órbita do cantor, se informando sobre o séquito de funcionários e assistentes do artista, o que incluía seu assessor de imprensa Jim Mahoney e até mesmo uma pequena senhora de cabelos grisalhos que, de acordo com ao Air Mail, ganhava cerca de 400 dólares por semana para cuidar da coleção de perucas de Sinatra.  

Com isso, conheceu não só a essência de um artista, mas também uma face que dificilmente seria revelada em um bate-papo direto. Por exemplo, viu um cantor que odiava a impessoalidade em suas relações, que tinha um temperamento forte e um grande grau de exigência em sua carreira, mas que também era muito generoso, fazendo questão dele próprio comprar os presentes de natal para seus funcionários. 

[Colocar ALT]
Capa da Esquire onde o texto de Talese foi publicado/ Crédito: Esquire/Wikimedia Commons

Afinal, ninguém mais do que ele sabia dos gostos pessoais de cada um deles, que em muitas vezes enxergam no artista um palco para ouvir suas queixas e ganhar valiosos conselhos.

Em troca, ele só exigia o mesmo respeito que tratava todos e a dedicação total em seu trabalho.  

Talese, até então, via Sinatra não só como um cantor sublime de jazz, mas também como uma figura capaz de atrair todos os holofotes.

Ainda assim, apesar de toda sua singularidade e jeito de durão, havia sido derrubado pela mais rotineira e comum das enfermidades. “Sinatra com um resfriado é como Picasso sem tinta, ou uma Ferrari sem combustível — só que pior”, descreveu em seu artigo.  

Hoje, 55 anos depois, “Frank Sinatra está resfriado” é considerado um ponto alto do New Journalism, uma escrita digna de frequentar o Hall da Fama das reportagens, tornando Talese um exemplo vivo de como histórias podem ser contadas de maneiras espetaculares a partir de pontos de vista que jamais imaginaríamos que pudesse sair algo — o que é normal para um jornalista que preferia muito mais relatar o cotidiano de um desconhecido do que falar da vida de uma celebridade, motivo pelo qual seu livro “Fama & Anonimato” se tornou célebre.  

“Ganhei mais observando-o, ouvindo-o por acaso e observando as reações das pessoas ao seu redor do que se realmente pudesse me sentar e conversar com ele”, declarou o jornalista certa vez, como recorda matéria da GQ. 

Ao todo, Gay Talese demorou 10 semanas e teve uma despesa de cerca de 5 mil dólares para reportar e escrever o artigo de 55 páginas — derivado do que ele descreveu como uma "crônica de duzentas páginas" — sobre o cantor norte-americano. 

Na edição do 70º aniversário da Esquire, em outubro de 2003, os editores declararam a peça a "Melhor História de todos os tempos" já publicada pela revista. Já a Vanity Fair a chamou o artigo de "a maior história de não ficção literária do século 20". 


++Saiba mais sobre Gay Talese através de grandes obras disponíveis na Amazon:

Fama e anonimato, de Gay Talese (2004) - https://amzn.to/3oRfvLI

Honra teu pai, de Gay Talese (2011) - https://amzn.to/3fLwMBP

O Voyeur, de Gay Talese (eBook) - https://amzn.to/3fpUUv6

A mulher do próximo de Gay Talese (2018) - https://amzn.to/3voYcnT

Vida de escritor, de Gay Talese (2009) - https://amzn.to/3vtmyww

Gay Talese. Phil Stern. Frank Sinatra Has a Cold, de Gay Talese (2021) - https://amzn.to/34kHxG3

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W