Matérias » Curiosidades

Como as pessoas acompanhavam as olímpiadas antes do rádio e da TV?

Os primeiros Jogos Olímpicos modernos aconteceram em 1896, mas o público só conseguiu acompanhar a competição de casa décadas depois

Redação Publicado em 18/07/2021, às 00h00

Tocha olímpica sendo acesa nos Jogos de 1988, na Coreia do Sul
Tocha olímpica sendo acesa nos Jogos de 1988, na Coreia do Sul - Getty Images

Quem não estava em Atenas para ver os primeiros Jogos Olímpicos modernos, em 1896, não conseguiu acompanhá-los em tempo real. A possibilidade veio 28 anos depois, quando houve a primeira transmissão de uma Olimpíada pelo rádio, em Paris.  

Grande público foi alcançado, mas os limites eram as fronteiras do país, já que fora dele não havia um sistema adequado para transmitir.

Cerimônia de abertura dos Jogos de 1896/ Crédito: Domínio Público

 

O rádio já tinha chegado ao Brasil, porém foi só a partir da década de 1930 que começou a acompanhar o maior evento esportivo do mundo, conta o professor José Carlos Marques, pesquisador em mídia e esporte da Unesp (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho).  

Quem queria ver, não apenas escutar, teve que esperar até 1936, quando se deu a primeira transmissão televisiva, em Berlim. Só que, para ver as Olimpíadas pela TV, era preciso ir até a Vila Olímpica ou a determinados locais públicos. O resto do mundo teve que aguardar até 1960 para poder assistir à transmissão dos Jogos de Roma.  

Até então, quem não tinha TV, quem estava nos tempos antes do rádio e quem não podia viajar até a cidade sede dos Jogos Olímpicos, ou seja, a maioria da população do planeta, tinha que se contentar com a cobertura dos jornais e revistas, o que, no Brasil, era pouco abrangente.  

Nas primeiras quatro edições das Olimpíadas, chegavam poucas notícias. No Rio de Janeiro, por exemplo, uma pesquisa de Fausto Amaro, autor do artigo ‘Jogos Olímpicos na Imprensa Carioca: Primeiros Momentos (1890 a 1910)’, cita o caso do Jornal do Brasil, o então favorito entre fãs do esporte.  

Em toda a década de 1900, foram 46 citações aos ‘jogos olímpicos’ (grafia da época). Onze na década anterior. “A realização das Olimpíadas no eixo Europa-América do Norte juntamente com a ausência de atletas brasileiros, que começaram a participar apenas em 1920, podem justificar a baixa incidência de notícias relacionadas às Olimpíadas no período”, acredita Fausto.  

Equipe trabalhando na transmissão dos Jogos de 2004/ Crédito: Getty Images

 

No blog História(s) do Sport, o pesquisador em História do esporte Fabio de Faria Peres cita a “tímida nota publicada no Jornal do Brasil” sobre o início dos Jogos Olímpicos de 1896, que começava assim: “Grécia. Os Jogos Olympicos. Athenas, 6. – Começaram aqui os tradicionais jogos olympicos, que despertam, como de costume, o maior interesse”.  

Peres relata que a nota informava que a família real, acredita-se que da Grécia, estava no local e que era considerável o número de estrangeiros no evento. “Somente depois dos Jogos, cerca de 15 dias após o encerramento, é que o Jornal do Brasil e O Apostolo publicaram uma matéria (cujo conteúdo era praticamente o mesmo com algumas poucas informações adicionais).  

O esporte ainda não estava consolidado no Brasil. Peres defende que menos ainda as Olimpíadas. Sobre a cobertura a respeito em 1896, ele argumenta que “aqueles Jogos não gozavam do mesmo prestígio e legitimidade que viriam a ter no decorrer do século 20. Não havia monopólio sobre o próprio sentido do termo ‘jogos olympicos’. Eram um tipo de competição entre outras tantas. Seus idealizadores tiveram que ‘lutar’ pelo ‘monopólio da imposição da definição legítima’ do termo e dos sentidos associados a ele”.  

Os idealizadores conseguiram. A luta pelo monopólio passou para os veículos de comunicação, que competem com bilhões de dólares pelos direitos de transmissão dos Jogos e chegam a todos os cantos do mundo todo.


+Saiba mais sobre os esportes por meio de grandes obras disponíveis na Amazon: 

O algoritmo da vitória: Lições dos melhores técnicos esportivos do mundo para você aplicar em seu time, sua carreira e sua vida, de José Salibi Neto (2020 ) - https://amzn.to/2CqpUtJ

Psicologia do esporte, de Dietmar Samulski (2008) - https://amzn.to/2AVENUi

Fisiologia do Esporte e do Exercício, de W. Larry Kenney, David L. Costill e Jack H. Wilmore (2020) - https://amzn.to/315r0Wd

Esportes, de Daniel Tatarsky (2017) - https://amzn.to/3hMqrqb

História dos esportes, de Orlando Duarte Figueiredo (2004) - https://amzn.to/2YVFKnC

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W