Matérias » Bizarro

Condenado a navegar para sempre: a macabra lenda do Holandês Voador

Conto de fábula para marinheiros ou história verídica, o fantasmagórico navio já foi retratado na ficção, mas também em relatos de avistamentos

Isabela Barreiros Publicado em 26/08/2020, às 18h25

O Holandês Voador dos filmes Piratas do Caribe
O Holandês Voador dos filmes Piratas do Caribe - Divulgação/Disney

A lenda do Holandês Voador circula pela imaginação de marinheiros há séculos por meio de lendas, histórias e supostos avistamentos. Ele também serviu de inspiração para escritores, dramaturgos e até mesmo ao navio pilotado pelo capitão David Jones na série de filmes Piratas do Caribe. Embora muitos saibam a narrativa, poucos sabem dizer se ela não passa de contos de fada.

A primeira vez que o Holandês Voador apareceu em relatos escritos foi em 1790, na obra Viagens em várias partes da Europa, Ásia e África durante uma série de trinta anos para cima (em tradução livre), de John MacDonald. Ele narra: “o tempo estava tão tempestuoso que os marinheiros disseram ter visto o Holandês Voador”.

Nesse primeiro relato, MacDonald escreve que “a história comum é que este holandês chegou ao Cabo com problemas de tempo e queria entrar no porto, mas não conseguiu um piloto para conduzi-lo e se perdeu e que desde então, com muito mau tempo, sua visão aparece”. No entanto, faltava uma questão primordial para que a aventura se tornasse a lenda que é hoje.

A história

Ilustração do Holandês Voador de 1887 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Na primeira versão da narrativa, a embarcação que viria a ficar conhecida como Holandês Voador era pilotada pelo capitão Hendrick Van der Decken e fazia parte da frota da Companhia Holandesa das Índias Orientais. Carregando as especiarias tão desejadas das Índias de volta para a Holanda, o navio passou por uma situação grave: uma tempestade furiosa colocou-se no trajeto, no contorno do Cabo da Boa Esperança.

A partir daí, existem duas versões para a história. Em uma delas, Van der Decken percebeu que seria um erro tentar enfrentar o violento mar, mas, mesmo assim, não foi capaz de retornar, o que fez com que o barco adentrasse na tempestade. Mas existe outra possibilidade para a decisão do capitão. Em outro conto mais agressivo, ele decidiu que iria passar pelo mar "até o dia do Juízo Final".

Naquele momento, um anjo — ou, em versões mais brutas, o próprio diabo — apareceu para o piloto. Como em conto de fadas, ele lançou uma maldição no homem e na embarcação sob seu comando. Ele teria que, como afirmou euforicamente, continuar navegando até o dia do juízo final. E, assim, começou uma das maiores lendas marítimas da história.

No entanto, por mais terrível que parecesse, Van der Decken poderia reverter esse destino se conseguisse o amor de uma mulher fiel. A cada sete anos, era permitido que ele fosse a terra firme para tentar romper com essa maldição, fora esses momentos, não poderia atracar em nenhum porto, ao redor do mundo todo. Essa condenação de paixão lembra a história da Bela e a Fera, não?

A fábula na vida real

Imitação do Holandês Voador de Piratas do Caribe / Crédito: Wikimedia Commons

 

Mas, talvez, a parte mais interessante dessa narrativa seja o fato de que, ao longo dos séculos, muitos marinheiros alegaram ter visto, de fato, o icônico Holandês Voador. Além dos que têm o mar como seu habitat natural, muitas outras pessoas, em suas passagens pelas águas do mundo, já relataram a visão da antiga e a amaldiçoada embarcação.

Uma das descrições mais famosas foi a do então príncipe George de Gales, o futuro Rei George V. Na década de 1880, ele fez uma viagem de barco, que chegou a durar três anos, com seu irmão mais velho, o príncipe Albert Victor de Gales e seu tutor John Neill Dalton. O que ele não esperava era que iria se deparar com algo tão impressionante quanto assustador.

No dia 11 de julho, escreveu em seu diário: “às quatro da manhã, o Holandês Voador cruzou nossa proa. Uma estranha luz vermelha como a de um navio fantasma todo aceso, no meio do qual iluminavam os mastros, mastros e velas de um brigue a 200 metros de distância destacavam-se em forte relevo quando ela subiu na proa a bombordo”.

“O oficial de guarda da ponte a viu claramente, assim como o guarda-marinha do tombadilho, que foi enviado imediatamente ao castelo de proa; mas, ao chegar, não havia vestígio nem qualquer sinal de qualquer navio material que pudesse ser visto perto ou bem ao longe no horizonte, a noite sendo clara e o mar calmo”, escreveu.

Um barco com luzes fantasmagóricas tenebrosas navegando pelos oceanos do mundo todo ou apenas uma fábula, a narrativa continua presente nas histórias do mar. Alguns o consideram talvez como um presságio de que coisas ruins irão acontecer, e outros apenas uma ilusão de ótica, como a miragem conhecida como Fata Morgana. O Holandês Voador, no entanto, permanece um mistério há séculos e possivelmente continuará assim por muito tempo.


+Saiba mais sobre piratas através das obras disponíveis na Amazon

Grandes Mistérios da História: A teoria da conspiração e os segredos por trás dos acontecimentos, de Sérgio Pereira Couto (2015) - https://amzn.to/2QHjs6p

Uma história dos piratas, de Daniel Defoe (2008) - https://amzn.to/3bMw7xe

Piratas no Brasil: As incríveis histórias dos ladrões dos mares que pilharam nosso litoral, de Jean Marcel Carvalho França e Sheila Hue (2014) - https://amzn.to/37Ax9cl

Meu pai, o grande pirata, de Davide Calì (Autor) - https://amzn.to/2uNpUkd

Breve História dos Piratas, de Silvia Miguens (2013) - https://amzn.to/2SEO

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.
 
Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 
 
Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W