Matérias » Mistérios

Conheça 5 mistérios do Triângulo de Bennington

De aparecimento do Pé Grande a sumiço de visitantes, o local assombra a população desde o século 19

Alana Sousa Publicado em 13/03/2019, às 16h00

Placa na Montanha
Reprodução

O Triângulo de Bennington fica localizado em torno da Montanha Glastenbury, nos Estados Unidos. O local é famoso por misteriosos desaparecimentos e supostas aparições de OVNIs, Pé Grande e a existência de portais interdimensionais. A lista de relatos sobrenaturais é grande (e até inexplicável)!

Com os casos ainda em aberto, teorias da conspiração aparecem. Muitos acreditam que extraterrestres e portais sejam os verdadeiros responsáveis pelo sumiço dos visitantes, embora uma teoria mais plausível explique os desaparecimentos à grande quantidade de minas abertas na região.

Confira 5 casos impressionantes que ocorreram no Triângulo de Bennington:

1. A Trilha Longa

O Long Trail (Trilha Longa), que se estende por 439 quilômetros através de Vermont e termina na borda do Canadá, leva de duas a quatro semanas para ser completada. Os voluntários que escolhem a aventura costumam planejá-la com antecedência. O Triângulo de Bennington se estende por parte da trilha. Dezenas de turistas corajosos, como Paula Jean Welden, já desapareceram sem deixar vestígios pelo caminho.

2. Nativos americanos

Segundo o livro Passado Estranho: Contos Reais de Assombrações e Horrores da Nova Inglaterra, de Joseph A. Citro, os nativos americanos se recusavam a pisar na Montanha Glastenbury. Eles acreditavam que toda a montanha foi amaldiçoada porque os “quatro ventos” se encontraram em uma luta. De acordo com cientistas, há um fundo de verdade nisso, pois a montanha tem um padrão de vento diferente, fazendo com que o clima mude de repente e que plantas cresçam em ângulos bizarros. Os nativos também acreditavam na presença de uma pedra encantada entre os montes no topo da montanha que poderia engolir um homem inteiro.

3. Estranhas ocorrências desde o século 19

O avistamento de um monstro foi relatado no início do século 19, algo como o Pé Grande: os relatos descreviam um ser com mais de 1,8 metros de altura, com cabelos desde a cabeça até os dedos dos pés.

Em 1967, novamente casos envolvendo um monstro começaram a aparecer na montanha. O “homem selvagem de Glastenbury” supostamente viveria em uma caverna perto da cidade de Somerset, e atacaria mulheres das redondezas.

4. Desaparecimentos

Diversas pessoas desapareceram da Montanha de Glastenbury entre os anos 1945 a 1950. O primeiro indivíduo a desaparecer foi o guia da montanha, Middie Rivers, de 74 anos. Rivers era um caçador e pescador experiente e estava familiarizado com a área local. Ao guiar um grupo de pessoas, ficou um pouco mais à frente no caminho e nunca mais foi visto. As autoridades na época realizaram uma ampla pesquisa pela área, e a única evidência encontrada foi um único cartucho de rifle.

Um ano depois, Paula Jean Welden, de 18 anos também desapareceu. Ela foi avistada usando uma jaqueta vermelha por motoristas e funcionários nas proximidades. Nenhuma evidência dela foi encontrada na Montanha.

Em 12 de outubro de 1950, um garoto de 8 anos desapareceu de dentro de casa, que ficava próximo ao Triângulo de Bennington. O menino Paul Jephson ficou sozinho por cerca de 1 hora, enquanto sua mãe alimentava os animais. Foi o suficiente para acontecer o sumiço. Grupos de busca foram chamados para a investigação do desaparecimento da criança, mas seu corpo nunca foi encontrado. De acordo com relatos da época, cães de caça da polícia rastrearam o garoto até uma rodovia local, onde, supostamente, quatro anos antes, Paula Welden havia desaparecido.

5. O corpo encontrado

Frieda Langer desapareceu na Montanha em 1950. A mulher de 53 anos e seu primo, Herbert Elsner, deixaram o acampamento da família perto do reservatório da cidade de Somerset para caminhar. Durante o percurso, Langer caiu em um riacho e disse ao seu primo que voltaria para o acampamento para trocar de roupa. Ao perceber que a prima estava demorando muito, Elsner foi ao local para saber o que havia acontecido. Chegando lá ele descobriu que Frieda Langer nunca havia retornado.

Uma grande equipe começou a busca pela mulher. Aeronaves, helicópteros e até 300 voluntários estavam envolvidos no resgate. Em duas semanas, a área toda havia sido revistada e nenhuma evidência de Langer, morta ou viva, foi encontrada.

Em maio do ano seguinte, o corpo de Langer foi descoberto perto do reservatório de Somerset, área amplamente coberta nas buscas. Mas seu corpo estava decomposto demais para saber a causa da morte.