Matérias » Civilizações

Conheça 5 monumentos históricos que já foram odiados por habitantes locais

Edifícios históricos como o Empire State Building e a Torre Eiffel não eram tão populares quando foram inaugurados

Alana Sousa Publicado em 26/07/2019, às 13h00

Inauguração da Torre Eiffel, durante a Feira Mundial de 1889
Inauguração da Torre Eiffel, durante a Feira Mundial de 1889 - Crédito: Getty Images

Monumentos são, tradicionalmente, uma forma de trazer turistas ao redor do mundo para apreciar uma marca histórica do local. Mas a construção, algumas vezes, acaba não agradando os moradores, seja por seu caro orçamento, pela representação histórica ou até mesmo pela estética que traz para a cidade.

Reunimos abaixo uma lista de cinco monumentos que um dia já foram (ou ainda são) odiados por moradores locais.

1. Palácio do Parlamento – Romênia

Crédito: Reprodução

 

O Palácio do Parlamento de Bucareste, na Romênia, é talvez o edifício mais odiado do país. Mesmo com sua arquitetura rica em cores, que produz um brilho dourado à noite, atraindo milhares de turistas ao redor do mundo, não é o suficiente para esquecer as condições nas quais a obra foi planejada e construída.

O local foi originalmente erguido para o ditador Nicolae Ceausescu. Enquanto a população vivia em uma extrema pobreza, Nicolae gastava o dinheiro do Estado para a obra luxuosa.  O regime ditatorial foi derrubado em 1989, porém até hoje o monumento é uma marca de uma difícil época do país.

2. O Portão do Oriente – China

Crédito: Reprodução

 

Concluído em 2016, o Portão do Oriente está localizado em Suzhou, na Província de Jiangsu, na China. É o maior arranha-céu do país, e acumula alguns prêmios, como o do maior portão do planeta. Abriga ainda a maior piscina da China, e a maior adega privada também.

Entretanto, durante sua construção, o monumento não agradou aos chineses, que até hoje se referem ao Portão como calça de gigante, e declaram que se sentem humilhados com tal estrutura.

3. Empire State Building- Estados Unidos

Crédito: Wikimedia Commons

 

Empire State é o quinto maior arranha-céu dos Estados Unidos e manteve-se por quase 40 anos como o edifício mais alto do mundo. A construção foi finalizada em 1931, antes do previsto, e com um orçamento mais baixo, cerca de US$ 19 milhões a menos, o equivalente a R$ 75 milhões nos dias atuais.

A pressa para entregar o prédio se deu pelas queixas da população, que viam a obra como um desperdício de dinheiro. O primeiro ano de funcionamento da estrutura coincidiu com a Grande Depressão, fazendo com que apenas 23% do espaço do escritório fosse alugado, o que o levou a ser conhecido como o Edifício do Estado Vazio.

4. Sagrada Família – ​​Espanha

Crédito: Wikimedia Commons

 

A Sagrada Família é o edifício mais famoso da Espanha. Projetada pelo renomado arquiteto Antoni Gaudí, e localizada em Barcelona, a Igreja Católica ainda está inacabada — a construção começou em 1882, e acredita-se que seja concluída em 2026.

A construção mais rústica e com aspectos do estilo neogótico não agradou algumas conhecidas personalidades. O pintor espanhol Pablo Picasso afirmou que desejava que os responsáveis ​​pelo projeto fossem enviados para o inferno. O autor George Orwell disse que era “um dos edifícios mais medonhos do mundo”.

5. A Torre Eiffel – França

Crédito: Wikimedia Commons

 

A Torre Eiffel é um dos mais conhecidos e visitados monumentos do mundo, sendo a maior atração turística da França. O icônico edifício foi construído como celebração do 100º aniversário da Revolução Francesa.

Finalizada em 1889, a Torre despertou a fúria de inúmeros franceses no período, que pediam sua demolição: “Nós, escritores, pintores, escultores, arquitetos, apaixonados amantes da beleza, até agora intactos, de Paris, protestamos com todas as nossas forças, com toda nossa indignação, em nome do gosto francês, passou despercebida, em nome da arte e da história francesas ameaçadas, contra a construção, no coração de nossa capital, da inútil e monstruosa Torre Eiffel”, afirmaram artistas de diferentes setores em carta aberta após a inauguração.