Matérias » Personagem

A controversa morte de Edgar Allan Poe

O maior mistério de sua intensa trajetória transcendeu a literatura e chegou à vida real. Afinal, o que matou Edgar Allan Poe?

Fabio Previdelli Publicado em 06/10/2019, às 09h00

Edgar Allan Poe
Edgar Allan Poe - Reprodução

Entre as muitas realizações literárias de sua carreira, Edgar Allan Poe também é creditado pela criação do gênero de ficção criminal através de sua obra O Assassinato da Rua Morgue, publicado em 1841. A partir daí, Poe abriu caminho para grandes detetives da literatura, que vão desde Sherlock Holmes até Hercule Poirot.

No entanto, o maior mistério de sua intensa trajetória transcendeu a literatura e chegou à vida real. É apropriado dizer que a morte do autor continua sendo um dos grandes enigmas não resolvidos da literatura americana.

A misteriosa morte

Em junho de 1849, Poe embarcou em uma turnê de palestras com o objetivo de arrecadar fundos para uma revista literária que esperava publicar. Em 27 de setembro, ele deveria embarcar em uma balsa de Richmond para Baltimore e depois seguiria até Nova York. Poe chegou a Baltimore no dia seguinte, mas sua viagem para Nova York nunca aconteceu.

Relatos da época indicam que ele foi encontrado jogado na sarjeta em frente ao Gunner’s Hall, no dia 3 de setembro daquele ano. O escritor estava semiconsciente e incapaz de se mover, como se estivesse altamente alcoolizado.

Um ponto que chamou a atenção foi o fato dele não estar vestido com seu habitual terno de lã preta, mas sim com roupas surradas que pareciam não pertencer a ele, devido estarem muito largas e gastas.

Foto de Edgar Allan Poe / Crédito: Reprodução


Levado a um hospital, jamais retomou seu estado de plena consciência e, por isso, foi incapaz de explicar o que aconteceu nos dias precedentes. A morte de Edgar Allan Poe parece ser arrancada diretamente das páginas de uma de suas próprias obras.

Apesar de o seu atestado de óbito listar a causa da morte como inchaço do cérebro, circunstâncias misteriosas em torno de sua morte levaram muitos a especular sobre a verdadeira razão do seu perecimento.

Confira as principais teorias levantadas em torno da morte do escritor.

1. Espancamento

Em 1867, uma das primeiras teorias foi publicada pela biógrafa Elizabeth Oakes Smith, em seu artigo “Notas Autobiográficas: Edgar Allan Poe”. Segundo a publicação: “Uma mulher insinuou ter sido agredida por ele, que foi cruelmente espancado golpe após golpe por um rufião que não conhecia melhor maneira de vingar a suposta agressão”. Outros relatos dão conta de que alguns homens o abordaram sem nenhum motivo aparente, Poe teria sido roubado e espancado logo em sequência.

2. Vítima de fraude eleitoral

Outros acreditam que ele foi vítima de uma prática conhecida como cooping - um método de fraude eleitoral praticado por gangues no século 19 em que uma vítima seria sequestrada, disfarçada e forçada a votar em um candidato específico várias vezes sob diversas identidades.

Cartum que mostra um eleitor sendo abordado na rua por uma equipe de campanha / Crédito: Reprodução


A prática era recorrente em Baltimore nesse período, além disso, o Gunner’s Hall serviu de local de votação. Outro fato que embasa essa versão é de que os eleitores recebiam uma dose alcóolica como uma espécie de recompensa, e por ter votado várias vezes, Poe ficou em estado de coma.

3. Envenenamento por monóxido de carbono

Em 1999, o pesquisador de saúde pública Albert Donnay, argumentou que a morte de Poe foi resultado do envenenamento por monóxido de carbono vindo do gás de carvão que era usado para iluminação interna durante o século 19.

Para isso, Donnay pegou pedaços do cabelo de Poe e os testou em busca de certos metais pesados que seriam capazes de revelar a presença do gás, no entanto, os resultados foram inconclusivos.

4. Envenenamento por mercúrio

Apesar do teste de Donnay não sustentar sua teoria, o teste revelou níveis elevados de mercúrio no sistema sanguíneo de Poe. Os índices provavelmente foram elevados como resultado de uma epidemia de cólera a que ele foi exposto em julho de 1849, enquanto estava na Filadélfia.  

O mercúrio é um metal líquido, mas seu vapor é inodoro e invisível / Crédito: Reprodução


Seu médico teria receitado um remédio a base de cloreto de mercúrio, o que poderia explicar algumas das alucinações e delírios de Poe. Mas, mesmo apesar do composto em excesso, ele ainda estava 30 vezes abaixo do nível necessário para envenenar uma pessoa.  

5. Morte por raiva

Várias doenças foram propostas como possíveis causas da morte de Poe. Uma das possibilidades mais intrigantes é a sugerida pelo doutor Michael Benitez. Ele participava de uma conferência patológica na quais médicos recebiam casos de pacientes reais com nomes fictícios. Ao analisar o quadro o paciente EP (que era Edgar Allan Poe) ele constatou que os sintomas de letargia e confusão eram claros.

Caricatura do século 19 mostra o pânico com um cão raivoso / Crédito: Wikimedia Commons


O delírio de Poe parecia melhorar e piorar com tempo, um padrão parecido com pacientes que possuem raiva em um estágio avançado. Além disso, os registros hospitalares indicam que ele tinha dificuldade em beber água, o que poderia ser uma manifestação de um dos sintomas característicos da doença: o medo de água. Vale ressaltar que a enfermidade era bastante comum nos século 19.

6. Tumor Cerebral

Uma das teorias mais recentes veio à tona quando o corpo de Poe foi desenterrado e seus restos mortais foram transferidos para um novo local de honra. Pouco restava do cadáver, mas o que chamou a atenção foi uma estranha massa rolando dentro de seu crânio.

Poe pode ter morrido vítima de um tumor cerebral / Crédito: Reprodução


Apesar do cérebro ser uma das primeiras partes do corpo que apodrece após a morte, Matthew Pearl ,um autor americano, ficou intrigado com a informação e, segundo a informação que lhe foi passada por um patologista forense, a massa poderia ser um tumor cerebral que se calcificou após a morte.

7. Assassinato

Em um livro publicado em 2000, intitulado Midnight Dreary: The Mysterious Death of Edgar Allan Poe, o autor John Evangelist Walsh apresenta a teoria de que Poe foi assassinado pelos irmãos de sua noiva, Elmira Shelton. Usando evidências de jornais, cartas e memórias, ele argumenta que ao chegar à Filadélfia, Poe foi emboscado e intimado pelos três irmãos de Shelton.

Edgar Allan Poe pode ter sido forçado a beber uísque / Crédito: Reprodução 


Assustado com o ato, ele passou a se disfarçar, mas, ao tentar retornar para Baltimore, ele foi abordado novamente. Espancado, ele foi forçado a beber uísque, que eles sabiam que poderia ser prejudicial à saúde de Poe.