Matérias » Personagem

Crime brutal e sem solução: o caso Ana Lídia e as suposições sobre sua morte

Em 1973, a garota desapareceu após ser deixada na entrada da escola particular em Brasília, o que deu início a uma investigação com diversos suspeitos

Nicoli Raveli Publicado em 15/04/2020, às 03h35

Ana Lídia Braga, vítima de sequestro
Ana Lídia Braga, vítima de sequestro - Divulgação

O ano de 1973 é lembrado, no Brasil, pelo sequestro e assassinato da pequena Ana Lídia Braga. Até hoje, o crime brutal que aconteceu em Brasília é rodeado por muitos mistérios.

A garota, que tinha apenas sete anos, desapareceu após ser deixada na entrada da escola particular intitulada L2 Norte. Entretanto, sua falta só foi notada quando a empregada da família foi buscá-la na escola. Dessa maneira, ela foi informada de que a garota não havia entrado na instituição.

A investigação

Ao entrar em contato com os pais da menina, a trabalhadora contou o que havia acontecido. Foi quando eles decidiram ligar para a polícia para informar o desaparecimento de Ana.  

Quando a escola foi procurada, uma das funcionárias afirmou que a garota havia sido levada por um homem loiro de cabelos longos, alto e que vestia uma blusa branca e calça verde.

No mesmo dia do desaparecimento, o delegado responsável pelo caso recebeu uma ligação de um homem que alegava ser o sequestrador de Ana. Durante a conversa, ele exigiu dois milhões de cruzeiros pela vida da menina.

Um dia depois, as autoridades receberam outras informações sobre os supostos sequestradores. Uma carta, que foi encontrada em um supermercado próximo a casa da família, dizia que a garota seria libertada somente pelo valor de 500 mil cruzeiros, que equivale a 236 mil reais.

Carta escrita pelos suspeitos sequestradores / Crédito: Divulgação 

 

Entretanto, o resgate nunca foi pago. Além disso, a carta não chegou a ser profundamente investigada, já que não contou com a verificação das digitais dos suspeitos.

O corpo de Ana

No dia 12 de setembro, o corpo da menina foi encontrado em uma mata localizada nas proximidades da Universidade de Brasília. De acordo com os relatos dos policiais, ela estava nua e seu cabelo foi cortado perto do couro cabeludo.

Ainda de acordo com as autoridades, Ana estava em uma cova e havia sinais de que ela tinha sido violentada, já que seu corpo contava com manchas rochas e escoriações.

Além disso, diversos preservativos foram encontrados nas proximidades, mas não foram diretamente relacionados aos sequestradores da criança. Mais tarde, os exames apontaram que Ana também foi estuprada depois de morta.

Enterro de Ana Lídia Braga / Crédito: Divulgação 

 

O principal suspeito

O caso chamou a atenção novamente com o anúncio da polícia. De acordo com eles, Álvaro Henrique Braga, irmão de Ana, poderia estar ligado ao crime que resultou na morte da garota.

Segundo os policiais, ele era o principal suspeito de ter trabalhado em conjunto com Raimundo Duque, um traficante de drogas. Não obstante, Braga teria ajudado na simulação do sequestro da irmã.

Para os investigadores, o principal motivo do crime foi baseado em tirar dinheiro de seu pai, que era um funcionário público. Além disso, todas as investigações apontaram que Álvaro condizia com as características fornecidas pela funcionária da escola sobre o sequestrador. Ademais, ele já tinha ficha na polícia. Segundo os policiais, Álvaro tinha se envolvido com drogas e também havia a suspeita de que ele estava devendo aos traficantes locais.

Raimundo Lacerda Duque com as mãos para trás e Álvaro Henrique Braga de óculos olhando para a câmera / Crédito: Divulgação 

 

Braga alegou que já havia consumido drogas e que pedira dinheiro ao pai e aos amigos para realizar o aborto da namorada. Além disso, durante as investigações, outro funcionário da escola de Ana Lídia relatou que ele era o homem que tinha abordado a garota.

Mesmo com todas as alegações, o jovem não foi incriminado pelo ato. "Quando Ana Lídia foi deixada na escola pela mãe, Álvaro estava dentro do carro, com a irmã e não saiu do carro. Em seguida o pai o levou até o Detran”, afirmou o advogado de Braga. Mais tarde, o garoto foi procurado por diversos veículos de comunicação, mas não concedeu nenhuma entrevista.

Outras alegações

Um ano após o crime, os fatos deixaram de ser abordados pela imprensa devido a ordem de censura da ditadura militar brasileira. No mesmo ano, surgiram outros nomes que poderiam estar envolvidos no sequestro de Ana.

Alfredo Buzaid Júnior, mais conhecido como o Buzaidinho, era filho do então Ministro da Justiça, Alfredo Buzaid. Além disso, Eduardo Rezende, filho de Eurico Rezende, o então senador e líder do governo, também foi apontado como outro suspeito.

Todavia, nenhuma pista foi comprovada contra os homens e contra o irmão da vítima. No mesmo ano, o traficante de drogas Raimundo Duque foi absolvido do caso devido à falta de provas de seu envolvimento no crime.

Em 1975, Alfredo Bazaid Júnior morreu em decorrência de um acidente de carro. O ano de 1990 ficou marcado pela morte de outro suspeito. Eduardo Rezende cometeu suicídio no Espírito Santo. Mais tarde, em 2005, Raimundo Duque morreu aos 62 anos devido a complicações motivadas pelo alcoolismo.


+Saiba mais sobre o tema através das obras disponíveis na Amazon:

Arquivos Serial Killers. Made in Brazil e Louco ou Cruel, de Ilana Casoy (2017) - https://amzn.to/2IUCmST

Casos de Família: Arquivos Richthofen e Arquivos Nardoni: Abra os arquivos policiais, de Ilana Casoy (2016) - https://amzn.to/2ppHCXA

O pior dos crimes: A história do assassinato de Isabella Nardoni, de Rogério Pagnan (2018) -  https://amzn.to/35CT56O

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du