Matérias » Chile

A criminosa origem da fortuna do ditador chileno Augusto Pinochet

De acordo com Manuel Contreras, um dos principais integrantes do governo do tirano, Pinochet desenvolveu um infame sistema que o deixou milionário

Isabela Barreiros Publicado em 29/01/2020, às 16h40

O ditador Augusto Pinochet
O ditador Augusto Pinochet - Getty Images

Entre os anos de 1973 e 1990, Augusto Pinochet instaurou uma ditadura no Chile, que ficou conhecida por suas atrocidades cometidas a milhares de pessoas. Durante esse período, além das execuções e torturas, o ditador também acumulou uma enorme fortuna, que, de acordo com Manuel Contreras, general reformado e um dos principais integrantes do governo do ditador, surgiu com o tráfico de drogas.

O tirano desenvolveu um grande esquema de tráfico de cocaína ao longo do seu tempo de governança no país. A droga ainda era processada pelo próprio governo chileno e seus subordinados — entenda-se “subordinados” por Exército.

Pinochet e Contreras / Crédito: Arquivos Chile

 

A declaração do envolvimento do ditador com o tráfico foi publicada pelo jornal chileno La Nación em julho de 2006.

Nas dependências militares localizadas em Talagante, a 40 km da capital Santiago, soldados eram responsáveis por fabricar o “produto” junto ao químico Eugenio Berríos. O especialista fazia parte da Dina, a Direção de Inteligência Nacional, a mais temida polícia da ditadura Pinochet, cujo chefe era Contreras, o relator de tal crime.

Berríos foi assassinado nos anos 1990 de maneira suspeita. Ele foi levado clandestinamente ao Uruguai, onde deveria ser testemunha durante o processo do assassinato do diplomata chileno Orlando Letelier pela Dina, nos Estados Unidos em 1976.

Manoel Contreras / Crédito: Wikimedia Commons

 

O esquema de tráfico

Além de Pinochet, seu filho mais novo, Marco Antonio, e o empresário chileno de origem síria, Edgardo Bathich, também participavam do sistema desenvolvido pelo ex-líder político. Eles exportavam a droga para os Estados Unidos e também para a Europa.

O responsável pela distribuição da cocaína em ambas as regiões, segundo Contreras, era Monser Al Kassar, parente do empresário e também associado a atividades terroristas. Depois de vender as remessas, ele depositava a fortuna em contas diferentes de Pinochet, que possuía muitas contas no exterior, a fim de tentar manter tal operação no sigilo.

Augusto Pinochet / Crédito: Getty Images

 

Além disso, o general reformado ainda alega que o tirano usava fundos do governo para financiar o infame sistema de narcotráfico.

Uma característica no mínimo curiosa da droga processada pelos chilenos era que ela era de uma espécie diferente do que normalmente se via na América Latina e no mundo. A cocaína “negra” ou “russa” se destacava por sua capacidade de não ser reconhecida por métodos tradicionais de apreensão, sendo imperceptível ao olfato.


+ Saiba mais sobre a ditadura Pinochet por meio das obras a seguir:

Os Anos do Condor, John Dinges (2005) - https://amzn.to/345JeVp

Pinochet, Mario Amoros (2020) - https://amzn.to/2RCgMaQ

The Pinochet File, Peter Kornbluh (2013) - https://amzn.to/2RA8rEL

O longo adeus a Pinochet, Ariel Dorfman (2003) - https://amzn.to/2F98rnS

A máquina Pinochet e outros ensaios, Diamela Eltit (2017) - https://amzn.to/2SRvH1N

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.