Matérias » Curiosidades

Presente da Rainha Vitória: a curiosa história dos chocolates de 121 anos encontrados na Austrália

Totalmente conservados, os doces descobertos em janeiro deste ano foram um presente para tropas britânicas durante a Guerra dos Bôeres

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 11/02/2021, às 07h00

Os chocolates descobertos
Os chocolates descobertos - Divulgação/Biblioteca Nacional da Austrália

Foi durante uma avaliação de arquivo feita por uma equipe da Biblioteca Nacional da Austrália em 2 de janeiro deste ano que uma caixa curiosa foi encontrada. A instituição tinha acabado de adquirir a coleção de itens do poeta, autor e jornalista australiano Andrew Barton “Banjo” Paterson.

Os bibliotecários estavam no processo de desempacotar e digitalizar os conteúdos quando se depararam com uma lata que continha chocolates, embalados em palha e papel alumínio, no fundo de uma caixa. Segundo os especialistas, parecia que eles ainda estavam bons para comer.

No entanto, isso não poderia estar mais longe da realidade: aqueles doces tinham 121 anos, o que chocou a equipe. O estado de conservação do alimento era impressionante e ele estava ainda parcialmente embrulhado, o que dava o aspecto de “novo” à caixa levemente enferrujada.

Não foi muito difícil adivinhar a idade dos chocolates. Na embalagem, uma mensagem estava escrita, ao lado da imagem da Rainha Vitória. A inscrição dizia “África do Sul, 1900. Desejo-lhe um feliz ano novo, Victoria RI.”

Trajeto nada doce

Ilustração da Segunda Guerra dos Bôeres / Crédito: Wikimedia Commons

 

A história de como os chocolates foram parar nas mãos de Paterson é curiosa. Os doces foram uma ideia da Rainha Vitória, encomendados e enviados por ela para a África do Sul durante a Segunda Guerra dos Bôeres. Eles eram presentes para as tropas britânicas.

O intuito era levantar a moral dos soldados, um gesto simbólico para apoiar os combatentes do conflito com os chocolates, considerados itens de boa qualidade no período em que eram fabricados. 

A batalha era entre os colonos holandeses, chamados de bôeres, e o exército britânico. A Grã-Bretanha queria dominar as minas de diamante e ouro no local, o que acabou gerando o conflito entre as diferentes nacionalidades. Em apenas três anos, dezenas de milhares de pessoas morreram em decorrência da guerra.

Durante esse período, Paterson foi enviado para cobrir a Guerra dos Bôeres como correspondente do jornal Sydney Morning Herald. Ele ocupou o cargo por apenas um ano, quando provavelmente adquiriu a caixa de chocolates.

É possível que ele tenha comprado o doce, que tinha se tornado um item quente no mercado local, ou que o produto tenha sido um presente de alguma pessoa da região. Na verdade, não é possível saber exatamente como o poeta adquiriu os chocolates. O que se sabe é que eles foram encontrados intactos nos materiais do jornalista.

Um presente duradouro

O jornalista e poeta Banjo Paterson / Crédito: Wikimedia Commons

 

A fábrica responsável pela fabricação dos chocolates, Cadbury, pertencia a dois irmãos conhecidos por seu pacifismo. John e Benjamin Cadbury não tinham nenhum interesse em apoiar a Guerra dos Boêres, mas acabaram sendo convencidos pela rainha.

Acredita-se que eles tenham concordado com a ideia para conseguirem vender mais os seus produtos, que, ao serem enviados pela própria monarca, demonstravam-se de excelente qualidade. Para alavancar sua reputação, os irmãos aceitaram.

Se os chocolates eram considerados de boa qualidade, o fato de eles estarem preservados até os dias de hoje pode ser uma evidência de que isso era verdade. A descoberta impressionante dos doces intactos causou uma enorme surpresa nos funcionários da biblioteca.

Hoje, os chocolates são considerados os mais antigos já encontrados intactos no mundo e devem passar por análises de especialistas, com o intuito de entender como os alimentos conseguiram se manter conservados por tanto tempo, totalmente sem querer.


+Saiba mais sobre temas relacionados por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

A Era Vitoriana, Élio Chaves Flores e Iris Helena Guedes (2000) — https://amzn.to/2NLy4Ae

Vitória, a rainha: Biografia íntima da mulher que comandou um Império, Julia Baird e Denise Bottmann (2018) — https://amzn.to/2NMzKJP

História Concisa da Grã-Bretanha, de W. A. Speck (2013) — https://amzn.to/33FeKdj

Rainha Vitória, Lytton Strachey (2016) - https://amzn.to/3bkK59h

Vitória, Daisy Goodwin e Luisa Geisler (2017) - https://amzn.to/383FCWw

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W