Matérias » Família Real Britânica

Das cartas ao trágico acidente: a relação entre Lady Di e o príncipe Philip

Após a morte de Diana, foi revelado que ela chegou a trocar cartas com o sogro para discutir sua relação com Charles

Fabio Previdelli Publicado em 13/04/2021, às 13h44

Diana (à esqu.) e Philip (à dir.)
Diana (à esqu.) e Philip (à dir.) - Getty Images

Com a repercussão da morte do príncipe Philip, na última sexta-feira, 9, um outro nome que fez parte da Família Real britânica voltou a ser comentado nas redes sociais: o da princesa Diana, a eterna Lady Di.

Como aponta matéria publicada no UOL, isso se deu pelo fato de que muito admiradores da Princesa de Gales afirmarem que ela festejaria a morte do marido da rainha Elizabeth. Como pode ser visto no tweet abaixo!

Tudo porque, após a conturbada separação entre Diana e Charles, filho de Philip, Lady Di morreu após um trágico acidente de carro em 1997, em Paris. Após o episódio, Mohamed Al-Fayed, pai de Dodi, namorado de Diana à época, levantou a hipótese de que o Duque de Edimburgo pudesse ter pedido ajuda do serviço secreto britânico para matá-los.  

Apesar de tentar provar sua tese na Justiça por anos, Mohamed jamais conseguiu tal feito, mesmo assim, muitos fãs de Diana acreditam nessa possibilidade, daí a suposta comemoração.

Mas, afinal, como era a relação entre Philip e Diana?

'Estranhos no ninho'  

O relacionamento do duque de Edimburgo com a mãe de seus netos tem sido objeto de muita especulação ao longo dos anos, com relatos conflitantes sobre se os dois tinham algum afeto um pelo outro — ou não. 

Um dos pontos que pode contribuir para essa ligação é que os dois eram “estranhos no ninho” dentro da Família Real. Apesar de Philip e Diana terem vindos de criações diferente o que “ligava” os dois era o fato comum de que ambos se casaram com membros da realeza britânica, o que não os inseria ‘totalmente’ dentro da monarquia.

Esse ponto é comentado por Tobias Menzies, interprete de Philip em The Crown, da Netflix, em entrevista à revista People.  

Tobias Menzies como Philip em The Crown/ Crédito: Divulgação/ Netflix

 

"Acho que há algumas semelhanças nisso, você sabe, [ele] é outro estranho, uma posição que ele obviamente ocupou. Talvez ele tenha algum tipo de apreciação pelos desafios que ela passou”, disse. “De uma forma um pouco antiquada, eu acho que ele também gostou da feminilidade dela, de sua beleza. Ele foi meio que seduzido por ela também”. 

Cartas à realeza 

Depois que Lady Di morreu, como relata o The Independent, foi noticiado que Philip havia trocado cartas com Diana, discutindo os problemas conjugais dela com seu filho, o príncipe Charles. Em 2003, o ex-mordomo da realeza, Paul Burrell, falou sobre as missivas em seu livro ‘A Royal Duty’. 

Segundo Paul, o sogro de Diana teria escrito para ela, no verão de 1992, que desaprovava o caso de Charles com Camilla Parker Bowles. “Não consigo imaginar ninguém em sã consciência deixando você por Camilla”, teria dito Philip.  

"Não aprovamos nenhum de vocês tendo amantes”, continua. "Charles foi tolo em arriscar tudo por Camilla como um homem em sua posição. Nunca sonhamos que ele pudesse sentir vontade de deixá-la por ela. Tal perspectiva nunca passou por nossas cabeças." 

Charles ao lado de Diana/ Crédito: Wikimedia Commons

 

Diana, por sua vez, também parecia ter grande afeição pelo Duque de Edimburgo. Parte de sua correspondência, que foi revelada no inquérito de Diana e seu parceiro Dodi Al Fayad, em 2007, mostra que Lady Di se referia a Philip como seu “querido pai”. 

Quando ele disse que faria o possível para ajudá-la durante seus problemas conjugais, ela teria ficado feliz, dizendo: “Você realmente se importa”, como relata o The Independent.  

Em outra missiva, revelada no inquérito pelo secretário particular do Duque de Edimburgo, Miles Hunt-Davies, Lady Di, disse: “Gostaria que soubesse o quanto o admiro pela maneira maravilhosa como tentou chegar a uma resolução com este problema familiar intensamente difícil”. 

Rápida mudança

A troca de cartas entre Philip e Diana também foram comentadas por Simone Simons, amiga íntima da Princesa de Gales. Segundo conta, a troca de missivas entre a esposa de Charles e seu sogro foi muito menos afetuosa entre 1994 e 1995.  

Diana leu um para mim", disse ela. "Ela estava absolutamente furiosa”. Como repercute o UOL, em um certo momento, o Duque de Edimburgo tentava culpar Diana pela situação, questionando se ela poderia ter feito algo diferente em seu casamento com Charles. “Tem certeza que não é sua culpa o fato de que ele te traiu”. 

Retrato do Príncipe Philip no palácio/ Crédito: Wikimedia Commons

 

No entanto, em 2003, o duque de Edimburgo deu uma declaração oficial refutando relatos da mídia de que ele escreveu cartas “insultuosas” para Diana. “As cartas originais enviadas pelo príncipe Philip à princesa aparentemente se perderam, mas ele manteve cópias de suas cartas para ela e também tem as respostas originais da princesa”. 

“Ele começou a correspondência em junho de 1992 em uma tentativa amigável de resolver uma série de questões familiares que surgiram na época que levou à separação oficial do Príncipe e da Princesa de Gales em dezembro daquele ano”, diz o documento.

“O príncipe Philip deseja deixar claro que, em nenhum momento, ele usou os termos insultuosos descritos nas reportagens da mídia, nem que foi rude ou insensível no que escreveu”. 

Carinho com seus netos 

Após a morte de Lady Di, como relata o The Independent, o príncipe Philip, supostamente, tentou se aproximar para apoiar e blindar seus netos: Harry e William. No livro ‘The Diana Chronicles’, Tina Brown, ex-editora da Vanity Fair, escreveu sobre o comportamento do Duque de Edimburgo após a tragédia.  

"Um membro da equipe de Balmoral observou que o príncipe Philip, que efetivamente perdeu a própria mãe aos dez anos quando ela foi internada por três anos em um asilo na Suíça, foi brilhantemente eficaz com seus netos, oferecendo-lhes momentos de ternura e atividades ao ar livre”, conta. 

Quando as discussões ocorreram sobre o funeral de Diana e como seus filhos, que tinham 15 e 12 anos na época, deveriam se envolver, Brown disse que Philip se impôs pelos meninos. "Pare de nos dizer o que fazer com eles”, teria dito o marido de Elizabeth. "Eles perderam a mãe! Você está falando deles como se fossem mercadorias. Tem alguma ideia do que eles estão passando?". 

Rainha Elizabeth II, políticos, membros da família real e da família Spencer participam da inauguração da Fonte Memorial Diana, em memória da falecida Princesa Diana, em julho de 2004/ Crédito: Getty Images

 

Brown também disse que Philip consolou seu neto William depois que ele disse que não queria participar do cortejo fúnebre de sua mãe — momento que Phllip chamou de “desfile sangrento”.  

"Se eu andar, você vai andar comigo?", Philip teria dito à William. Mais tarde, o marido de Elizabeth esteve ao lado dos meninos enquanto eles caminhavam atrás do caixão de seu mãe.


++Saiba mais sobre o tema através de grandes obras da Amazon: 

Diana. O Último Amor de Uma Princesa, de Kate Snell (2013) - https://amzn.to/2TgHgPO

The Queen: The Life and Times of Elizabeth II (Edição Inglês), de Catherine Ryan (2018) - https://amzn.to/2RhgNA7

God save the queen - O imaginário da realeza britânica na mídia, de Almeida Vieira e Silva Renato (2015) - https://amzn.to/2xTkiGd

Diana. O Último Amor de Uma Princesa, de Kate Snell (2013) - https://amzn.to/2TgHgPO

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7