Matérias » Personagem

Depressão e drogas: os momentos finais de Anna Nicole Smith, o controverso nome dos anos 90

Episódios conturbados transformaram a vida de Smith em um verdadeiro inferno

Nicoli Raveli Publicado em 26/05/2020, às 18h52

A modelo norte-americana Anna Nicole Smith
A modelo norte-americana Anna Nicole Smith - Getty Images

A jovem Vickie Lynn Hogan não gostava de seguir os padrões da vida adolescente. Aos 18 anos, largou os estudos e foi morar com seu primeiro namorado, mas não abandonou sua cidade natal, o Texas.

No primeiro ano do relacionamento, o casal teve um filho, Daniel. Porém, a chegada de um recém-nascido não fez com que o clima tenso sumisse. Crises de ciúmes, violência e humilhação marcavam a relação, controlada pelo namorado.

Por isso, Vickie decidiu se divorciar em 1991, seis anos após o matrimônio. A mulher — que não tinha emprego — optou por passar necessidades ao ter que aguentar mais dias ao lado de um parceiro que não a tratava com respeito.

Sem rumo, Lynn não levou em consideração nem mesmo buscar um refúgio na casa de seus pais, mas veio a procurá-los para entregar Daniel, que a partir de então ficaria sob os cuidados de seus avós.

A vida em meio a prostituição

Em busca de dinheiro fácil, Hogan entrou no universo da prostituição. Além disso, trabalhava como dançarina em uma boate. Em meio a rotina, conheceu J. Howard Marshall II, um empresário de 89 anos que lidava com negócios bancários e de petróleo.

Anna Nicole e seu marido / Crédito: Divulgação

 

Não demorou para que os dois começassem a namorar e, em menos de um ano, Marshall decidiu tirá-la daquela vida e a concede um apartamento em Sacramento. O senhor — que a sustentava — propôs o noivado.

Vickie aceitou, mas deixou claro que queria sua independência financeira. Para isso, se inscreveu em diversas agências de modelo e passou a trabalhar em desfiles e participar de ensaios fotográficos sensuais.

Consequências de sua independência

Assim, seu nome artístico Anna Nicole Smith ganhou vida e ficou conhecido. Sua fama não demorou a chegar. No mesmo ano, em 1992, fez um ensaio nua para a revista Playboy e, em 1993, foi capa de outra revista, na qual apareceu vestida de Marilyn Monroe e foi intitulada como a melhor modelo comercial.

Em meio a sua ascensão profissional, casou-se com Howard. Mas o relacionamento – que até então era saudável – sofreu fortes críticas da própria família de seu marido e até mesmo da imprensa.

Anna Nicole e Howard II / Crédito: Arquivo pessoal de Anna Nicole

 

Ameaças e humilhações eram constantes: a acusavam de ser interesseira e desejar somente o dinheiro de seu companheiro. Cansada dos comentários agressivos e negativos sobre seu trabalho e sua vida pessoal, Anna passou a desenvolver uma forte depressão.

O caso foi agravado quando, em 1996, ficou viúva. Diante do falecimento do marido, teve que lutar por sua herança. A notícia se espalhou pelos jornais, já que havia sido impedida pela família de Marshall de ficar com parte da fortuna. 

A solução só foi encontrada quando o processo acabou sendo encaminhado ao Supremo Tribunal Norte-Americano. Sem sucesso, Nicole não recebeu sua parte, apenas pôde continuar em seu apartamento em Sacramento, já que o imóvel estava em seu nome.

Falência

Mesmo com pouco dinheiro, a mulher não soube organizar seus gastos. Logo, teve que vender sua única propriedade para pagar suas contas. Anna até tentou voltar a sua rotina de trabalho, mas seus escândalos fizeram com que nenhum desfile fosse bem remunerado.

Anna com seu filho Daniel, em 2004 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Com forte depressão e viciada em remédios, optou por uma carreira no cinema. Lá, pôde estralar em alguns filmes, mas nenhum foi bem apreciado pela crítica. Sem esperanças, decidiu dar uma chance a vida de modelo comercial, na qual realizou trabalhos como garota propaganda de diversos produtos.

Parecia que esse era seu destino, mas sua profissão trouxe à tona outra questão que viria a ser um problema. Em meio a tantos padrões de beleza, Nicole se viu na obrigação de realizar diversas cirurgias plásticas e, para isso, gastou todo o dinheiro que havia sobrado da venda de seu apartamento.

Na mesma época, sua depressão parecia ganhar força. Ao mesmo tempo em que ingeria medicamentos para curar o distúrbio, também tomava remédios para a ansiedade e outros que prometiam seu emagrecimento – e os misturava com bebidas alcoólicas. Infeliz com sua rotina, Smith buscou até mesmo criar seu próprio programa, o The Anna Nicole Show, mas não obteve sucesso.

A vida conturbada

A artista não via uma luz no fim do túnel, então decidiu se dedicar outra vez em seus comerciais e, em 2004, foi chamada para trabalhar em Nessau, Bahamas, para propagandas de perfumes e maquiagens.

Foi no País do Caribe que conheceu o advogado Howard Kevin Stern e casaram-se. Anna tinha a esperança de ter uma vida nova, mas os escândalos não a abandonavam. Em 2006, a modelo – que deu à luz Dannielynn  – convidou seu filho para visitá-la. Três dias após o nascimento de sua meia-irmã, Daniel, que tinha medo de avião, chegou em Nessau.

Sua presença, todavia, não foi celebrada por muito tempo. Naquela noite, o garoto dormiu e nunca mais acordou: foi vítima de um infarto proveniente de overdose de heroína e calmantes.

Não demorou a que sua mãe se sentisse culpada, já que ela havia pedido para que ele viajasse de avião e, devido a sua fobia, Daniel exagerou na dose do ansiolítico. Além disso, Smith descobriu que seu filho usava drogas.

Vickie Lynn Hogan, popularmente conhecida como Anna Nicole Smith / Crédito: Divulgação 

 

A morte do jovem, porém, não foi a única notícia que ganhou destaque naquele mês. Pouco tempo após o nascimento da garotinha, a mulher alegou que a criança era filha de Marshall, seu segundo marido, já que havia congelado seu sêmen e feito uma inseminação artificial.

Incrédulos, a família de J. Howard alegou que era mais um golpe na tentativa de tirar dinheiro do falecido. Abalado por suas mentiras e também pelas descobertas de inúmeras traições — Stern seu atual marido  — a abandonou, uma vez que a própria Anna não sabia informar de qual homem era sua filha. Devido a sua alegação sem fundamento, a modelo foi processa e perdeu ainda mais dinheiro.

Últimos dias

Com a vida financeira abalada e sem um companheiro, Nicole deixou Bahamas e mudou-se para Hollywood em busca de outro emprego na mídia. Sem sucesso, sua imagem foi novamente prejudicada devido a um juiz que pediu o teste de DNA de Dannielynn.

O exame alegou que o pai da garota era Larry Birkhead, um fotógrafo com quem a modelo havia se relacionado enquanto era casada com Stern. Ao lutar pela guarda, o homem a conquistou, fazendo com que Anna pudesse visitar sua filha somente a cada 15 dias.

Danielynn Birkhead, filha de Anna, e seu pai, Larry Birkhead / Crédito: Getty images

 

Acredita-se que foi devido a esse afastamento que sua depressão, episódios recorrentes de alcoolismo e suicídio ganharam força. Além disso, os fatos de sua vida pessoal haviam afetado sua credibilidade e não a ajudavam a conquistar qualquer trabalho.

Para isso, voltou a vida como prostituta e, na mesma época, passou a consumir drogas e tornou-se viciada em cigarro. Sem esperanças e desacreditada, a mulher foi encontrada desacordada em seu quarto de hotel em Hollywood.

Ao ser transferida a um hospital, foi informado que Nicole estava morta. Quando seu falecimento foi analisado, apontou que sua morte foi gerada por intoxicação de drogas combinadas que ela utilizava para dormir, controlar a depressão e para emagrecer.

Além disso, acredita-se que a doença Tiroidite de Hashimoto — a qual a artista não havia sido diagnosticada — também tenha contribuído para o óbito. Naquela noite, não foi encontrada nenhuma evidência de utilização de drogas ilícitas.


+ Saiba mais sobre Hollywood por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, de Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/2ViwOqO

Hollywood Babylon: The Legendary Underground Classic of Hollywood's Darkest and Best Kept Secrets (Edição Inglês), de Kenneth Anger (1981) - https://amzn.to/2RurMWU

O livro do cinema, de Vários autores (2017) - https://amzn.to/2VeOS52

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W