Matérias » Entretenimento

Neste dia, em 1973, Bruce Lee dava seu último suspiro

Há 47 anos, a lenda do Kung-fu falecia repentinamente aos 32 anos, levantando diversas teorias bizarras sobre seus últimos momentos de vida. Conheça 5 fatos sobre o episódio

Wallacy Ferrari Publicado em 20/07/2020, às 10h01

Bruce Lee em pose durante fotografia em set de filmagens
Bruce Lee em pose durante fotografia em set de filmagens - Divulgação

1. Jantar com James Bond

Na noite de seu falecimento, em 20 de julho de 1973, Bruce tinha um jantar com George Lazenby, o ator de James Bond em ‘007 - A Serviço Secreto de Sua Majestade’, porém, horas antes, encontrou-se com o produtor de Raymond Chow, com quem havia rodado o filme ‘Jogo da Morte’. Ambos os eventos seriam feitos na presença da atriz taiwanesa Betty Ting Pei.

Cerca de dois meses antes, o ator desmaiou e teve convulsões após uma forte dor de cabeça durante a gravação da dublagem de ‘Operação Dragão’, chegando a ser hospitalizado. Ciente do ocorrido, Betty deu um analgésico Equagesic — mistura de aspirina com relaxante muscular — ao ator, que reclamava de novas dores de cabeça.


2. Descoberto pela amante

A atriz Betty Ting Pei não acompanhava Bruce por uma coincidência de agendas; a taiwanesa era amante do ator desde o início da década de 1970, sendo escondida da imprensa e da então esposa do ator, com quem Lee estava casado há oito anos. O que o casal não esperava, no entanto, era que o relacionamento seria descoberto em uma tragédia.

Bruce Lee e amante Betty Ting Pei juntos em fotografia / Crédito: Divulgação

 

Foi Betty que encontrou Bruce desacordado no hotel, chegando a realizar massagem cardíaca e respiração boca-a-boca. A atriz solicitou a ajuda dos paramédicos presentes no prédio, que solicitaram uma ambulância, mas não conseguiram reanimar o ator. A descoberta da amante foi amplamente noticiada pela imprensa na época, causando um desconforto no funeral.


3. Culpa de um analgésico?

Inicialmente, os médicos-legistas que analisaram o corpo de Bruce acreditavam que a causa da morte poderia ter sido atribuída a uma reação alérgica causada pelo meprobamato, um dos componentes presentes no analgésico tomado sem indicação, porém, seu cadáver não apresentava sintomas de reações alérgicas. Um dos sintomas, entretanto, chamou a atenção da equipe médica.

O cérebro do mestre de kung-fu estava inchado, tendo um aumento de 13% de sua massa, mas sem demonstrar inchaço externo. Tal fator fez a morte ser atribuída a um aneurisma, causada por um acúmulo de líquido por lesões, causando um edema. A conclusão acrescentou que o remédio não foi o causador do óbito, mas causou uma espécie de pane em seu sistema nervoso central.


4. Teorias conspiratórias

Diferentes versões do óbito foram propagadas por boatos duvidosos e personalidades próximas ao ator nos anos seguintes ao falecimento; Chuck Norris, lenda dos filmes de artes marciais e amigo pessoal de Bruce afirmou, em 1975 durante a Comic Con, que Bruce teria falecido por uma combinação letal de relaxantes musculares. Em outra hipótese, o lutador teria consumido um remédio afrodisíaco, assustando uma prostituta, que o matou.

Bruce Lee em trecho do filme 'A Fúria do Dragão' (1972) / Crédito: Divulgação 

 

Porém, o principal boato é atribuído as tríades, uma das principais organizações mafiosas da Ásia, que teria infiltrado Betty para administrar um remédio letal ao ator. Os motivos são os mais diversos — desde traições e dívidas com a gangue até a revelação de truques milenares do kung-fu para a sociedade — mas sempre foram contestados por biógrafos de Bruce.


5. Uma morte, dois funerais

O sucesso do ator nos Estados Unidos era recente, sendo uma ascensão desde o início da década de 1970, porém, na China, Bruce já era consagrado por disseminar a cultura do país como algo imponente. Com o seu falecimento, um funeral extenso ocorreu em Hong Kong, com mais de 15 mil pessoas ocupando as ruas da megalópole chinesa para o último adeus ao ídolo.

Um segundo funeral, no entanto, foi realizado em no cemitério Lake View, em Seattle, nos EUA, a pedido da esposa Linda Lee; recebendo Chuck Norris e Steve McQueen, o evento privado era de interesse da companheira para manter o corpo próximo da família nos Estados Unidos. Em 1994, o filho Brandon Lee foi enterrado ao lado do pai, no mesmo cemitério.


+Saiba mais sobre Hollywood por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, de Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/2ViwOqO

Hollywood Babylon: The Legendary Underground Classic of Hollywood's Darkest and Best Kept Secrets (Edição Inglês), de Kenneth Anger (1981) - https://amzn.to/2RurMWU

O livro do cinema, de Vários autores (2017) - https://amzn.to/2VeOS52

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W