Matérias » Hollywood

Desigualdade de gênero além da morte: O lucro póstumo de astros de Hollywood

Mesmo após vera à óbito, mulheres famosas sofrem com sexualização da imagem e rendimento abaixo de artistas masculinos

Ruth Penfold-Mounce / Tradução: Alana Sousa Publicado em 19/09/2020, às 10h00

Elizabeth Taylor e James Dean
Elizabeth Taylor e James Dean - Wikimedia Commons

A morte não é desculpa para as celebridades pararem de trabalhar. James Dean, apesar de estar morto desde 1955, recentemente foi escalado para um novo filme da guerra do Vietnã, Finding Jack. Seu papel co-protagonista será gerado por computador a partir de imagens e fotografias antigas e dublado por outro ator. Os mortos agora rivalizam com os vivos por papéis no cinema.

A polêmica decisão do elenco foi recebida com indignação por muitos atores no Twitter. Reclamações têm circulado sobre marionetes, além de desrespeito ao ídolo do cinema morto .

Dean não é de forma alguma a primeira celebridade morta a continuar a se apresentar após a morte. Nat King Cole cantou com sua filha Natalie em seu álbum vencedor do Grammy de 1991, Unforgettable... With Love, e se apresentou no palco com ela através de uma tela de vídeo.

O ator James Dean / Crédito: Getty Images

 

Enquanto isso, Tupac Shakur cantou no palco com Snoop Dogg e Dr. Dre em 2012 e Michael Jackson se apresentou como um holograma no Billboard Music Awards em 2014.

Se, como Dean declarou : “A imortalidade é o único sucesso verdadeiro”, então o sucesso é alcançável para um número crescente de celebridades mortas de alto perfil que permaneceram produtivas e valiosas após a morte.

Mas algumas celebridades mortas são mais valiosas do que outras.

Ajuste de contas

Tanto na vida quanto na morte, as celebridades exercem um poder significativo como um catalisador para o significado cultural. Eles possuem valor simbólico e econômico que se estende até a morte através dos rastros que deixam para trás. Esses traços continuam o poder de celebridade da estrela morta como marca e incluem coisas como fotos, filmes, assinaturas e gravações de sua voz, bem como sua personalidade de celebridade (o personagem ou personalidade que eles apresentaram aos fãs).

Mas essa celebridade póstuma varia em valor. Para muitas mulheres famosas, os vestígios que deixam possuem um valor sexualizado, tanto quanto tiveram em vida — relacionado à sua juventude, beleza e sensualidade. Grande parte de seu valor simbólico e econômico diz respeito a seus corpos, de modo que a maneira como seus rastros são colocados em ação depois que morrem reflete a desigualdade de gênero.

Celebridades de mulheres mortas são colocadas para trabalhar vendendo produtos feminizados, como chocolate ou perfume. Enquanto isso, Steve McQueen vende carros Ford Puma e Einstein promove o Pão Genius.

Fazendo a lista

Lista dos artistas e valores / Crédito: Divulgação/ Forbes

 

A maneira como a desigualdade de gênero vai além da morte é claramente revelada pela publicação da revista Forbes de sua Lista de Celebridades Mais Mortas que Ganham todo mês de outubro desde 2001. Carinhosamente chamada de Lista de Ricos Mortos, ela revela uma desigualdade de gênero distinta. De 52 celebridades que apareceram na lista em quase duas décadas, apenas cinco são mulheres: as atrizes Marilyn Monroe e Elizabeth Taylor, a artista de strip-tease e modelo pin-up dos anos 1950 Bettie Page, e as cantoras e compositoras Jenni Rivera e Whitney Houston.

Homens — incluindo Michael Jackson, Elvis Presley e Charles Schultz — dominam de forma consistente as primeiras posições na Lista de Ricos Mortos. Seus ganhos após a morte são incrivelmente altos em comparação com os das mulheres que aparecem.

O primeiro lugar foi detido por Michael Jackson todos os anos desde sua morte (exceto em 2009 e 2012), ajudando a contrariar a tendência de sub-representação de artistas negros e de minorias étnicas. Os ganhos de Jackson foram imensos, subindo para US $ 825 milhões em 2016 devido à venda de sua metade do catálogo da Sony / ATV Music que possuía grande parte da música dos Beatles, antes de cair para seu ponto mais baixo em 2019 com US $ 60 milhões.

Em contraste, Monroe era a mulher que ganhava mais, com US $ 13 milhões em 2019, o que a permitiu manter o oitavo lugar na lista pelo segundo ano.

A Forbes sugere que para alcançar uma carreira póstuma financeiramente bem-sucedida ajuda ser um homem branco dos Estados Unidos ou do Reino Unido, embora negros e pessoas de minorias étnicas (BAME) sejam mais propensos a fazer o corte agora do que em 2001, conforme ilustrado por Michael Jackson , Bob Marley, Prince e Whitney Houston aparecendo em listas recentes.

Monroe nos bastidores / Crédito: Divulgação

 

Construindo valor póstumo

Mas mesmo que entrem na lista dos ricos, os ganhos póstumos da carreira de Monroe, Taylor, Page, Rivera e Houston ilustram como as mulheres e os negros e pessoas de minorias étnicas continuam a ser sub-representados entre aqueles que alcançam altos rendimentos após a morte. Eles revelam que o valor da celebridade, em termos de simbolismo e economia, é fortemente relacionado ao gênero após a morte.

As carreiras póstumas de mulheres famosas mortas são limitadas por serem valiosas devido ao seu capital físico. Os homens têm um bom histórico de enriquecimento por meio dos livros que escrevem ou das músicas e letras que compõem e possuem. Em contraste, as mulheres famosas têm menos probabilidade de ser uma fonte de produção de riqueza, mas um meio de gerar riqueza para outras pessoas.

Mas o século 21, em particular, está testemunhando o surgimento de mulheres celebridades perceptivas e bem informadas que possuem as fontes de produção de riqueza e não estão restritas ao seu capital físico. Mulheres como Oprah Winfrey, as irmãs Kardashian e J.K. Rowling estão no firme controle de seu valor econômico e simbólico — que é algo que elas podem levar adiante até a morte.

Praticamente todas as possíveis mulheres candidatas a futuras listas têm uma vida longa pela frente — esperançosamente, exceto doença ou acidente — o que significa que se passarão muitos anos antes que essa desigualdade de gênero na morte seja devidamente questionada. Do jeito que está, a desigualdade de gênero do capital corporal significa que, para mulheres celebridades, a morte não é o último grande equalizador, a desigualdade continua na morte.


Por Ruth Penfold-Mounce, Professora sênior, Universidade de York. Este artigo foi republicado no The Conversation sob uma licença Creative Commons e traduzido com autorização da autora. Leia o artigo original aqui.


+Saiba mais sobre Hollywood por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, de Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/2ViwOqO

Hollywood Babylon: The Legendary Underground Classic of Hollywood's Darkest and Best Kept Secrets (Edição Inglês), de Kenneth Anger (1981) - https://amzn.to/2RurMWU

O livro do cinema, de Vários autores (2017) - https://amzn.to/2VeOS52

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W