Matérias » Entretenimento

Dividindo a exposição midiática: a intensa amizade de Michael Jackson com Elizabeth Taylor

Além de acompanhar a estrela em diversos eventos de gala, o Rei do Pop vivenciou diversos momentos íntimos com a atriz de Cleópatra

Wallacy Ferrari Publicado em 20/09/2020, às 10h23 - Atualizado em 29/09/2020, às 10h23

Michael Jackson abraça Elizabeth Taylor em fotografia pessoal
Michael Jackson abraça Elizabeth Taylor em fotografia pessoal - Divulgação/Facebook/Michael Jackson - Then, Now and Forever in Our Hearts/12.09.2020

Em dezembro de 1984, a comentada turnê Victory, protagonizada por Michael Jackson ao lado dos irmãos, estava em sua reta final. Revisitando clássicos do Jackson 5 com músicas do álbum Thriller, os Jacksons se apresentariam no Dodger Stadium.

A atriz Elizabeth Taylor não queria perder a oportunidade. Comprou logo quatorze ingressos VIPs para acompanhar o concerto com amigos e seguranças.

A experiência, no entanto, foi frustrante; de acordo com a intérprete de Cleópatra, “teria sido melhor assistir na TV”, visto que era muito distante do palco. Antes mesmo do fim do show, a artista decidiu sair da arena, desistindo de acompanhar a apresentação.

Quando soube disso, Michael ficou arrasado e decidiu conversar diretamente com a atriz. Após horas consultando profissionais da vida pública, conseguiu o telefone de Taylor, ligando no dia seguinte.

Michael fez o contato e pediu desculpas para a atriz, que não apenas perdoou o rapaz, mas continuou a conversa por mais três horas. Foi o início de uma das amizades mais sucintas da história da fama, com ligações prosseguindo ao longo dos meses.

Michael Jackson na capa do disco "Thriller", de 1982 / Crédito: Divulgação

 

União por uma vida

O principal assunto que uniu o ícone do cinema com o Rei do Pop foi a exposição da mídia, principalmente pelo início precoce; Elizabeth começou a carreira aos 12 anos de idade, sendo explorada pela mãe para fazer testes e audições. Michael, por sua vez, iniciou com 5 anos de idade, sendo treinado à força pelo pai. Juntos, compartilhavam a necessidade de conversar sobre fatores da infância e juventude.

Os 27 anos de diferença proporcionavam uma visão maternal da atriz pelos olhos de Michael, tendo não apenas influência em momentos bons — como quando organizou uma manhã de Natal em 1993 com o cantor —, mas também auxiliava em questões pessoais, sendo a responsável por orientar sua internação para diminuir o vício em remédios.

Em áudios vazados de Michael em 2009, a admiração pela amiga foi ainda mais explorada; diversas fitas, gravadas entre 2000 e 2001 em sessões de terapia do ex-conselheiro espiritual do músico, Rabino Shmuley Boteach, registram a sensação de irmandade entre os artistas: “Elizabeth Taylor é bem como uma criança. Não há o que você possa fazer quando ela diz: ‘Eu não quero fazer isso’. Quando saiu [o filme] Vida de Inseto, ela me perseguiu até conseguir ajustar minha agenda para podermos assistir esse desenho”, disse o cantor.

Elizabeth Taylor, atriz de Hollywood / Crédito: Imagem de WikiImages por Pixabay

 

O lado da atriz

Se Michael a enxergava como uma mãe, Elizabeth tinha no amigo uma oportunidade para conhecer novos ares, esbanjando jovialidade. Além de acompanhar fisicamente o cantor durante a maioria da turnê Dangerous — contrariando os médicos — a atriz ainda realizou seu oitavo e último casamento em Neverland, tendo a cerimônia inteiramente financiada pelo Rei do Pop.

Pouco depois do casamento, em 1992, Taylor concedeu uma entrevista para a revista Lary Life, acrescentando muito elogios sobre a relação com o cantor: "Michael e eu nos amamos como um irmão e uma irmã. A imprensa o descreve como um estranho. Eles não poderiam estar mais errados. Ele é um paradoxo. Um empresário brilhante - e uma bela alma pura, instintiva e incólume. Um sonhador que faz as coisas acontecerem".

Quando o músico faleceu aos 50 anos, em 2009, Elizabeth manifestou estar de "coração partido" no Twitter, logo após a confirmação da notícia. Apesar da amizade, preferiu não comparecer ao funeral, buscando acompanhar da mesma maneira que os fãs ao redor do mundo fizeram. Dois anos depois, em 2011, Taylor faleceu aos 79 anos, em decorrência aos problemas de uma insuficiência cardíaca crônica.


+Saiba mais sobre o tema em grandes obras disponíveis na Amazon:

Intocável: A estranha vida e a trágica morte de Michael Jackson, por Randall Sullivan (2013) - https://amzn.to/2SaoTKz

Complete Short Stories, de Elizabeth Taylor (ebook) (2012) - https://amzn.to/2PuNc5k

Michael Jackson, por J. Randy Tamborelli (2012) - https://amzn.to/3aZRZom

Elizabeth Taylor: The Last Star, de Kitty Kelley (ebook) (2011) - https://amzn.to/3aesAq3

Michael Jackson, o rei do pop, por Chris Roberts (2010) - https://amzn.to/2vxg9G

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W